Por João Antônio Johas Leão Em Crescendo na Fé Atualizada em 10 MAR 2020 - 15H21

O que significa "Solidariedade" para a Igreja Católica?

Se procurarmos nos dicionários, encontraremos várias definições de solidariedade. Mas para pensá-la em um contexto eclesial, talvez valha a pena partirmos da definição que o Catecismo nos concede:

“A solidariedade é uma virtude eminentemente cristã que pratica a partilha dos bens espirituais mais ainda que dos materiais.” Catecismo da Igreja Católica, 1948

shutterstock
shutterstock

Mas o que isso significa?

Que seja uma virtude eminentemente cristã significa dizer que só os cristãos podem ser solidários? Evidente que não. E é até meio ridículo pensar assim. Existem pessoas que não são cristãs e que, pelo menos aparentemente, vivem muito bem a solidariedade. Muitos famosos, por exemplo, independente de sua religião, às vezes fazem doações substanciais para alguma obra de caridade, para algum serviço aos mais necessitados.

Por que falar, então, que a solidariedade é eminentemente cristã?

Penso que essa afirmação remarca justamente que ser solidário é muito mais do que doar algo a alguém. E se bem essa virtude “se manifesta, antes de mais nada, na disposição dos bens e na remuneração do trabalho”, ela se fundamenta em que, como criaturas de Deus somos, a um nível mais profundo, ontológico, solidários uns dos outros.

Em outras palavras, fomos criados para o amor, que significa entrar em comunhão com os outros, abrir-se aos demais e deixar que entrem em nossas vidas. Se nos fechamos em nós mesmos, se somos individualistas ou egoístas, estamos atentando contra o mais profundo de quem somos.

Assim podemos começar a entender que a partilha dos bens materiais é uma manifestação mais evidente de uma partilha anterior, a espiritualMesmo que não rezemos nada, que não pensemos nos demais, não podemos mudar o fato de que fomos criados por uma comunhão de Amor e para amar.

É por conta disso que se pode dizer que a solidariedade é uma virtude eminentemente cristã. Como assim? Como já dissemos, muitos podem doar coisas a outros. Até coisas não materiais, como orações ou “boas vibrações”. Mas somente o cristão chega a alcançar o fundamento último dessa solidariedade e ser solidário a partir daí. E esse fundamento é sólido o bastante para que, por meio dele, se desenvolva, por exemplo, a doutrina social da Igreja.

Sem esse fundamento, a solidariedade pode se confundir, como muitas vezes se confunde, com simples filantropia, ou com uma certa visão de que todos somos iguais e, portanto, deveríamos ter as mesmas coisas (reduzindo a solidariedade ao material, por exemplo).

Voltando à definição do começo, poderíamos inclusive dizer que ser cristão, no fundo, é reconhecer essa solidariedade fundamental entre os homens, criaturas de Deus. Mas não parar por aí. Há de reconhecer-se também que todos estão chamados a serem filhos de Deus, batizados, e talvez essa seja a maior solidariedade que está a cargo dos cristãos: fazer brilhar para o mundo inteiro a beleza do chamado de Deus a vivermos a filiação divina.

Escrito por
João Antonio Johas Leão (Arquivo pessoal)
João Antônio Johas Leão

Licenciado em filosofia, mestre em direito e pedagogo em formação. Pós-graduado em antropologia cristã e entusiasta de pensar em que significa ser cristão hoje.

1 Comentário

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por João Antônio Johas Leão, em Crescendo na Fé

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.