Por Eduardo Gois Em Mundo Atualizada em 01 JUL 2020 - 10H06

Homem Pateta tem aterrorizado crianças e adolescentes com perfil na internet


Reprodução/Facebook
Reprodução/Facebook


A Policia Civil do Distrito Federal (PCDF) investiga um caso de um perfil na internet conhecido como “Homem Pateta”. A página incentiva crianças e adolescentes a cometer atos de mutilação, faz ameaças as vítimas e até induz ao suicídio.

O suposto dono do perfil é identificado com o nome de Jonatan Galindo e utiliza-se de uma máscara que faz lembrar o personagem da Disney.

A Delegacia Especial da Criança e do Adolescente e a Interpol dão conta que o autor seria Italiano e já havia sido preso no país, porém diversos perfis em Inglês, Espanhol e Português têm aparecido na internet, principalmente no Facebook desde 2017 e, com mensagens perturbadoras, têm conquistado a atenção de vítimas e proposto, via conversas privadas, mensagens de áudio e videochamadas, desafios semelhantes àqueles do caso da Baleia Azul, largamente noticiado anos atrás.


Reprodução/Facebook
Reprodução/Facebook

O que motiva este tipo de maldade?

Na avaliação da psicóloga Goretti Dias, é comum encontrar, em criminosos dessa natureza, características de transtornos mentais, o que nos impede de ter um parecer psicológico genérico sobre eles. No entanto, segundo Goretti, todos eles contam com três vias principais em suas abordagens: a vulnerabilidade, o medo e o silêncio de suas vítimas.

Já o psicólogo Carlos Eduardo Soares explica que a criança ou jovem também pode sentir-se desafiado e tenta “provar” que é capaz de realizar a tarefa proposta. “Pagam pra ver, mas não sabem o que os espera lá na frente. Seria proposto um desafio e, caso não cumpra, essa criança ou jovem pode sofrer abusos psicológicos, como o bullying. Quem já tem uma vida de “fracassos” e baixa autoestima não perceberá a noção do perigo do desafio”, alerta.

A recomendação para os pais

Carlos Soares recomenda aos pais que evitem deixar crianças e jovens o tempo todo no celular, que tenham bastante diálogo com eles e, em alguns casos, tenham acesso aos conteúdos do computador e telefones do filhos. “Isso não é invadir a privacidade deles, mas sim, se atentarem a conteúdos e pessoas às quais eles têm acesso".

Goretti orienta que pais ou responsáveis devem prevenir, proteger e fortalecer crianças e jovens no sentido de identificar suas fragilidades, ou seja, detectar, de forma contínua e gradual, os seus padrões de comportamento que possam dar espaço a essas ações criminosas e dialogar sobre elas. “Os perigos sobre os contatos virtuais e a exposição excessiva de sua na vida nas redes sociais precisam ser assuntos que circulam naturalmente durante os bate-papos familiares, afinal de contas, assuntos velados tendem a tomar grandes dimensões dentro do emocional e do imaginário infanto-juvenil”, opina a psicóloga.

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Eduardo Gois, em Mundo

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.