Por Deniele Simões Em Notícias

ENS reafirma valor do matrimônio e da família

As mudanças impostas pelo mundo pós-moderno estão transformando as relações interpessoais e, como consequência, a estrutura das famílias. Cada vez mais, as pessoas enfrentam dificuldades para assumir o compromisso do matrimônio como algo definitivo, ou seja, para a vida inteira.

O interesse em viver o momento presente de modo pleno faz com que se deixe de lado também a construção de um casamento e a vocação para a família.

Foto de: Deniele Simões / JS

ENS_1 - Deniele Simões JS

Encontro em Aparecida (SP) reúne mais de 7.000 participantes, entre casais equipistas, bispos, padres
e assessores para reflexão sobre matrimônio

 

 

Essa problemática, trazida pela mudança de época, e a influência dessa questão no matrimônio foram debatidas amplamente durante o 3º Encontro Nacional das Equipes de Nossa Senhora (ENS), realizado em Aparecida (SP), entre os dias 30 de junho e 3 de julho, no Santuário Nacional.

Promovido no Centro de Eventos Padre Vítor Coelho de Almeida, o encontro reuniu mais de 7.000 pessoas, vindas de todas as regiões do país, que refletiram sobre o tema Matrimônio Cristão, festa da alegria e do amor conjugal, tendo como lema Fazei tudo o que Ele vos disser (Jo 2,5), que narra a história das Bodas de Caná.

Nos quatro dias de encontro, os casais membros da ENS, também chamados de equipistas, sacerdotes, bispos e assessores participaram de momentos de confraternização, descontração, partilha, oração e, sobretudo, de formação, contribuindo, por meio de lições e testemunhos para refletir o tema e o lema.

Para o assessor espiritual da Região Brasil da ENS, que engloba todo o território nacional, o encontro proporcionou uma viagem pela realidade do matrimônio, envolvendo todos os participantes através da utilização do método “ver, julgar e agir”, consagrado pela Igreja na América Latina e pelo Documento de Aparecida.

“Temos a responsabilidade, que deriva do carisma confiado ao padre Henri Cafarrel, de testemunhar o vinho bom da alegria matrimonial para o mundo em que vivemos. Essa é uma missão que deriva da nossa participação no movimento e, por isso, esse encontro só será completo se adquirirmos critérios para julgar e nos comprometermos com a ação”, diz.

A família hoje

Cada dia do encontro foi dedicado a uma fase da dinâmica do “ver, julgar e agir”. O processo do “agir” ficou sob a responsabilidade do casal responsável pela coordenação do movimento na Super Região, Hermelinda e Arturo Zamperlini.

Hermelinda fala ao JS que o problema da desestruturação familiar passa também pela esperança. “O nosso movimento fortalece o casal e, com isso, essa luz acaba irradiando para a família, para os filhos”, justifica.

Foto de: Deniele Simões / JS

ENS_2 - Deniele Simões JS

3º Encontro Nacional das Equipes de Nossa Senhora aconteceu
entre 30 de junho e 3 de julho

Segundo a dirigente, existe uma esperança muito grande de que a ação do Evangelho, por meio do movimento, consiga solidificar as famílias. “A gente tem uma missão que é justamente atender esses casais com dificuldade, tanto nas pastorais familiares quanto no projeto de evangelização, com casais que moram juntos, mas não têm o sacramento”, acrescenta. 

Em outubro do ano passado, Hermelinda e Arturo participaram de um encontro com o Papa Francisco, durante o Sínodo Extraordinário para a Família.

De acordo com Arturo, a intenção de Francisco é dar “um passo à frente” no tocante à família. “Ele quer mostrar ao mundo em que a gente vive hoje que é bom ser católico, ser cristão, ter família e que a família é um exemplo para a sociedade”, diz Arturo.

O cardeal arcebispo de Aparecida, dom Raymundo Damasceno Assis, falou da experiência como assessor espiritual do movimento em Brasília, que já dura 40 anos.

Dentro da temática do encontro, dom Damasceno ressalta o exemplo de Maria na passagem bíblica das Bodas de Caná como chave para o fortalecimento do sacramento do Matrimônio. “Ela pede a todos nós que façamos a vontade de seu filho, para que a vida conjugal e familiar seja uma festa constante, que nada falte e o vinho melhor do amor, doação, sinal do amor de Cristo para com a Igreja, nunca acabe.”

Movimento reúne 47 mil membros no País

O movimento Equipes de Nossa Senhora foi fundado pelo padre francês Henri Caffarrel, que começou a dar orientação espiritual a casais.

Foto de: Deniele Simões / JS

Nilze Moreira - Deniele Simões JS

Nilze Pinheiro Moreira, de Recife (PE),
participa da ENS há 25 anos

Na época da II Guerra Mundial, o movimento intensificou-se e hoje está presente em mais de 70 países.

No Brasil, a ENS conta com 47 mil membros e está presente em 23 estados, nas cinco regiões do País.

 

O trabalho acontece com a formação de núcleos ou equipes, compostas por cinco a sete casais e com a presença de um padre conselheiro. “Eles se juntam, rezam juntos, discutem temas atuais da Igreja e procuram ser exemplo como casal e cristãos e transbordar esse exemplo para a sociedade”, explica Hermelinda.

A dona de casa Nilze Pinheiro Moreira, de Recife (PE), participa da ENS há 25 anos e é casada há 57. “Meu casamento melhorou muito depois que entrei. No começo meu marido relutou, mas depois aceitou. Foi uma maravilha e estamos nessa equipe há 25 anos”, conta.

Para a equipista, foi muito bom participar do encontro em Aparecida e poder ouvir os testemunhos dos casais.

Na avaliação do casal responsável pelo movimento na Super Região, estar na Casa da Mãe Aparecida proporcionou muita felicidade. “Coroa um trabalho de todo o nosso grupo, que atuou na retaguarda conosco, em nosso grupo de trabalho, que trabalhou na retaguarda conosco, durante esses últimos anos”, conclui Arturo.

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Anterior
Próximo
Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Deniele Simões, em Notícias

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.