Por Jornal Santuário Em Jornal Santuário

Pais devem redobrar a atenção com acidentes domésticos

criança acidente doméstico

O acidente doméstico é aquele que ocorre no local onde habitamos ou em seu entorno. Tipos de habitação: apartamento, casa térrea, sobrado de alvenaria ou mesmo de madeira, entre outros. O ambiente doméstico, geralmente, é constituído por: cozinha, lavanderia, despensa, banheiro, sala de refeições, sala de visitas, quartos, quintal, jardim, garagem e escadas. Ao se considerar apartamento, acrescenta-se escadas e elevadores. Os locais de maior risco são: cozinha, banheiro, escada, quintal, sala e quarto.

Vários fatores podem estar relacionados a uma frequência maior de traumas dentro de casa: pequenas dimensões, iluminação deficiente, móveis ou objetos pontiagudos, piso escorregadio, tomadas elétricas sem proteção (ou mal protegidas), ausência de proteção para a criança, como corrimão na escada, passadeira deslizante, objetos que podem causar danos: martelo, serrote, alicate, furadeira, faca, espeto de churrasco etc.

:: Receba em casa o Jornal Santuário

Fatores relacionados à ocorrência de acidentes: 

- Idade: quanto menor a idade, maior deve ser a vigilância das crianças, a educação para prevenção deve aumentar a medida de seu crescimento, mostrando os riscos e suas consequências. O papel dos pais é fundamental, ao servirem de exemplo e darem as orientações.

- Escolaridade: as pessoas mais instruídas terão possibilidades maiores de prevenir os acidentes, assim como cuidar da primeira assistência.

- Ambiente físico: casas em mau estado de conservação, pequenas, mal situadas, cômodos pequenos, cozinhas apertadas, também pequenas, com mau estado da fiação, da tubulação, do gás, podem facilitar os acidentes. 

Para cada um dos cômodos do ambiente doméstico, dadas as suas peculiaridades, ocorrem alguns acidentes com maior frequência. São considerados os locais de acidentes mais frequentes, por ordem decrescente: cozinha, banheiro, corredor, escada, quarto e sala.

Acidentes mais frequentes de acordo com as idades são: 

- 0 a 1 ano: quedas (trocador, cama, colo), asfixia, sufocação, aspiração de corpos estranhos, intoxicações, queimaduras (água quente, cigarro)

- 2 a 4 anos: quedas, asfixia, sufocação, afogamentos, intoxicações, choques elétricos, traumas.

- 5 a 9 anos: quedas, atropelamentos, queimaduras, afogamentos, choques elétricos, intoxicações, traumas.

- 10 a 19 anos: quedas, atropelamentos, afogamentos, choques elétricos, intoxicações, traumas. 

O tema dos acidentes é um problema de saúde pública, nem sempre bem cuidado como outros e a prevenção de suas ocorrências deveria ser de conhecimento de todos os profissionais, assim como de todas as famílias, para que mais tarde os familiares possam transmitir seus conhecimentos com exemplos dados pelos pais/responsáveis à criança sob sua tutela.


Sociedade Brasileira de Pediatria - SBP

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Anterior
Próximo
Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Jornal Santuário , em Jornal Santuário

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.