Por Anna Laura Barreto Em Notícias

Jovens fazem campanha pelo Plebiscito Constituinte no Santuário Nacional

 

Neste 7 de setembro, dia em que se comemora a Independência do Brasil, mais de 40 integrantes da Campanha do Plebiscito Popular pela Constituinte vieram ao Santuário Nacional para esclarecer as dúvidas dos romeiros e recolher votos. Jovens que trabalharam em prol da democracia, aproveitando a visibilidade e o grande fluxo de pessoas de Aparecida (SP) para divulgar a causa.

A Campanha pela Constituinte no Santuário foi realizada em parceria com a 20ª edição Grito dos Excluídos, que trouxe milhares de pessoas à cidade. Leôncio Júnior, de 25 anos, um dos jovens que constroem a Campanha, contou-nos que além de muitas pastorais e movimentos juvenis católicos estarem engajados na luta pela Reforma Política, existe também uma rede de jovens evangélicos na discussão.

Ele ainda nos explicou a importância do Plebiscito e deu sua opinião sobre algumas manifestações contra a Campanha que foram observadas nas redes sociais. Confira a entrevista:

Jovens de Maria - Qual a importância do Plebiscito nesse período de eleições, neste ano que sucede às manifestações populares que aconteceram em 2013?

 

Leôncio Júnior

Leôncio Junior

Leôncio Junior - No ano passado, a gente testemunhou no país um movimento muito grande que mostrou como a juventude está descontente com a política. Por um lado, esse sentimento é bom, porque com ele é possível pensar na renovação da nossa política. Mas, por outro lado, se a gente não fizer uma discussão com a sociedade, a elite pode nos prejudicar.

A política é importante, é com ela que os seres humanos aprendem a viver juntos, a se organizarem, resolverem os problemas. É por isso que estamos construindo a Campanha do Plebiscito Popular. A gente está fazendo uma consulta à população com uma pergunta muito simples: se as pessoas são favoráveis ou contrárias à realização de uma Assembleia Constituinte Exclusiva para fazer a Reforma Política.

A gente entende que o atual Congresso, as atuais regras que regem o cenário político do Brasil, não representam a população, não dão conta de realizar as transformações que o país precisa, de avançar em muitas pautas favoráveis ao povo mais necessitado - que não tem capacidade de levantar muitos recursos para as campanhas eleitorais e fica excluído do processo político.

JM - Houve ações contrárias ao Plebiscito, pessoas alegando que seria um “golpe”.

Leôncio Junior - Esse Plebiscito visa a aumentar a discussão, aumentar a democracia. A gente não quer tirar os atuais governantes do poder nem passar o poder para mão de ninguém, o plebiscito popular não tem nada a ver com isso.

 

(O plesbiscito) "não é um golpe, alegar isso é uma desinformação muito grande"

É apenas propor uma maneira da gente mudar as regras do jogo. Mudar com mais participação da população. Não é um golpe, alegar isso é uma desinformação muito grande, feitas por setores que talvez queiram que as coisas permaneçam como estão. Mas, conversando com o povo nas ruas, a gente percebe que o Brasil pede por mudanças. Mudanças profundas para aumentar a democracia, e não para diminuir.

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Anterior
Próximo
Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Anna Laura Barreto, em Notícias

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.