História da Igreja

Vitória da Armada Cristã ajuda a propagar a Oração do Rosário

Papa convoca campanha de oração em todo o mundo

Padre Inácio Medeiros C.Ss.R. (Juan Ribeiro)

Escrito por Pe. Inácio de Medeiros, C.Ss.R

07 OUT 2021 - 11H46 (Atualizada em 07 OUT 2021 - 12H03)

Reprodução

Cristãos vencem e afastam o perigo da Europa

O mês de outubro, como acontece há muitos anos, é celebrado pela Igreja como o mês do Santo Rosário, uma oração querida por muitos santos ao longo da história e divulgada por São Domingos de Gusmão e pelos dominicanos. Muitos foram os intentos que ajudaram a propagar o Santo Rosário e até mesmo uma batalha tem esse favor.

Em 7 de outubro de 1571, na batalha naval de Lepanto, a Europa cristã se viu livre da ameaça dos turcos otomanos. Frente ao perigo iminente, alguns dias antes da batalha, o Papa Pio V pediu aos fiéis de todo o mundo que rezassem o rosário suplicando pela vitória das forças cristãs.

A Batalha de Lepanto

Desde meados do século VIII, os muçulmanos expandiram seus domínios pelo Norte da África, Ásia Menor e Sul da Europa obtendo o controle de parte dos territórios que margeavam o Mar Mediterrâneo, complicando a navegação neste que os romanos já chamavam de Mare Nostrum – Nosso mar”.

A batalha final contra o domínio islâmico sobre o Mediterrâneo se daria em Lepanto, em 1571, pois a Europa se via de novo ameaçada por uma iminente invasão.

Na ocasião, o Papa Pio V recebeu a revelação de Nossa Senhora de que a cristandade venceria a batalha contra os invasores, graças à recitação do Santo Rosário. Confiante nesta promessa o Papa exortou os fiéis a rezarem o Santo Rosário pedindo que a Europa fosse livre dessa ameaça. Se os cristãos perdessem a batalha, corria-se o risco de que a Igreja fosse esmagada pelos invasores.

Leia MaisO Santíssimo RosárioRosário: caminho de contemplaçãoA reação contra a ofensiva dos otomanos não tardou, com a República de Veneza articulando a formação de uma frota naval formada por cerca de 200 galeras munidas de muitos canhões.

Ela foi denominada de Liga Santa, entrando em confronto com a frota otomana numa batalha que durou cerca de 10 horas, ao longo de todo o dia 07 de outubro de 1571, no largo de Lepanto, na costa da Grécia.

Um dos combatentes cristãos era Miguel de Cervantes, que, mais de trinta anos depois, publicou a primeira parte de seu famoso romance “Dom Quixote de La Mancha”.

Os muçulmanos, mesmo temo uma força maior, perderam mais de 200 embarcações no conflito, com a morte de 20 mil homens. Entre os cristãos, menos de 20 galeras foram destruídas, com a morte de 9 mil homens e, a despeito do teor sangrento da batalha naval de Lepanto, ela estabeleceria o fim do domínio muçulmano sobre o Mar Mediterrâneo.

Reprodução
Reprodução

Intercessão de Maria e auxílio divino

Em Roma, enquanto isso, o papa Pio V, que depois seria declarado santo pela Igreja, continuava implorando o auxílio divino mediante a intercessão de Maria, mas, ao mesmo tempo, seguia despachando os assuntos urgentes da Igreja.

Em dado momento, o venerável ancião interrompeu subitamente os trabalhos, indo até a janela. Todos os que estavam ao seu redor ficaram perplexos. Um silêncio profundo pairou no ar durante um breve espaço de tempo que, porém, parecia não ter mais fim, até que foi rompido por uma declaração surpreendente do santo Papa: “Vencemos em Lepanto”, disse ele!

Não tardou para que fosse instituída, em honra daquela vitória milagrosa, a festa de Nossa Senhora das Vitórias, que deveria ser celebrada todo dia 7 de outubro. Um ano depois, Gregório XIII mudaria o nome da festa para Nossa Senhora do Rosário, determinando que fosse celebrada no primeiro domingo de outubro (dia em que a batalha foi vencida). Pela importância desta vitória para a preservação da fé católica, veio depois a tradição de considerar todo o mês de outubro como o mês do Santo Rosário.

Este e outros episódios fariam da oração recitativa do rosário uma das mais populares na Igreja, deixando de ser restrita apenas ao dia 7, tornando o mês de outubro como Mês do Rosário e a oração a grande incentivadora da ação missionária da Igreja.

Escrito por
Padre Inácio Medeiros C.Ss.R. (Juan Ribeiro)
Pe. Inácio de Medeiros, C.Ss.R

Redentorista da Província de São Paulo, graduado em História da Igreja pela Universidade Gregoriana de Roma, já trabalha nessa área há muitos anos, tendo lecionado em diversos institutos. Atuou na área de comunicação, sendo responsável pela comunicação institucional e missionária da Província de São Paulo, atualmente é diretor da Rádio Aparecida

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Redação A12, em História da Igreja

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.

Bem vindo!


Para completar seu cadastro, por favor, verifique seu e-mail e defina sua senha.
Caso não encontre o e-mail na sua caixa de entrada, por favor, verifique na caixa de SPAM/TRASH/LIXO ELETRÔNICO.