Thiago Leon

O que é um Sínodo?

A palavra Sínodo deriva de outras duas palavras da língua grega, cujo significado é “fazer juntos o caminho” ou “caminhar juntos”.
Trata-se de uma série de encontros com representantes das diversas classes de fiéis, para tratar de assuntos propostos por quem convocou o Sínodo e propor encaminhamentos para as questões discutidas.
Um Sínodo acontece por meio da convocação do bispo, quando se realiza em uma Diocese, ou pelo Santo Padre, quando aborda assuntos relacionados à Igreja no mundo.

Qual o objetivo do Papa Francisco?

O Santo Padre propõe que o momento é propício para que a Igreja possa se perguntar como ela mesma tem acompanhado os jovens e os direcionado a reconhecer e a acolher o chamado ao amor e à vida em plenitude. 
O Papa não olha apenas para os jovens que estão na Igreja, mas, como bom pastor, vai buscar as ovelhas desgarradas. Este Sínodo está em profunda continuidade com o Sínodo das Famílias, realizado em 2016. 
Observa-se que muitas das feridas da juventude reportam, justamente, a desestruturação das famílias.
Thiago Leon

CLIQUE NO MAPA PARA VER O DEPOIMENTO DOS JOVENS

AMÉRICA DO NORTE
Mapa

Cori Fiori
25 anos

Os jovens mexicanos sonham com uma comunidade mais próxima, que ofereça oportunidades de crescimento profissional e humano.
Promovemos e acreditamos que a maior força contra a indiferença é o Amor, um amor misericordioso, acolhedor e corajoso.

Padre Ernesto Madrigal
32 anos

Os jovens nos EUA gastam muito tempo no telefone, e isso, de certa maneira, faz com que percam tempo. Eles não são felizes.
Eles tratam de se distrair da realidade da vida. Estes meios de comunicação são maneiras para que escapem da realidade.
Os jovens não têm muito proposito na vida, não sabem o que fazer da vida.

Matheus Jach
26 anos

Eu espero que depois do Sínodo dos Bispos, os jovens possam alcançar uma grande paixão e se preencher do amor de Cristo, vivendo uma vida católica, não nas sombras, mas publicamente.
O suporte dos bispos, especialmente para a juventude, será muito importante, tornando possível que eles continuem crescendo na fé e crescendo juntos.

AMÉRICA CENTRAL
Mapa

Adonay Flores
23 anos

O que espero para a realidade do meu país é uma Igreja fortalecida, viva, que no dia a dia lute para levar mais almas ao Senhor.
Meu país sofre com a violência e, por isso, espero que a fé apagada nos corações volte a se acender, para que possamos ser cristãos lutadores e católicos fortalecidos no Senhor.

Johanna Rivera
25 anos

O que espero para a juventude da Costa Rica é um reencontro com Cristo, que os permita realizar mudanças, que os permita uma espiritualidade maior, que os permita alcançar a santidade.

AMÉRICA DO SUL
Mapa

Cristian Cañete
24 anos

Espero que a Igreja no meu país marque presença na sociedade, podendo dar um grande aporte à cultura e à educação dos jovens. Dizem que somos a força da Igreja, que podemos ajudar neste aspecto, e isso é certo. Mas, para que isso aconteça, necessitamos que nossos pastores sejam os impulsores destas iniciativas. Estamos dispostos!

Valentina Alarcón
30 anos

Espero uma juventude protagonista e responsável por mudanças, movida por convicções profundas, que busque igualar as oportunidades e que construai colaborativamente uma melhor sociedade e um melhor país.

Nicolas Barranco
29 anos

O que eu espero é uma juventude com valores, uma juventude madura e, sobretudo, uma juventude que leve Deus em seu coração. Deus deve ser o centro desta. Se Ele não está no coração de um jovem, tudo mais está perdido.

Matheus Pereira Silva
21 anos

"O Sínodo dos Bispos para 2018 com certeza marcará a história da juventude brasileira na Igreja, pois vem de encontro com duas realidades que muito envolvem os jovens do Brasil: a fé e o discernimento vocacional. Ele vai nos propor caminhos para orientar a expressão da nossa fé de jovens, aquela capaz de mover as estruturas que desejamos mudar na sociedade e que pode nos levar a chegar àquilo que sonhamos para o nosso futuro. Ao mesmo tempo, o Sínodo também vai ser um momento para a juventude do Brasil lembrar, mais uma vez, que todos fomos escolhidos, e que precisamos seguir em frente no nosso discernimento, para corresponder ao que for da vontade de Deus. Ele vai nos mostrar que tudo isso se renova, e que, com nosso próprio jeito de ser, continuaremos evangelizando por todo lugar onde passarmos!"

EUROPA
Mapa

Manuel Seco
24 anos

Gostaria que grande parte da juventude, que não se sente identificada com a Igreja porque pensam que ela está atrasada ou que é antiquada, se sinta reconhecida e aceita, para que assim encontrem a Deus.

