Por Roberto Girola Em Artigos

Sentimento oceânico e religião

No fim de sua vida, sofrendo de câncer, Freud escreve alguns textos que abordam fenômenos sociais em sua expressão religiosa (O futuro de uma ilusão, de 1927), e em sua dimensão cultural (O mal-estar na civilização, de 1930).

Neste último texto, respondendo às objeções do amigo Romain Rolland ao seu ensaio sobre a religião, Freud descreve o que Rolland chama de sentimento oceânico e tenta associar a experiência religiosa a um fenômeno que tem sua raiz em um sentimento primitivo da psique.

Freud reconhece que existe no psiquismo uma experiência primitiva ligada ao fato que o ser humano nasce sem conseguir se diferenciar psiquicamente do ambiente, se sentindo um todo com o mundo externo. A memória da experiência do todo estaria relacionada a esse sentimento primitivo, oceânico.

Assim como provavelmente Freud ao se declarar ateu queria manter distância de um Deus no qual não conseguia acreditar, muitas vezes a experiência religiosa em sua expressão mais profunda e verdadeira se depara com a necessidade de “perder” Deus, pelo menos esse deus antropomorfo, com o qual o crente estabelece uma relação imatura e regredida. O grito de abandono de Cristo na cruz não teria esse sentido?

Os grandes mestres espirituais, incluindo os cristãos, alertam para a necessidade de que a experiência religiosa passe por um processo ascético de “purificação”, que muito se assemelha com a “perda” de Deus. Bastaria mencionar as “noites” de São João da Cruz e a subida ao Monte Carmelo de Santa Teresa de Ávila.

Trata-se de um processo doloroso, que coloca a psique em contato com experiências contraditórias, que minam a “segurança” que a maioria das pessoas busca na religião.

Tudo isso remete à experiência que os cristãos celebram no Natal. Deus “deixa” sua “segurança”, sua “onipotência” para se manifestar como ser humano que, como todo bebê, nasce na insegurança, na dependência e que, embora seja a Palavra Criadora, somente se expressa em incompreensíveis balbucios.

Roberto Girola é psicanalista e terapeuta familiar

Escrito por
Roberto Girola
Roberto Girola

Roberto Girola é psicanalista e terapeuta familiar

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Anterior
Próximo
Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Jornal Santuário, em Artigos

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.