Por Ir. Afonso Murad Em Artigos

Maria veio para servir

serva_do_senhor

Durante a Campanha da Fraternidade deste ano ouvimos muitas vezes aquela frase de Jesus: “Eu vim para servir”. Você já pensou como este apelo do Cristo se realizou na vida de Maria?
Quando Maria era jovem, menina nova e cheia de vida, ela recebeu uma mensagem especial. Deus, através de seu anjo, convidou-a a assumir a missão de mãe e educadora do Cristo. Depois de perguntar, questionar e buscar saber como isso aconteceria, Maria respondeu com toda inteireza: “Eis aqui a servidora do Senhor” (Lc 1,38). Ela não pensou em vantagens, em glórias, em ser famosa, e sim no verdadeiro serviço. A palavra “serva” ou “servidora” tem muitos sentidos. Algumas bíblias traduzem-na mal, usando o termo “escrava”. Na realidade, o povo de Jesus não aceitava a escravidão. Os hebreus guardavam viva na memória, e recordavam cada ano na festa da páscoa, que Deus havia libertado seu povo da servidão do Egito, onde eles tinham sofrido muito, em condições horríveis. Assim, até o preceito do sábado era para também lembrar que eles eram um povo livre, pois o escravo não tem direito ao descanso.  Até os animais deveriam descansar no sábado (Dt 5,6.12-15). Ora, somente quem é livre pode tomar decisões. Somente quem é dono de sua vida, e não está submetido aos outros, pode fazer opções com inteireza. Servir por opção, não por pressão. Assim aconteceu com Maria.

Logo depois que diz “sim”, Maria sai apressadamente para visitar Isabel (Lc 1,39). Era uma região montanhosa, difícil de chegar. Mas, quem está convencido que deve servir, não reclama das dificuldades e arruma um jeito de superar os obstáculos. Como Maria chegou até lá? Quem a acompanhou, pois as mulheres naquele tempo não podiam andar sozinhas? Quanto tempo durou a viagem? A gente não sabe. O que podemos dizer é que Maria e Isabel passaram algum tempo juntas. E então viveram uma intensa experiência de comunidade. A gravidez de Isabel começou três meses antes. Maria veio para servir sua parenta, mas ela também estava grávida. Para as duas, era a primeira vez. Quantas esperanças, quantas dúvidas, e alguns temores… Seguramente, Maria também aprendeu muita coisa com Isabel, que já era uma mulher de idade avançada, com muita sabedoria.

 

Assim acontece quando a gente se coloca a serviço dos outros.

Assim acontece quando a gente se coloca a serviço dos outros. Aprendemos e ensinamos. Doamos e recebemos. Esta é uma das belezas do serviço, quando ele é realizado com liberdade, generosidade e desprendimento. Gratuitamente, sem pedir nem exigir, há um retorno do amor. Pois o serviço traz junto a reciprocidade. Quem recebe gestos de amor, com gratidão quer também fazer algo parecido. Para o outro ou para os outros.

No encontro com Isabel, Maria entoa um belo cântico de louvor a Deus. E agradece ao Senhor que “olhou para sua humilde servidora” (Lc 1,48). Novamente, sai de sua boca o que está no coração. Como Jesus, ela veio para servir a Deus e aos outros!

A partir de Maria, podemos traduzir de muitas formas a nossa resposta a Jesus, como um serviço às pessoas, aos grupos, à transformação da sociedade. Dizemos então: Jesus, eu também vim para servir! Venho para ajudar quem precisa, venho para ensinar e aprender, venho para evangelizar, venho para construir comunidade, venho para denunciar as injustiças, venho para animar os tristes, venho para trazer uma palavra de esperança, venho para ouvir e acolher, venho para louvar pelas maravilhas que o Senhor realiza no meio de nós.
A vida cristã é um constante movimento de ir e vir, como discípulo/a e missionário/a de Jesus e de seu Reino. E Maria está conosco sempre, como servidora, mãe, exemplo e companheira do caminho!

Ir. Afonso Murad – Membro da Academia Marial

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Anterior
Próximo
Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Ir. Afonso Murad, em Artigos

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.