Por Jovens de Maria Em Comportamento

Estudos trazem conclusões sobre o uso do Facebook

O Facebook é a rede social mais usada pela população mundial, portanto, é objeto de muitos estudos. Sua capacidade de ditar comportamentos e manipular opiniões pode ser vista em pesquisas recentes que trazem resultados engraçados e inusitados. Confira abaixo:

Quanto mais tempo as pessoas passam no Facebook, mais infelizes ficam

internet_a_comunicacao_na_atualidade

Em setembro de 2013, uma pesquisa conduzida pelo Laboratório de Estudos da Emoção e Autocontrole da Escola de Psicologia da Universidade de Michigan chegou à conclusão que quanto mais tempo as pessoas passam na rede social de Mark Zuckerberg, mais infelizes elas ficam. Realizado com 82 jovens com menos de 30 anos, o trabalho acadêmico notou que a cada acesso ao Facebook, aumentavam a preocupação e a sensação de isolamento e infelicidade dos participantes.

Ser ignorado no Facebook causa sofrimento psicológico

internet ruim

Duas pesquisas realizadas em maio pela Escola de Psicologia da Universidade de Queensland, na Austrália, indicam que "a falta de compartilhamento de informações e feedback podem ameaçar as necessidades de pertencimento" dos usuários do Facebook. Ou seja, que não recebe likes, sente-se infeliz e triste. O estudo foi realizado com 76 participantes.

Quanto mais tempo no Facebook, mais as mulheres ficam inseguras com a aparência

maior_facebook_solitrio

Um outro estudo feito exclusivamente com o público feminino, realizado em abril, por especialistas do Reino Unido e dos EUA, identificou que as usuárias que passam muito tempo olhando as fotos de amigos no Facebook podem se tornar inseguras sobre a sua imagem corporal. Foram entrevistadas 881 estudantes universitárias sobre o uso da rede social e questões relacionadas a imagem corporal, hábitos alimentares e exercícios físicos.

Pessoas que "curtem" batata frita tendem a ser mais inteligentes

comendo_batata

Em março de 2013, o projeto myPersonality, que usa o Facebook para compor um perfil psicológico dos seus usuários, a partir do cruzamento das suas informações virtuais, coletou dados de mais de 60 mil pessoas. Ao mergulhar nos números, seus pesquisadores perceberam alguns padrões inusitados, como o fato de que se uma pessoa "curte" batata frita na rede, ela tende a ter uma maior inteligência (por sua nota no SAT, o vestibular americano)

2 Comentários

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Anterior
Próximo
Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Jovens de Maria, em Comportamento

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.