Por Redação A12 Em Jornal Santuário Atualizada em 06 JUN 2019 - 16H06

Reciclagem de resíduos sólidos ainda é insuficiente no Brasil

Shutterstock
Shutterstock


A produção de lixo no Brasil atinge a marca de 255 mil toneladas diárias e de acordo com dados do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), divulgados em 2017, no Estudo "A Organização Coletiva de Catadores de Material Reciclável no Brasil: dilemas e potencialidades sob a ótica da economia solidária", de todo o lixo urbano produzido, apenas 13% de fato é reciclado, embora estima-se que de 30% a 40% de todo o lixo, teria condições de ser reaproveitado.  O relatório aponta que os benefícios econômicos auferidos com o setor poderiam ser no mínimo seis vezes maiores com relação ao que se tem registrado atualmente.

De acordo com o Compromisso Empresarial para Reciclagem (Cempre), o gerenciamento de resíduos e a reciclagem empregam mais de 800 mil pessoas no Brasil, que separam cerca de 3 mil toneladas de resíduos recicláveis todos os dias. Para o Ipea 62% dos municípios brasileiros oferecem alguma iniciativa de coleta seletiva, principalmente municípios com mais de 100 mil habitantes e também a maior parte dos que mantêm o serviço estão concentrados nas regiões Sul e Sudeste.

O baixo percentual de reciclagem têm impactos não só no curto prazo, mas também comprometem uma série de avanços, como o cumprimento dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) – definidos durante a Cúpula das Nações Unidas em 2015 e que deveriam ser atingidos até 2030. Considerados por especialistas o grande desafio dos próximos anos, esses objetivos envolvem a redução da geração de resíduos por meio de redução, reciclagem e reuso de materiais, o aumento da conscientização sobre desenvolvimento sustentável e a redução da poluição marinha, especialmente a advinda de atividades terrestres – algo que só será possível se governo, iniciativa privada e sociedade atuarem de forma conjunta.

Área específica

Shutterstock
Shutterstock


Apesar de estar longe dos números ideais, o Brasil, dentro de um setor específico de reciclagem é campeão mundial em reciclagem de alumínio e chega a reciclar cerca de 98% dos resíduos deste tipo de material, segundo diversas pesquisas feitas na última década, o que garante esse alto índice de reaproveitamento é a rentabilidade agregada a matéria prima. Os catadores, por exemplo, priorizam a coleta desse material, porque sabem que a venda é garantida e o valor comercial traz um boa fonte de renda. O Kg da latinha pode chegar a R$4,70, um dos mais altos praticados na indústria de reciclagem atualmente.

Países que mais reciclam no mundo

Shutterstock
Shutterstock


Alemanha - 64%

Áustria - 56%

Bélgica - 55%

Suíça - 54%

Holanda - 51%

Brasil - 13%

Fonte: European Environment  Agency/Ipea

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Anterior
Próximo
Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Redação A12, em Jornal Santuário

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.