Por Vinícius Paula Figueira Em Igreja

Entre os Hosanas e o Crucifica-o

Estamos caminhando para a festa da Páscoa e, ao mesmo tempo, iniciando a chamada 'Semana Santa', ou seja, a semana mais densa e importante os cristãos, uma vez que esta faz memória da Paixão, Morte e Ressurreição do Filho de Deus. Nas comunidades católicas a abertura da Semana se dá com o Domingo de Ramos com aclamações e gritos de Hosanas ao filho de Davi, o santo e o rei, tudo para evocar a figura do Filho do homem que ingressa na sua Jerusalém.

Meditação da Via Sacra - Santuário Nacional - Thiago LeonMeditação da Via Sacra no Santuário Nacional - Foto: Thiago Leon



Todavia, na fatídica Sexta-feira Santa a multidão que gritava 'Hosanas', açulada pelas lideranças corruptas, grita 'Crucifica-o'. Como compreender esta terrível contradição? Sobre esta questão o conhecido teólogo escreveu o sugestivo artigo 'A doença chamada Homem' (2011). Lembra, no texto, que o pensamento é de F. Nietzsche e quer dizer que o ser humano é um ser paradoxal, são e doente: nele habita o santo e o assassino. Somos seres ambíguos. 

O pai da psicanálise, S. Freud, pontua que no homem coexistem dois instintos básicos: um de vida que ama, promove e enriquece a vida, e outro de morte que busca a destruição e é capaz de arquitetar a morte dos outros. Por isso, a depender das circunstancias, predomina a vontade de viver e então tudo à volta irradia e cresce, ora ganha a partida a vontade de matar e então irrompem crimes, violência e a barbárie. Podemos dizer que a figura central, razão (pelo menos deveria ser) da festividade da Páscoa, Cristo, foi cruelmente assassinado por causa do predomínio do 'instinto de morte' que cega a razão. 'O sono da razão produz monstros' dizia Goya.

 

Que a celebração da Páscoa de 2017 seja para todos a festa da vitória da Luz sobre a trevas.

Caro leitor, a Semana Santa não deve provocar em nós somente sentimento de piedade e de comoção que se manifesta no desejo de beijar a imagem do Cristo morto no madeiro, se encantar com as solenes cerimônias e rituais tradicionais desse tempo, mas termos a coragem de fazermos profundo exame de consciência sobre o 'como estamos vivendo a fé na condição de discípulos de Jesus'. Efetivamente, a Paixão de Cristo continua e se multiplica na história. Explicita-se nas brutais injustiças sociais, na falsidade com meu companheiro de trabalho, nos inúmeros pecados que cometemos, na indiferença, nas mentiras, na enganação, no endeusamento do ego, etc. Cristo continua sendo torturado e trucidado todos os dias.

“Desperta, ó tu que dormes, levanta-te dentre os mortos, que Cristo te iluminará” (cf. Ef 5,14). Na Semana Santa não espaço para falazes neutralidades. Ou aclamemos Jesus como Rei tratando os nossos irmãos com amor, ou seremos a multidão sem rosto atiçada pelos iníquos tribunais deste mundo que exige a aniquilação d’Aquele que peregrinou nesta terra como o rei da justiça, dos pecadores e dos pobres, e pagou com a própria vida na Cruz por ocupar-se apenas em fazer a vontade do Pai.

Que a celebração da Páscoa de 2017 seja para todos a festa da vitória da Luz sobre a trevas. Que sejamos capazes de expelir as nossas trevas e reconhecer que nossa doença não é incurável. A salvação (cura) acontece à medida que nos abramos de coração aberto e sincero à conversão.

FELIZ E SANTA PÁSCOA A TODOS!

assinatura vinicius colunista

Escrito por
Vinicius Figueira - Colunista (Arquivo Pessoal)
Vinícius Paula Figueira

Jovem de 23 anos, crítico, apaixonado por escrever, a ponto de escolher e se graduar em comunicação social pela Rede Kroton. Moro em Iconha, Espírito Santo, onde atuo como Coordenador Paroquial da Comunicação (PASCOM), e trabalho com Publicidade e Propaganda.

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Anterior
Próximo
Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Polyana Gonzaga, em Igreja

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.