Por João Antônio Johas Leão Em Crescendo na Fé Atualizada em 21 AGO 2018 - 10H33

Qual a vocação do jovem na família?

juventude, jovens, família

Viver em família é uma experiência muito rica e diversa. Cada família é única, porque é composta de pessoas que são também únicas e que se relacionam entre si a partir desta singularidade. Essa convivência normalmente é palco de grandes alegrias mas também de grandes desafios e dificuldades.

Mas antes de qualquer coisa, você sabe o que significa a vocação de ser família? É o chamado a ser Igreja doméstica, é o lugar privilegiado no qual a Igreja espera que se dê a transmissão da fé. É uma missão importantíssima. Na carta de São Paulo a Timóteo, encontramos uma passagem bonita que deixa isso mais claro:

“Evoco a lembrança da fé sincera que há em ti, a mesma que habitou primeiramente em tua avó Lóide e em tua mãe Eunice e que, estou convencido, reside também em ti.”
(2 Tim 1, 5)

Este é o desejo de Deus: que as famílias sejam núcleos de vida cristã. Mas nem sempre isso acontece. Existem dificuldades por todos os lados. Pode ser a má formação na fé dos pais ou uma família separada por qualquer motivo, bem como a falta de entendimento entre pais e filhos... Isto para não mencionar os desafios que ainda aparecerão, com todos os ataques à família que hoje vivemos culturalmente.

A primeira coisa que nos parece interessante pensar é a necessidade de olhar para a própria família com objetividade:

Como é a minha família? Ela propicia uma vivência cristã autêntica ou não?

shutterstock
shutterstock

Depois, é preciso saber que não somos determinados pelo meio que nos rodeia. Diria que nem sempre “filho de peixe, peixinho é”. É possível ser diferente, mudar, apostar por um estilo de vida diferente do que me é proposto.

Uma coisa é certa: o 'ser cristão' vem com suas dificuldades, seja onde estivermos, na situação em que nos encontrarmos, porque não existe cristianismo sem cruz. O jovem precisa ter uma convicção interior: “Meu encontro com Cristo é verdadeiro e experimento que quero ser cada vez mais como Ele”. A partir disso, é ele quem começa a transformar a realidade que o rodeia, e não o contrário.

Se a família não é aquilo que deveria ser, ele, lutando por ser um bom cristão, buscará maneiras para que isso possa ir mudando pouco a pouco, respondendo ao egoísmo com generosidade, à soberba com humildade, à falta de caridade com o perdão, sendo obediente mesmo quando o custe, enfim.

E, mesmo em uma família que seja 'bem católica', sempre é preciso crescer em conformidade com Jesus. É preciso buscar, em família, que Cristo seja realmente o centro, pois é Ele quem nutre o amor vivido no interior dessa casa. Se os mais velhos são os responsáveis por transmitir a fé, os mais novos são responsáveis por acolher essa fé e fazê-la viva, renová-la e acrescentá-la.

Tudo isto deve ser feito com a única intenção que coloca São Paulo em sua carta aos Colossenses, antes de começar a falar das relações familiares: “Tudo quanto fizerdes, por palavra ou por obra, fazei-o em nome do Senhor Jesus, dando por ele graças a Deus Pai” (Col 3, 17). Ou seja, que a família seja um lugar que dê glórias a Deus pela santidade de vida de seus membros.


3 Comentários

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Anterior
Próximo
Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por João Antônio Johas Leão, em Crescendo na Fé

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.