Por Everton Lucas Em Crescendo na Fé Atualizada em 26 SET 2017 - 15H03

Chronos e Kairós: como viver o tempo que nos é concedido?

Passado, Presente e Futuro. Três realidades com as quais estamos sempre nos deparando, questionando, planejando, vivendo ou recordando. Afinal, como que a vida segue nesse tempo que nos é dado? Como vivo e desfruto desse tempo que Deus me concede?

chronos_ou_kairos

Desejo começar esta nossa conversa de hoje contando uma história...

Certa vez, havia um homem em apuros numa floresta, fugindo de um tigre feroz, faminto querendo devorá-lo. Correndo para fugir da morte, de repente o homem encontra-se sem saída, pois se depara com um abismo à sua frente. Sem poder voltar atrás, pois o tigre já quase o alcançava, ele decide descer o barranco agarrado em galhos. Porém, ao olhar pra baixo vê que não poderia descer mais, pois ali havia pedras muito pontiagudas que com certeza o fariam morrer. E agora? O que fazer? Desesperado, o homem olha para o lado e vê, ao alcance de sua mão, um lindo morango. Sem pensar muito, ele pega o morango e começa a comer dizendo: “Nossa, esse é o morango mais saboroso que já comi na vida!”.

Já escutei essa história há algum tempo e, antes que me explicassem sua moral, eu a achei muito tosca e talvez seja o que você está pensando agora. Bem, podemos interpretá-la pela perspectiva temática que gostaria de tratar hoje: o Tempo.

Vejamos, na história existem as três realidades temporais. O tigre simboliza o PASSADO, as pedras pontiagudas no fim do abismo, o FUTURO, e o morango, o PRESENTE. Ora, enquanto aquele homem estava preocupado com o que aconteceu em sua vida no passado e com o que iria acontecer no futuro, ele não conseguia achar um saída para si. Foi então que ele enxergou o presente (nos dois sentidos) que Deus lhe dava naquele instante. Ele percebeu que o seu PRESENTE era um presente de Deus, por isso comeu aquele morango com tanto gosto e ali aproveitou o momento oferecido a ele.

Perdemos muito tempo nos lamentando das coisas erradas que fizemos no passado ou nos achamos perdendo os cabelos em um planejamento excessivo de nosso futuro. Assim, passamos pouco tempo vivendo nosso presente. Não estou, de forma alguma, querendo descartar a importância que o passado tem, pois somos no hoje o fruto de um ontem, e nem do futuro, pois é lá que se encontra o que queremos ser. Mas, só acho que poderíamos nos preocupar mais em viver bem o nosso presente, porque o futuro nossas mãos não alcançam, o passado já tocamos, mas o presente está a nossa frente para ser vivido. Não podemos deixar o presente escorrer pelos nossos dedos em meio a essa modernidade líquida em que vivemos. A efemeridade das coisas hoje, talvez possa nos prejudicar na nossa forma de estarmos no AGORA de nossa vida.

Na antiguidade os gregos dividiam o tempo em dois: Chronos e Kairós.

Chronos para eles era justamente esse tempo que nós contamos, uma hora, três minutos, vinte segundos... Daí porque chamamos de tempo cronometrado. Já o Kairós é um “tempo sem tempo”, um tempo um pouco desconhecido, pois é um tempo divino.

Nós, em nosso dia a dia, já vivemos bastante presos ao Chronos, chegando a certo ponto de sermos escravos dele. Tudo no meu dia tem um tempo determinado e se algo atrasar vai atrapalhar todo o resto. Sim, somos escravos do tempo cronológico! Porém, nós podemos fazer algo diferente. Nós podemos, mesmo dentro das horas e minutos, viver um Kairós, um tempo contado por Deus. Precisamos somente dar o espaço que Ele precisa para entrar no nosso dia. Podemos fazer da nossa vida um constante tempo da graça divina. Quando nós vivemos esse Kairós, aquilo que nos atormenta em nosso passado e em nosso futuro já não será mais uma grande preocupação, pois quando vivemos esse tempo da graça, aquilo que vivemos no presente se tornará como que uma luz a iluminar as experiências já vividas e aquelas que estão por vir.

Portanto, fica para nós o desafio: deixarmos de ser escravos do Chronos e vivermos um constante Kairós. Degustando e saboreando dos presentes que Deus nos dá no AQUI e AGORA. Sei que nossa juventude espera que as coisas aconteçam com velocidade máxima, porém, máxima deve ser a graça de Deus em nossa vida. Que o Senhor do tempo nos ensine a viver bem cada momento que a vida nos oferece.


Escrito por
Everton Lucas (Fotos Everton Lucas)
Everton Lucas

Apresentador e estudante de comunicação.

1 Comentário

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Everton Lucas, em Crescendo na Fé

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.