Por Deniele Simões Em Notícias

Movimento Schoenstatt prepara-se para primeiro centenário

Quem nunca ouviu falar na campanha da Mãe Peregrina? A Capelinha de Nossa Senhora de Schoenstatt, que visita lares de milhares de famílias mensalmente, chegando aos mais distantes rincões do país, é uma das ações que caracterizam o Movimento Apostólico de Schoenstatt.

Idealizado na Alemanha, o movimento completará 100 anos de existência no próximo dia 18 de outubro. O Ano Jubilar comemorativo teve início no dia 18 de outubro do ano passado e, desde então, a família schoenstattiana vem preparando-se para celebrar o centenário.

Foto de: Movimento Schoenstatt

emblema_reproducao_schoenstatt

Os trabalhos preparatórios concentram uma série de ações nos mais de 100 países onde o movimento está presente. De acordo com o diretor nacional do Movimento, padre Alexandre Awi Mello (ISch), um dos trabalhos espirituais é a novena de nove meses, que teve início no dia 18 de janeiro.

“Cada localidade está procurando preparar-se espiritualmente, da melhor maneira possível, a partir da realidade de cada grupo, já que temos casais, juventude, grupos de mães e o terço dos homens”, salienta.

No Brasil, o movimento conta com 22 santuários de Schoenstatt, que são locais onde é possível praticar a espiritualidade mariana de uma forma mais intensa.

De acordo com padre Alexandre, cada santuário deverá realizar eventos específicos em preparação à data. Também nas 214 dioceses onde acontece a campanha da Mãe Peregrina estão programadas ações.

É o caso da diocese de Taubaté, no interior de São Paulo, que no dia 6 de abril promoveu uma grande peregrinação dos fiéis, partindo de Taubaté até o município de Tremembé, onde existe um monumento dedicado ao movimento, conhecido como Ermida.

“Vários lugares estão tomando iniciativas nesse sentido, porque as ermidas são lugares de vinculação a Nossa Senhora e há um santuário de Schoenstatt”, explica. O religioso lembra que cada diocese elabora sua programação local, a partir dos diversos grupos do movimento.

Programação na Alemanha

A cidade de Schoenstatt, na Alemanha, prepara-se para receber centenas de milhares de peregrinos de quase todo o mundo. A programação será de 16 a 19 de outubro e inclui missas, vigílias, momentos de oração e adoração, apresentação de projetos internacionais, plenárias, além de espaços específicos para o público infantil e a difusão de eventos culturais.

Outro espaço de divulgação do carisma do movimento serão as Tendas da Cultura da Aliança, onde o público vai ter a oportunidade de partilhar a prática do Evangelho em espaços específicos voltados a cinco temas: Família e Matrimônio; Juventude; Pedagogia do pensamento do fundador do movimento, padre Josef Kentenich; Igreja e Sociedade.

Quem não puder ir a Schoenstatt poderá acompanhar a celebração de renovação da aliança entre o movimento e a Igreja Católica às 17 horas do dia 18 de outubro (12 horas no horário de Brasília). A missa será transmitida ao vivo por uma rede norte-americana de televisão, com retransmissão pela TV Canção Nova.

Foto de: Alexandre Santos / JS

pe_alexandre_foto_alexandre_santos_js

Segundo padre Alexandre, no Brasil, a família
schoenstattiana prepara-se para o jubileu de
acordo com a realidade vivida em cada grupo

Os membros brasileiros do movimento que não puderem ir à Alemanha devem reunir-se em várias localidades, como santuários e ermidas, tanto antes como depois da grande missa de renovação da aliança. 

Padre Alexandre calcula a presença de mais de mil brasileiros em Schoenstatt, por ocasião dos preparativos para o jubileu. “Em abril e em maio pelo menos uns 300 a 400 peregrinos devem ir. Depois, no mês de julho, a ideia é que vá um grupo de até mil brasileiros em diferentes grupos”, destaca.

Encontro com o Santo Padre

Além da programação na Alemanha, as comemorações jubilares vão contar com uma visita dos membros do movimento ao Papa Francisco, no Vaticano.

As atividades em Roma acontecem entre 23 a 26 de outubro. De acordo com padre Alexandre, a audiência com o pontífice está marcada para o dia 25 e as expectativas são as melhores possíveis.

“Esperamos muito porque, no túmulo do nosso fundador, há a inscrição Dielexit Eclesiam (Amou a Igreja). Queremos nos comprometer com o Papa Francisco nesse momento de renovação da Igreja para que possamos vivenciar tudo aquilo que ele está motivando”, destaca.

