Por Redação A12 Em Brasil

Família do menino sírio afogado tentou fugir várias vezes da guerra

O menino sírio Aylan Shenu, de três anos, que morreu afogado depois que seu barco naufragou entre a Turquia e a ilha grega de Kos tornou-se símbolo de muitas mortes invisíveis e anônimas, das milhares de pessoas que buscam desesperadamente chegar em segurança a um país em paz.

A família de Aylan, uma entre as milhares que tentam uma nova vida em outro país, tentou fugir várias vezes dos combates na Síria e queria imigrar para o Canadá. No naufrágio, além de Aylan, morreu o irmão Ghaleb, de 5 anos, e a mãe Rihanna. Apenas o pai, Abdallah Ebdi, conseguiu sobreviver. 

Foto de: reprodução. 

Abdallah

Abdullah, perde a mulher e os dois filhos no naufrágio. 

“Meus filhos escorregaram de minhas mãos”, contou o pai em entrevista a uma agência internacional. Segundo Abdallah todos “estavam com coletes salva-vidas, mas o barco virou subitamente porque algumas pessoas se levantaram”.

A família de Abdallah que morava em Kobane, cidade localizada ao norte da Síria na fronteira com a Turquia, já havia partido de Damasco quando o país mergulhou na crise e na guerra em 2011, e depois de Aleppo, a segunda maior cidade do país. Em janeiro, diante do fim do cerco aos jihadistas do Estado Islâmico, a família retornou para Kobane. Porém em junho, com uma nova ofensiva à cidade pelo jihadistas com mais de 200 mortos, a família resolveu imigrar para o Canadá, onde vive a irmã de Abdallah, Teelma Kurdi. 

Teelma que reside em Vancouver há 20 anos, disse que entrou com um pedido de imigração na condição de refugiado para seu irmão, sua cunhada e os dois filhos, mas o serviço de imigração canadense rejeitou seu pedido de refúgio em junho passado. Com o pedido de imigração negado, a família resolvou arriscar uma fuga pelo mar.  

Drama dos refugiados

A realidade dos refugiados tem ocupado constantemente o notíciário mundial e os governantes estão sendo confrontados a gerenciar a chegada dessas pessoas. 

Para Papa Francisco, a morte de imigrantes em diversas realidades "ofende a humanidade", e com isso, defente que os governos encontrem soluções para essa questão humanitária. Diante da questão, Francisco escolheu para a celebração do 102º Dia Mundial do Migrante e do Refugiado, a ser celebrado em 17 de janeiro de 2016, o tema 'Migrantes e refugiados nos interpelam. A resposta do Evangelho da misericórdia' para "tornar presente a dramática situação de tantos homens e mulheres, obrigados a abandonar as próprias terras, e que muitas vezes morrem em tragédias no mar”. 

1 Comentário

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Anterior
Próximo
Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Redação A12, em Brasil

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.