Por Allan Ribeiro Em Notícias

Vicentinos celebram Ozanam na 45ª Romaria Nacional

O compromisso de servir aos pobres levou milhares de vicentinos a 45ª Romaria Nacional, em Aparecida (SP). Vindos de diversas partes do país, os membros Sociedade São Vicente de Paulo (SSVP) tomaram o Centro de Eventos Padre Vítor Coelho de Almeida, em celebração ao seu fundador Antônio Frederico Ozanam, no último dia 03 de maio. Foi um momento de espiritualidade e de preocupação com a causa das pessoas que se encontram em situação de vulnerabilidade social, razão principal da existência do movimento.

Foto de: Allan Ribeiro / JS

Valter de Castro - Allan Ribeiro JS

Confrade Valter José de Castro ressaltou a importância
da SSVP se reunir em uma rede para servir aos mais
necessitados

Mais de 25 mil confrades e consocias – forma como são denominados os membros da SSVP – participaram das atividades. É o maior encontro do movimento no mundo. Este ano, o evento trouxe como tema Tecendo a caridade, trabalhando as mudanças de estruturas que o grupo passa na atualidade. O objetivo foi garantir um olhar especial dos vicentinos ao sonho do seu fundador.

A novidade desta edição foi uma grande exposição dos trabalhos que vêm sendo desenvolvidos por todas as unidades vicentinas pelo Brasil. Dessa maneira, pode-se traçar novas diretrizes para as atividades em diferentes regiões.

A presidente do Conselho Nacional do Brasil (CNB), Emília Jerônimo, salienta que o evento é aguardado ansiosamente pelos membros do movimento. Ela pontua que essa celebração da família vicentina é uma oportunidade de se reencontrar, fortalecer amizades e fazer novas e, muito além disso isso, é um momento de reabastecer-se com a Mãe Aparecida, pedindo-lhe que continue sendo o nosso doce e eterno exemplo a serviço da caridade.

“É aqui, na Casa da Mãe, que a gente vem pegar dela todas as qualidades para o nosso trabalho: simplicidade, humildade, oração, fé, tolerância e amor. O ano inteiro a gente fica torcendo para chegar logo a data de estar na Casa da Mãe. Quando a gente se sente um pouquinho desanimado, a gente vai e pede colo, porque colo de Mãe é bom demais”, reforça.

Participante há 10 anos do movimento, a vicentina Glória Cordeiro Barros, do Rio de Janeiro (RJ), diz que ser membro da SSVP é muito importante na sua vida. Ela, que participa todos os anos da Romaria, trouxe quase 250 membros do seu bairro. “Esse trabalho é minha vida. Tornei-me vicentina com o meu filho. Em um ano só perdi um filho, depois outro. Esse que faleceu por último me trouxe para ser vicentina. Quando Deus tocou no coração dele, já sabia de tudo”, lembrou-se emocionada.

Para se aprofundar a temática deste ano, o confrade Valter José de Castro, usou um exemplo simples para reforçar a missão da SSVP. Com um casaco de retalhos, ele comparou a peça ao trabalho dos vicentinos. Sozinhos, os retalhos não têm função, mas quando unidos tem sustentação. Na analogia, ele mostrou que ocorre o mesmo com os vicentinos pelo mundo. A união dos trabalhos, dos diversos grupos, pode ser decisiva na mudança da realidade de um todo.

Foto de: Allan Ribeiro / JS

George Michael - Allan Ribeiro JS

George Michael, Goiânia (GO):
"O desafio hoje do vicentino é
a caridade. Realmente é ajudar
as famílias, vestir a camisa"

“Vocês percebem que cada retalho desses, com tamanhos e cores diferentes, representa cada Estado de vocês. Porém, o retalho sozinho não dá a cobertura que eu preciso. Inteiro ele forma o Brasil e tece a grande rede de caridade sonhada por Ozanam”, explica. 

O confrade relata a experiência que teve de viver um dia com o patriarca de uma família assistida pela SSVP. O homem era ex-presidiário e trabalhava como reciclador. O vicentino compartilhou as mesmas dificuldades que o assistido passava e, ao final, eles tinham conseguido arrecadar uma boa quantidade de lixo, que foi vendida. O vicentino brincou, dizendo que queria uma parcela do dinheiro, e obteve a surpreendente resposta do assistido. “Você pode ficar com todo dinheiro, porque a alegria em tê-lo comigo, não tem dinheiro que pague”, relembrou.