Padre Alexandre espera que o jubileu não seja apenas um “olhar para trás” para celebrar o que passou, mas um lançar-se à frente para os próximos 100 anos. “A gente espera seguir essa tarefa missionária da nossa Igreja, colaborando a partir de nosso carisma”, conclui.

 Campanha da Mãe Peregrina tem origem brasileira

A Campanha da Mãe Peregrina de Schoenstatt integra a obra internacional do movimento e foi criada no Brasil.

Hoje presente em 90 países, a iniciativa permite a união de milhares de famílias em oração, através da intercessão de Nossa Senhora de Schoenstatt, representada pela imagem da Mãe Três Vezes Admirável de Schoenstatt.

A campanha foi criada em 1950, pelo comerciante João Luiz Pozzobon, na cidade de Santa Maria (RS), que começou a levar a imagem para visitar vários lares por iniciativa da irmã Maria Teresinha Gobbo, do Instituto Secular das Irmãs de Maria de Schoenstatt.

Foto de: Deniele Simões / JS

caminhada_taubate_foto_deniele_simoes_js

Caminhada organizada na diocese de Taubaté (SP) é um dos
muitos eventos que acontecem no Brasil em preparação ao
centenário do Movimento Schoenstatt

Desde então, a presença da imagem da Mãe peregrina tem multiplicado-se e visitado milhares de lares todos os meses. “A campanha espalhou-se pelo mundo inteiro e são inúmeros os milagres e as bênçãos que escutamos como relatos dessas visitas”, detalha padre Alexandre.

No Brasil, cerca de 214 dioceses são abrangidas pela campanha, que tem dois grandes polos de organização: os santuários de Santa Maria (RS) e Atibaia (SP). Além desses dois polos existem vários grupos de disseminação.

Caminhada no interior de SP marca preparativos para centenário

Mais de 150 participaram, na manhã do dia 6 de abril, da I Caminhada à Ermida da Mãe Rainha, em Tremembé (SP). O grupo ligado à diocese de Taubaté percorreu a pé uma distância de cinco quilômetros entre as cidades de Taubaté e Tremembé.

Segundo os coordenadores diocesanos do movimento, Maria Aparecida e Paul S. Hansen, a participação superou as expectativas. O movimento começou na diocese na década de 1980 e hoje conta com cerca de 1450 membros, entre missionários e coordenadores.

A caminhada foi também um momento de “capital de graça”. “A gente oferece todo o nosso cansaço e trabalho para que as pessoas sejam beneficiadas”, explica a coordenadora do movimento em Taubaté, Claudia Maria Ferraro.

Para o assessor espiritual do movimento na diocese, padre Ricardo Luiz Cassiano, o evento foi um momento de grande alegria. Ele participou de todo o percurso, que teve uma Via Sacra com 15 pontos de parada.

Ao término da caminhada, padre Ricardo celebrou uma missa na paróquia Nossa Senhora Auxiliadora, no bairro dos Guedes, onde está instalada a ermida.

Foto de: Deniele Simões / JS

edith_e_paulo_foto_deniele_simoes_js

Dona Edith e esposo Paulo são coordenadores da
campanha da Mãe Peregrina no bairro dos Guedes

“A gente veio fazendo penitência, rezando, meditando os passos de Jesus e assim também nos colocando nessa atitude de oração, de penitência e também de comemoração”, detalha. 

Além de integrar as comemorações aos 100 anos do movimento, a caminhada celebrou os 10 anos de construção da ermida, considerada um importante de movimento de renovação da fé.

Para a coordenadora da Campanha da Mãe Peregrina no bairro, Edith de Lima Zaina, é uma graça muito grande comemorar o centenário e a primeira década da construção da Ermida.

Segundo dona Edith, a ermida foi erguida em uma semana, graças ao empenho da comunidade, que arregaçou as mangas para arrecadar dinheiro e construir o monumento.

Próximos eventos

O coordenador de eventos do movimento na diocese, Fernando Montó, informou que já está sendo preparada uma nova caminhada, dessa vez para a ermida de Taubaté, localizada no Comando de Aviação do Exército, em data ainda a ser definida.

Também como forma de preparação para o centenário, o movimento realiza a visita da imagem auxiliar diocesana nas cidades que compõem a diocese. “Vários coordenadores e missionários estão se preparando para selar a Aliança de amor e os que já selaram, para renovar”, conta.

Ainda está programado um estudo com as famílias para a conquista de uma estrela comemorativa, que será colocada na imagem no dia 18 de outubro.