Ekaterina Adamchik
23 anos

A juventude agora é a base da Igreja. Eu espero que os bispos possam perceber que a vida da juventude é moderna e, por meio do documento preparado pelos jovens durante o Pré-Sínodo, eles possam se colocar no nosso lugar para entender que o nosso ponto de vista não é ruim. A juventude simplesmente é diferente e não é preciso escapar dela.

Joana Filipa Pereira
30 anos

Para Portugal, espero que possamos adaptar a experiência Pré-Sinodal para continuar a escutar os jovens e a fazer deles os verdadeiros protagonistas. É preciso um contínuo entusiasmo e a formação dos agentes pastorais para que possamos caminhar em comunhão! Contudo, será necessário perseverança e paciência para vermos os frutos destas mudanças.

AFRICA
Mapa

Silviene Andrade
29 anos

O que eu espero para o meu país é que os jovens tenham oportunidades de dizer o que pensam em relação à Igreja e que sejam promovidas, por parte da Igreja, iniciativas que despertem nos jovens o interesse pelas vocações.

Laphidil Twumasi
25 anos

Um grande desafio que os jovens em Gana enfrentam é o desemprego. Espero que o país possa criar um ambiente favorável para as empresas prosperarem e, assim, os investidores poderem criar mais empregos. Depois de se formar na universidade, a maioria dos jovens se encontra desempregada e acaba procurando por pastos mais verdes em outros lugares. Esperamos que a Igreja, que é muito relevante em Gana, ajude e eduque aos jovens para que pensem fora da caixa, para que sejam empreendedores e deixem de procurar por empregos ofertados por empresários de “colarinho branco”.

Tendai Karombo
26 anos

Espero que meu país abrace a nova geração com amor terno e boa orientação. Neste momento, os jovens estão sem emprego, sem fonte de renda. A sociedade deve nos ajudar a ter projetos que tragam um desenvolvimento sustentável, para nos tornarmos mais autossuficientes. A minha maior expectativa é ver um país que ajude os jovens a entenderem que a vida é um presente dado por Deus. Não posso fugir do fato de que a maioria dos jovens está envolvida em abortos, abuso de drogas e todas as coisas que contradizem os ensinamentos da Bíblia. É dentro do nosso país que devemos ser ajudados a evitar tais atos.

Tamandani M Kamuyanja
24 anos

Os jovens esperam muito da Igreja no Sínodo. É minha esperança - e a esperança de todo jovem - que isto perpetue em todos os níveis da Igreja. Ao fazê-lo, seremos capazes de mapear o caminho a seguir e superar os muitos desafios que enfrentamos. Esperamos por uma sociedade inclusiva, uma Igreja pronta e disposta a transformar a si mesma e aos seus jovens. Esperamos o acesso à educação básica e avançada, moradias em comunidades desenvolvidas e a chance de poder contribuir e se envolver significativamente no crescimento e desenvolvimento da Igreja local.

OCEANIA
Mapa

Angela Markas
22 anos

Espero que a Austrália permita que as oportunidades sejam abertas e autênticas, para dar aos jovens uma chance de transformar nossos corações e nos encontrarmos com o coração de Deus. Que possamos ir até eles e ouvir; encontrá-los onde eles estão e ser desafiados.

ASIA
Mapa

Dewi Kartika Maharani Praswida
22 anos

As pessoas aqui vivem em um país de maioria muçulmana e de outras culturas. Espero que todos nós possamos viver em harmonia, não importando a fé ou a cultura. Baseado no slogan do meu país, "Bhinneka tunggal ika", que significa “diferente”, espero único propósito: que vivamos em harmonia.

Earl Allyson P. Valdez
28 anos

Com os tópicos discutidos no Documento Pre-Sinodal, espero que nós, a Igreja das Filipinas, capacitemos os jovens para um maior envolvimento na evangelização, pregando o Evangelho em todos os aspectos da vida humana, de maneira única e criativa.

Dalia Al Mokdad
28 anos

Desejo que as autoridades muçulmanas façam o mesmo que o Papa Francisco e reúnam muçulmanos, cristãos, judeus, budistas e ateus para conversar e pensar juntos. A diversidade é um fato que não podemos ignorar. Meu encontro com o Papa é inesquecível, não porque ele seja papa, mas porque quando me apresentei e agradeci por ter me convidado para essa reunião católica, ele sorriu e segurou minha mão com força. Eu considero isso como uma mensagem forte e uma promessa de continuar trabalhando juntos pela paz.

