Por Redação A12 Em Comportamento

‘Aprendam a ouvir e respeitar sua família’, diz psicóloga sobre jovem e família

A família é a primeira amizade que alguém pode fazer na vida. Seja com os pais ou com os irmãos, é na família que, na maioria da vezes, um jovem encontra o apoio que precisa para passar pelos desafios da juventude. Conversamos com a psicóloga Maria Antonia Maia, que trabalha com assuntos ligados aos jovens, sobre o tema “jovem x família”. Confira a entrevista!

Canal Jovens de Maria:Você trabalha bastante com jovens, como acredita que eles se relacionam com a família?

Maria Antonia: Realmente eu trabalho muito com jovens, jovens de todos os tipos,classes e educação. A maioria tem muita dificuldade de se expressar com seus familiares, pois existe uma lacuna entre muitos jovens e suas famílias. Alguns jovens conseguem ter bom entrosamento com seus familiares. Estes são os que têm a oportunidade de conversar mais com seus pais, avós, tias ,enfim família. Este tipo é mais raro hoje em dia, pois os pais acompanham o desenvolvimento (físico,mental,emocional e espiritual) de seus filhos estando sempre perto, orientando, acompanhando de perto, tirando dúvidas, exigindo regras, compartilhando sentimentos, e assim existe a troca tão esperada dos dois lados. Obviamente, nem tudo é falado ou discutido, pois mesmo com tudo isso alguns jovens trazem dificuldade de demonstrar seus sentimentos. Mas, existe respeito, hierarquia, educação e também gratidão.

Existem relacionamentos mais abertos e soltos que, aparentemente, parecem muito verdadeiros, onde os filhos fazem o que querem na presença dos pais. Gostam da família por serem aceitos do jeito que são. Mas, isto faz com que este tipo de família não perceba os problemas, não vêem um palmo a sua frente. Assim, pode acontecer de os filhos aprontarem, usarem drogas, álcool, etc. E a família faz vista grossa ou realmente acreditam nas histórias contadas por eles, o que é muito triste.

Algumas famílias querem dar tudo de bom para seus jovens filhos e acabam entrando no mundo das trocas. A cobrança de ambos os lados é alta, provocando desentendimento e resistência. Os jovens perdem o respeito e os familiares só o trazem de volta quando lhes é oferecido algo. Logo, o respeito acaba, as mentiras são constantes e muitas coisas são ocultadas. Bem, a maioria tem dificuldade de conversar com seus familiares, por vergonha, medo de não ser compreendidos e medo de expor seus problemas e sentimentos.Infelizmente, a maioria dos jovens se sentem sozinhos por falta de integração familiar.

Canal Jovens de Maria: Qual a importância da proximidade do jovem com sua família durante a fase de tomada de decisões?

Maria Antonia – É importantíssimo a conversa de jovens com seus familiares em suas tomadas de decisões. Existe um grande erro no que é ser jovem e livre em suas escolhas. A liberdade de um jovem custa à família. Ninguém vive sozinho e todas as decisões vão interferir na vida dos familiares. Os familiares experientes de vida podem ajudar seus jovens a tomar decisões mais coerentes, mais certas ou até mesmo ajudá-los a observar melhor o que pode estar por vir, caso ele decida tal situação. A troca de informação, o olhar de forma diferente, as orientações familiares vão ajudar o jovem a ter uma visão mais ampla e com várias diretrizes, pois muitas vezes o jovem só vê o que lhe interessa e não consequências futuras, isto é, a família quase sempre pode ser de grande valia. Dar ao jovem apoio, segurança, perseverança e coragem para que ele possa atingir seus objetivos. A ajuda dos familiares é muitas vezes financeira, moral, emocional e encoraja o jovem a ir em frente. Com o apoio familiar, o jovem se sente amado e mais seguro, pois é uma fase muito crítica e difícil para um jovem. A família vale ouro na vida, nas escolhas de um jovem.

Canal Jovens de Maria: Quais os riscos de uma família ausente durante esse período da vida?

Maria Antonia: A ausência da família torna um jovem frio e inseguro. O pior, muitas vezes, é que eles não demonstram isso, e sim bravura, agressividade, quietude, quando na verdade, estão tristes e carentes. Acabam optando por aquilo que acham certo ou querem mostrar que não necessitam de nada . Na verdade, o jovem quer mostrar a alguém suas escolhas, principalmente aos parentes ( familiares ausentes) eles precisam ser notados e não esquecidos, é um ser humano pedindo socorro, sem ninguém perceber, isto dói na alma dos jovens. Os riscos mais comuns são: irem para drogas, escolhas mal feitas, insatisfação pessoal, intolerância à vida, tristeza profunda (depressão), achar que o mundo é contra eles, mania de perseguição, nervosismo, irritabilidade, ganância (para tentar suprir a família), arrogância, medos, enfim… inúmeros transtornos emocionais podem desencadear, sentimento de incapacidade, frieza, vícios entre outros.

Canal Jovens de Maria: Por que muitos jovens, ao invés de procurarem a família, procuram os amigos nas horas difíceis?

Maria Antonia: Porque eles se igualam em emoções, sentimentos e acham que um apóia ou entende melhor o outro. Claro que acham muito mais fácil conversar entre eles e trocar informações do que ouvir um não ou alguma intervenção, serem contrariados ou até mesmo serem interrogados do que pode dar certo ou não.

Canal Jovens de Maria:O que você tem a dizer aos jovens sobre o relacionamento dos mesmos com sua família?

Maria Antonia: Eu sinto e vejo a família como uma “mini sociedade”. A família é tudo, é nossa vida, nossos acertos e desacertos, nosso porto seguro, onde podemos nos espelhar, sorrir, chorar. É nosso berço, nossa estrutura (religiosa, emocional, mental, financeira, moral). A família é a luz, a força onde o jovem pode aprender tudo o que precisa para viver em sociedade. Por isso falei que é uma “mini sociedade”. É a família que dá o suporte, as orientações, os conselhos mais sensatos, sabe orientar cada situação e ensina a VIDA para os jovens. Mesmo que existam problemas, ali já começa uma grande lição. A família vai lapidando seu jovem de forma especial, com carinho, amor ,sabedoria, pois é ela que deseja ver verdadeiramente o crescimento de seu jovem membro. O jovem é a continuidade aprimorada da família (se houve erros, a família não quer que o jovem os repita). É a família que passa o amor incondicional, fala a verdade (que muitas vezes dói), faz o jovem caminhar sozinho, dá o empurrão para a vida , ensina a ter flexibilidade, ativa as emoções, ensina a viver, ensina a gratidão, mostra a vida da melhor forma possível. Família é tudo! Gostaria que os jovens olhassem suas famílias com bons olhos, aprendessem a respeitar e entender seus familiares. A vida voa… Que esses jovens corram atrás do prejuízo ou não percam a maior oportunidade de serem felizes. Vivam cada segundo e aprendam tudo que puderem com seus familiares, pois amanhã pode ser tarde demais! Aprendam a ouvir, entender,respeitar e serem gratos por ter uma família . Que Deus abençoe todos as famílias !

1 Comentário

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Redação A12, em Comportamento

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.