De acordo com Castro esta foi a experiência mais linda da vida vicentina dele. “Eu não sei se quem foi evangelizado, se foi ele ou eu. Foi um dos melhores dias da minha vida vicentina, porque pude servir, mesmo sendo um indigno instrumento. Tudo o que o assistido precisa é que tenhamos um dia todo para eles, o nosso carinho, a nossa atenção”.

A Romaria terminou com a celebração eucarística, presidida pelo bispo auxiliar de Aparecida, dom Darci José Nicioli. Ele recordou as palavras do Papa Francisco que insiste que prefere uma Igreja enlameada, pelos embates da vida, do que fechada em si mesma, que quer só proteção de si mesmo. O Pontífice reforça que a Igreja deve ser ressarcida, dinâmica, viva, porque ela é envolvida pelo espírito do ressuscitado.

“Vejo uma resposta muito concreta a isso que o Santo Padre diz em toda atividade caritativa realizada pela SSVP. Vocês são o rosto de uma Igreja missionária, dinâmica, que vai ao encontro do outro. Mas, especialmente o outro que é mais necessitado, marginalizado, o empobrecido, o desvalido”, salientou.

Ao término do evento, a presidente do Conselho Nacional convidou àqueles que não pertencem ao movimento, que procurem saber mais sobre as atividades. “Aquele que quer conhecer a SSVP que procure a sua Igreja. Se essa não é sua vocação, entrar na casa do pobre, o que é a nossa maior missão, ajude-nos a fazer esse trabalho. Quem ajuda a fazer tem os mesmos méritos de quem faz”, conclui a consocia relembrando as palavras de São João Paulo II.

Juventude Vicentina

A Romaria Nacional dos Vicentinos também buscou germinar no coração dos mais novos o desejo de servir aos pobres. Os jovens vicentinos desempenham um importante papel dentro da SSVP: serão eles, que amanhã, darão continuidade ao trabalho social de quase dois séculos. O próprio movimento nasceu de figuras jovens que queriam mudar a realidade sofrida na Europa. Nessa perspectiva, a programação ao longo dos anos tem sido preparada com um olhar especial a esse público.

 

No sábado, véspera da Romaria Nacional, os jovens tiveram a oportunidade de realizar um intercâmbio de experiências, além de refletirem espiritualmente sobre o papel missionário que exercessem. Foi um momento em que puderam observar a realidade dos trabalhos em diferentes regiões do país.

Foto de: Allan Ribeiro / JS

Romaria Vicentinos - Allan Ribeiro JS

A Romaria Nacional dos Vicentinos reuniu mais de 25 mil
pessoas e abordou o tema Tecendo a caridade

Pela manhã, a tradicional Via-Sacra no morro do Cruzeiro, reuniu cerca de 8 mil pessoas que fizeram o caminho, relembrando a paixão, morte e ressureição de Jesus Cristo.

A formação da juventude entrou em pauta nesta edição da Romaria. No intuito de revigorar a SSVP, este ano, a CNB preparou um bate-papo com o delegado internacional da juventude vicentina, confrade Karl Hila, das Filipinas. A proposta foi mostrar aos mais novos a habilidade de contagiar os demais e expandir ainda mais a grande missão dos vicentinos dentro da Igreja

A coordenadora nacional da juventude vicentina, Erika Azara Lopes Lima, ressalta que o encontro foi um momento de inspiração, que os jovens voltam para as conferências com vigor em desenvolver um trabalho melhor e mais eficiente na promoção do pobre.

“Nosso movimento é um dos mais antigos da Igreja Católica. Fizemos 182 anos. Há importância de incentivar a juventude para que haja a renovação dos membros e a continuidade dos trabalhos. A maioria dos membros da SSVP no Brasil está ficando muito idoso. Nosso desafio é grande. É um desafio motivar os jovens a fazerem algo pelo outro. Não só ficar na adoração. Mas, partir para a ação”, pontua.

A abertura de espaço aos mais novos tem contribuído para novas formas de evangelização aos pobres. Everton Alves do Santos, de Engenheiro Beltrão (PR), encontrou na música uma forma de servir. Junto a outros colegas vicentinos, ele é vocalista de um grupo musical que se apresenta em eventos da SSVP. Apesar da pouca idade, tem ciência da importância do seu trabalho na construção de uma sociedade mais justa e igualitária.