Wissam Abu Zhaya
26 anos

No estado de Israel, nós, jovens árabes cristãos, temos dificuldades em definir nossa identidade. Os árabes são minoritários, menos 20%. Precisamos resolver os conflitos entre a cultura árabe e a dos judeus israelenses. Os jovens daqui se mudam para as grandes cidades em busca de educação e oportunidades de trabalho e têm a necessidade de integrar a sociedade judaica israelense, com a qual nunca interagiram antes. O mix cultural em meu país é importante para criar uma comunidade saudável, mas exige mais envolvimento e coordenação do lado da Igreja. É extremamente difícil manter esta relação entre jovens e a Igreja, especialmente nas grandes cidades, que estão cheias de coisas negativas, como festas, bebidas e drogas. Eu espero que a Igreja seja mais ativa com sua interação e envolvimento com os jovens, desde o início da adolescência.

Juventude no centro de Igreja
Juventude no centro de Igreja

• Desafios e oportunidades dos jovens no mundo de hoje
Os bispos reunidos em Roma irão discutir a perspectiva social e a realidade do mundo juvenil, analisando aspectos globais e singulares de cada localidade. A linha de reflexão parte, primeiramente, do efeito das dinâmicas demográficas de cada realidade, os aspectos históricos e a diferença entre os gêneros masculino e feminino.

• Fé e vocação, discernimento e acompanhamento
O Sínodo irá abordar aspectos relacionados ao acompanhamento dos jovens a partir da fé, à escuta da tradição da Igreja e com o claro objetivo de assistir aos jovens no seu discernimento vocacional.

• Atividades formativas e pastorais da Igreja
Outro objeto de análise será o desafio do cuidado pastoral e do discernimento vocacional, tendo em consideração os protagonistas, os lugares e os instrumentos à disposição. Neste sentido, a proposta é reconhecer uma inclusão recíproca entre pastoral juvenil e pastoral vocacional.

Não é costume convocar um encontro pré-sinodal, mas o Papa Francisco fez questão de ouvir aos jovens de todo o mundo em março, antes do Sínodo. Mais de 300 jovens católicos e de outras religiões participaram deste momento em Roma.

Juventude brasileira
Juventude brasileira
Desafios: Jovens de todo mundo responderam a um questionário, por meio das dioceses e pelo Facebook, que irá direcionar os trabalhos no Sínodo. No Brasil, os assuntos mais latentes foram:
Desafios: Jovens de todo mundo responderam ao um questionário, por meio das dioceses e pelo Facebook, que irá direcionar os trabalhos no Sínodo. No Brasil, os assuntos mais latentes foram:


• Restruturação Familiar • Violência • Desemprego

Os jovens devem ser levados a sério! 

Papa Francisco – Encontro Pré-Sinodal, março 2018

Relação Jovem X Igreja

Segundo levantamento, os jovens brasileiros sentem falta de sintonia com a Igreja, em razão da linguagem das homilias, das palavras dos sacerdotes, especialmente na celebração da Santa Missa. 
Sentem falta de um diálogo com a Igreja, com pessoas da Igreja, como os sacerdotes, os religiosos, os bispos. Assim, esperam que os sacerdotes estejam mais disponíveis e disponham de tempo, para conversar, sem pressa com eles.
Muitos jovens têm receio de manifestar suas convicções religiosas diante de seus colegas, porque sentem-se discriminados, sendo chamados de “santinhos”, de “caretas”.

Bispos representantes do Brasil
Bispos representantes do Brasil
Cardeal Sérgio da Rocha
Relator Geral do Sínodo
Arcebispo de Brasília (DF) e Presidente da CNBB.
Dom Vilson Basso
Representante
Bispo de Imperatriz (MA) e presidente da Comissão Episcopal Pastoral para a Juventude.
Dom Eduardo Pinheiro da Silva, SDB
Representante
Bispo de Jaboticabal (SP) e presidente da Comissão Episcopal Pastoral para a Juventude da CNBB, entre 2011 e 2015.
Dom Gilson Andrade da Silva
Representante
Bispo auxiliar da arquidiocese de Salvador (BA)
Dom Jaime Spengler
Representante
Arcebispo de Porto Alegre (RS) e presidente para a Comissão Episcopal para os Ministério Ordenados e a Vida Consagrada
Cardeal João Braz de Aviz
Prefeito da Congregação para os Institutos de Vida Consagrada e as Sociedades de Vida Apostólica
Presidentes delegados
Presidentes delegados
Cardeal Louis Rafael Sako
Patriarca Caldeu da Babilônia (Iraque)
Cardeal Désiré Tsarahazana
Arcebispo de Toamasina (Madagascar)
Cardeal John Ribat
Arcebispo de Port Moresby (Papua Nova Guiné)
Cardeal Charles Maung Bo
Arcebispo de Yangon (Myanmar)
REPORTAGEM
Allan Ribeiro
ARTE/DIAGRAMAÇÃO
Rosane Pereira
FOTOGRAFIA(Topo)
Shutterstock

Boleto

Anterior
Próximo
Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Redação, em Redação A12

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.