Além disso, a coordenação do movimento e o assessor espiritual preparam uma grande festa para o dia 18 de outubro de 2014, em nível diocesano, na futura paróquia de São João Bosco, em Taubaté.

Outro evento em pauta é a romaria ao Santuário de Schoenstatt em Atibaia (SP), no próximo dia 20 de julho.

Fiéis falam da ação mariana em suas vidas

Foto de: Deniele Simões / JS

jose_de_sales_foto_deniele_simoes_js

José de Sales: "É preciso caminhar
mais ao lado da mãe"

Entregar os pedidos, as aflições e os anseios à Mãe Peregrina é algo muito particular para as famílias que recebem a capelinha e para os membros do movimento.

Embora cada pessoa ou família tenha seu modo particular de celebrar a fé pela intercessão de Maria, um detalhe é unânime entre as pessoas que participam: receber a mãe peregrina em casa é uma grande dádiva.

“Para mim, a maior graça que tive foi ter sido procurada pela Mãe Peregrina. Ela bateu na minha casa e foi me chamar para entrar no movimento”, conta dona Edith, que coordena a campanha no bairro dos Guedes desde 1998.

A função permitiu a ela reforçar os laços de amizade na comunidade e estabelecer novos vínculos com outros moradores.

Dona Margarida Morgado, que também mora no bairro, é missionária desde 2004 e zela por 30 famílias na comunidade, tendo a responsabilidade de levar a imagem da Mãe Peregrina a essas pessoas. Ela define o trabalho como “uma grande alegria”.

Já Claudia Ferraro acredita que o movimento proporcionou mudanças em sua vida. “Nós somos convidados a fazer uma aliança de amor com Nossa Senhora e trabalhamos a nossa autoeducação, que é oferecer tudo para o capital de graças”, justifica.

Claudia e o marido Atílio irão visitar Schoenstatt e conhecer toda a obra da Aliança de Amor. Eles partirão com um grupo de 80 schoenstattianos de todo o Brasil, no próximo dia 5 de maio.

Fernando Montó participa com a família há mais de 15 anos e diz estar muito feliz por pertencer à geração centenária de Schoenstatt. “Esperamos fazer uma grande festa para a Mãe de Deus e seu Filho Jesus”.

Membro do movimento desde 1997, José de Sales diz que a caminhada à Ermida de Tremembé foi um momento de reflexão. “Chamou a atenção, para mim, em particular, que preciso caminhar mais ao lado da mãe”, ressalta.

A família de Sales mantém um santuário da Mãe Peregrina na residência e, em oração, conversa com ela. Para o missionário, o ingresso no movimento proporcionou a união da família e a possibilidade de apresentar a Mãe Peregrina a outras famílias.

Schoenstatt, um movimento mariano, apostólico e pedagógico

O Movimento Apostólico Schoenstatt foi fundado pelo padre Josef Kentenich, na Alemanha, em Schoenstatt, no povoado de Vallendar.

Foto de: Deniele Simões / JS

ermida_de_tremembe_foto_deniele_simoes

Ermidas como a de Tremembé (SP) são instaladas em locais
onde não existem santuários de Schoenstatt

O Santuário Original, uma modesta capela consagrada à Virgem Maria, foi fundado no dia 18 de outubro de 1914. A fundação é considerada uma Aliança de Amor, segundo modelo bíblico da Aliança de Deus com os homens. 

Presente em mais de 100 países, nos cinco continentes, o movimento chegou ao Brasil por duas vertentes. “Uma através dos missionários palotinos, no Rio Grande do Sul, e através das irmãs de Maria, que chegaram ao Brasil em 1936 e se instalaram primeiro em Jacarezinho, depois foram para Londrina (PR), para Santa Maria (RS) e foram se espalhando pelo Brasil”, conta padre Alexandre Awi Mello.

Ele define Schoenstatt como um movimento mariano, apostólico e pedagógico, que tem como centro de espiritualidade a Aliança de Amor com Maria. O caráter pedagógico baseia-se na visão de Nossa Senhora como educadora que ajuda os fiéis a educar a personalidade, transformar o mundo, criar estruturas mais justas e atender as pessoas em suas necessidades.

Além do Santuário Original, em Schoenstatt, que este ano deve receber grande número de peregrinos, em função do centenário, o movimento conta com santuários nos 110 países onde está presente.

Saiba mais sobre a Mãe Peregrina de Schoenstatt, acesse: https://www.maeperegrina.org.br

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Anterior
Próximo
Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Deniele Simões, em Notícias

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.