Por Rádio Aparecida Em Notícias Atualizada em 08 JUN 2020 - 14H15

Governo propõe adicional ao Auxílio Emergencial

Shutterstock
Shutterstock

Ouça a reportagem ou, se preferir, leia:

Com o prolongamento da crise causada pela pandemia do coronavírus, o Governo bateu o martelo e vai propor ao Congresso um valor adicional por pessoa que já tem direito ao Auxílio Emergencial. O auxílio foi criado em abril, com previsão original de ser pago em três parcelas de 600 reais, até junho. Os beneficiários são trabalhadores informais que ficaram sem renda na pandemia.

O secretário geral da Associação Contas Abertas, Gil Castelo Branco, afirma que é inevitável o aumento no número de parcelas, tendo em vista a crise instaurada no país.

O governo também se preocupa ainda com o pagamento indevido a pessoas que não precisam receber e omitem dados ao se cadastrar. Segundo o Tribunal de Contas da União (TCU), mais de 8 milhões de pessoas podem ter recebido indevidamente o auxílio. Além disso, 11 milhões de pedidos ainda aguardam análise. O secretário avalia que o governo não cruzou dados suficientes para pagar as pessoas e que o sistema é falho. 

CNI aponta que barreiras internacionais podem ser prejudiciais ao Brasil na recuperação econômica

Shutterstock
Shutterstock

Ouça a reportagem ou, se preferir, leia:

A Confederação Nacional da Indústria (CNI), fez um levantamento mostrando que já chegam a 70 as barreiras comerciais praticadas contra os produtos brasileiros no comércio internacional. O mapeamento da entidade começou a ser realizado em maio de 2018 e é atualizado de forma periódica pela CNI em parceria com associações e federações industriais. Nesta última atualização, a CNI encontrou 17 novas barreiras, sendo 10 impostas pelo governo da China. As demais foram criadas por Argentina, México, Índia, Arábia Saudita e União Europeia.

O diretor de desenvolvimento industrial da CNI, Carlos Abjaldi, conversa conosco e fala sobre os pontos positivos e negativos dessas barreiras.

- A criação de novas barreiras e a falta de diálogo do governo brasileiro para negociar com os outros países, pode significar que o consumo externo dos produtos brasileiros podem diminuir e aumentar a oferta dentro país?

- Essa situação atual pode acabar barateando preços de alguns produtos para o consumidor brasileiro?

- Como o governo deve lidar com essas barreiras? Como pode ser negociado?


:: Compartilhe com os amigos!
Na parte superior da página (logo abaixo do título) clique no botão do WhatsApp ou das demais redes sociais.

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0
Receba novidades

Cadastre seu e-mail e receba notícias diariamente

Parabéns, seu cadastro foi efetuado com sucesso!
Você deve receber nossas novidades em breve.

Ops, tivemos um possível erro no cadastro de seu e-mail.
Tente novamente por favor.

Tentar novamente
Facebook

Boleto

Carregando ...

Reportar erro!

Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou de uma informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Rádio Aparecida, em Notícias

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.

Carregando ...