Luto (Shutterstock)
Espiritualidade

Quando a morte atravessa o nosso caminho e tudo se apaga, o que fazer?

Júlio Egrejas (Arquivo Pessoal)

Escrito por Júlio Egrejas

21 JAN 2021 - 09H00 (Atualizada em 21 JAN 2021 - 09H31)

A tradição da Igreja recolheu em sua história, e com o tempo fez própria, a expressão latina memento mori. A expressão quer dizer, em tradução livre, “lembre-se da morte”. Mas não pensemos que se trata de algo macabro, de uma visão negativa ou triste da vida. O que a Igreja queria - e ainda nos quer - dizer com a expressão é o seguinte: a nós, cristãos, é sempre muito bem vinda a lembrança de que nossa vida passará, de que somos peregrinos neste mundo, e que um dia encontraremos o nosso Criador face a face.

Considerando isso, o que primeiro podemos fazer quando a morte atravessa o nosso caminho é, na verdade, algo que devemos fazer muito antes de que isso aconteça: é preciso fomentar, frequentemente em nossas vidas, uma profunda consciência, cheia de fé e de esperança, de que cedo ou tarde a morte atravessará nosso caminho, e de que ela não tem a última palavra. Assim, chegaremos a este ponto fortalecidos, e cheios de confiança atravessaremos este momento, que sempre é difícil, mas a morte não fará com que “tudo se apague”, pois a fé continuará iluminando nosso peregrinar.




É preciso muito realismo. A morte sempre traz a dor, e a percepção viva da fragilidade de nossa existência, e da contingência radical da nossa vida. Esse realismo nos convida a confiar em nossos amigos e familiares e abrir o coração, sem conservar mágoas ou dores. Convida também a admitir a tristeza, mas também a lembrar dos dons de quem, em vida, nos encheu de alegria e bons exemplos.

Leia MaisA dor da perdaMas é preciso um realismo ainda maior, que só a fé traz. A radical fragilidade foi assumida por Deus em Cristo, o Qual atravessou o umbral da morte (a fragilidade extrema de nossa vida) com vitorioso amor.

Portanto, quando a morte atravessa o nosso caminho, é preciso já estar preparados. Com as nossas velas acessas e óleo em reserva, para olhar de frente para a escuridão da morte e proclamar: com a luz de Cristo, nunca tudo se apaga!

Escrito por
Júlio Egrejas (Arquivo Pessoal)
Júlio Egrejas

Júlio Egrejas nasceu no Rio de Janeiro (RJ), em 1975, é membro do Sodalício de Vida Cristã desde 1993. Desde 2012 mora em Petrópolis, e participa do Movimento de Vida Cristã, onde realiza diversos serviços de evangelização e formação Cristã, com destaque para o Curso Católico de Oração e Espiritualidade. Atualmente está terminando a dissertação em vistas ao Mestrado em Direito Canônico.

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Redação A12, em Espiritualidade

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.

Bem vindo!


Para completar seu cadastro, por favor, verifique seu e-mail e defina sua senha.
Caso não encontre o e-mail na sua caixa de entrada, por favor, verifique na caixa de SPAM/TRASH/LIXO ELETRÔNICO.