“Vejo a juventude como a nova face da SSVP. O espaço que estão dando para nós é valoroso e começamos a sentir-nos melhores dentro da Sociedade. O desafio é grande. A juventude está vindo com uma proposta nova, trabalhando na questão da mudança de estrutura. Não só uma família, mas todo um bairro. Não é possível mudar apenas uma pessoa, mas mudar o que está ao redor”, disse o músico que destacou que quando vai aos pobres, encontra neles a figura de Jesus.

Rede de caridade

Foto de: Allan Ribeiro / JS

Juventude Vicentina - Allan Ribeiro JS

Juventude tem se apresentado como a nova face
do movimento vicentino

A ideia de servir aos pobres surgiu em um pequeno grupo de jovens amigos, em Paris, na França, a mais de 180 anos. Inspirados em São Vicente de Paulo, o patrono de todas as obras de caridade, o beato Antônio Frederico Ozanam, ao lado de seus companheiros, deu início aos trabalhos.

Jovem erudito de província, o idealizador do movimento em pouco tempo converteu-se num assíduo frequentador dos ambientes de debate e começou a colaborar com jornais e revistas. Certa tarde, depois de sair vencedor de um debate com um estudante socialista sobre o compromisso social dos católicos, anunciou a um amigo a intenção de realizar um projeto.

Marido e pai, professor e literato, leigo comprometido, Ozanam viveu as diferentes dimensões da sua existência, com a mesma paixão e generosidade. Ia pessoalmente aos bairros pobres de Paris e de outras cidades, promovendo a expansão das conferências vicentinas no mundo.

Ozanam faleceu aos 40 anos vítima de problemas renais. Ele foi beatificado durante a Jornada Mundial da Juventude, em 1997, em Paris. Na ocasião, Papa João Paulo II referiu-se a ele também como um modelo de empenho corajoso capaz de fazer ouvir uma palavra livre e exigente, na busca da verdade e na defesa da dignidade de toda a pessoa humana.

O milagre atribuído a ele foi uma cura milagrosa no Brasil de uma criança de 18 meses, salvo de uma difteria maligna. Um outro milagre, de uma venezuelana em fase terminal que se curou misteriosamente, está sendo analisado pela Santa Sé para o processo de canonização do bem-aventurado.

Por estas, e por outras, Ozanam se tornou um exemplo de cristão a ser seguido por todos os jovens do mundo. Ele foi um dos patronos da JMJ, no Rio de Janeiro.

SSVP pelo mundo

Foto de: Allan Ribeiro / JS

Romaria Vicentina_2 - Allan Ribeiro JS

Aproximadamente 200 mil famílias carentes são
atendidas pelos vicentinos no Brasil

Nenhum dos seus jovens fundadores podia imaginar o desenvolvimento que alcançaria esta pequena Sociedade benéfica, à qual Ozanam se dedicaria, daí por diante, sem jamais poupar esforços. As ações ganharam o mundo. Hoje, a SSVP está presente em 150 países, nos cinco continentes, e conta com mais de 800 mil membros.

Os vicentinos fazem do sonho do beato, que é abraçar o mundo em numa rede de caridade, uma realidade que alivia o sofrimento dos pobres e incentiva a promoção da dignidade humana. A missão da SSVP é minimizar a miséria dos que vivem em situação de risco social, colocando em prática os ensinamentos de Cristo e da Igreja Católica.

A base do trabalho vicentino é a interação direta e individual com aqueles que estão com necessidades, bem como as suas famílias, independentemente das suas origens ou das suas crenças. Eles trabalham na promoção integral do assistido, orientando-o no plano material, mas muito mais no plano espiritual, para levá-lo a participação no Reino de Deus.

Os membros se reúnem semanalmente em conferências para debater e sugerir maneiras de atender a essas famílias carentes, que são cadastradas após sindicância socioeconômicas. Todas as ações são fundamentadas e pautadas em um livreto, a Regra.

Há 143 anos no Brasil, o país concentra o maior número de vicentinos no planeta, com cerca de 100 mil membros, espalhados por 20 mil conferências. Semanalmente a instituição distribui mais de 800 mil quilos de alimentos, arrecadados por meio de campanhas junto aos colaboradores, além de remédios, roupas, materiais escolares e utensílios diversos. Estima-se que 200 mil famílias sejam atendidas pelo movimento.

 

 

 

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Anterior
Próximo
Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Allan Ribeiro, em Notícias

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.