Por Elígio Junior Em Dica de Cinema Atualizada em 26 SET 2017 - 15H34

Dica de Cinema: Mesmo Se Nada Der Certo

A música está presente em Hollywood, desde seus primórdios. Já nos tempos de Méliès, os filmes eram exibidos ao público com a adição de pianistas, que acompanhavam ao vivo cada projeção. Estes versáteis profissionais improvisavam, na maior parte do tempo, exercitando ao máximo sua criatividade para capturar, ao vivo, o clima de cada cena e converter aquilo em melodias. 

O cinema mudo progrediu e de lá para cá, a humanidade descobriu o som, o technicolors, o widescreen, o 3D, o digital, a estereoscopia, os 48 frames por segundo e assim por diante. A evolução técnica segue em constante desenvolvimento e muita coisa mudou desde Viagem à Lua (1902, Georges Méliès), com exceção de um elemento: a música

filme_begin_again

Mesmo Se Nada Der Certo (Begin Again)
Dentre uma centena de filmes que exploram elementos musicais, Mesmo Se Nada Der Certo é, sem sombra de dúvidas, um frescor contemporâneo! John Carney, diretor e roteirista, convida o espectador a embarcar na jornada de Gretta (Keira Knightley), uma jovem inglesa apaixonada por melodias e por seu namorado Dave (Adam Levine), um cantor em ascensão, recém descoberto pela indústria fonográfica norte-americana. Ela abre mão de tornar-se uma compositora respeitada e conhecida, para ser o braço direito de alguém que a joga no fundo do poço. Lá, ela conhece Dan (Mark Ruffalo), um produtor que vivera uma era de ouro de grandes descobertas artísticas, mas que agora amarga uma realidade de dívidas e álcool. 

A partir de uma montagem quebrada, que se utiliza de flashbacks em um timming perfeito, acompanhamos o crescimento de duas personagens em frangalhos, decepcionadas com a vida e com a música. Gretta e Dan apostam suas últimas fichas em uma ideia maluca e decidem gravar um disco nas ruas de Nova Iorque. Desta forma, a cidade se transforma em um grande estúdio ao ar livre, de onde é possível extrair uma experiência criativa e cativante. 

O longa transpira música, e este substantivo age como outro protagonista de igual peso. A sonoridade se faz tão presente na história, que é quase possível tocá-la. São poucas as obras que conseguem ser poéticas e sem soluções fáceis de roteiro. Despretensiosas e ainda lidar com temas delicados como a traição conjugal, sem pesar o clima. Confira na Netflix esta ode às bandas indies, às pérolas ignoradas pelo mainstream e à primeira das sete artes.

Assista ao trailer de Mesmo se Nada der Certo legendado:

 

Escrito por
eligio JM
Elígio Junior

Pós-graduado em gestão executiva da televisão

2 Comentários

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Anterior
Próximo
Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Eligio W. Junior, em Dica de Cinema

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.