Por Everton Lucas Em Comportamento Atualizada em 27 JUL 2020 - 11H01

Ódio on-line: como lidar?

Que o mundo hoje está todo conectado, todos nós já sabemos. Que as pessoas estão cada vez mais expondo suas vidas na internet, nós também já estamos vendo. Porém, nos últimos tempos, há uma onda se espalhando pelas redes sociais e que tem feito um mal absurdo para a vida de muita gente. O nome dado às pessoas que fazem parte desta onda é "haters" ("odiadores", em português), e eles vêm agindo covardemente nas mídias.

Shutterstock
Shutterstock


:: Como falar da minha fé sem ofender os outros? ::

Traduzindo para uma linguagem mais clara, essas são pessoas que desperdiçam seu tempo na internet no intuito de ofender, difamar, agredir, praticar violência contra outras pessoas. Temos casos recentes e expoentes como o da jornalista Maria Júlia Coutinho, que recebeu vários comentários racistas por ser negra. Outra famosa que há pouco tempo foi a público falar sobre o assunto foi a cantora Preta Gil, que também foi alvo dos haters. Casos de famosos são muito mais vistos pela sociedade, por conta da audiência que permeia a vida das celebridades. Mas, infelizmente, existem muitas pessoas que sofrem esses ataques todos os dias longe das câmeras.

Há também, em meio a esta “moda” de violência online, uma grande intolerância religiosa por parte das pessoas. Tendo em vista que a internet e as redes sociais são um espaço altamente democrático, as pessoas se sentem na liberdade de expressar aquilo que acham relevante, e aqui temos os nossos irmãos que decidem publicar o conteúdo de sua fé, ou o que aderimos como religião. Mas, enquanto a religião for motivo de brigas e até mesmo guerras, ela estará descumprindo o seu verdadeiro papel, que é o de religar o homem a Deus.

Shutterstock
Shutterstock


Tenho visto corriqueiramente
católicos, evangélicos, umbandistas, espíritas e etc. sofrendo preconceito por serem adeptos de uma seita ou religião que não é a mesma das outras pessoas. O que parece é que as convicções religiosas das pessoas estão tão frágeis que, se alguém discorda daquilo que eu acredito, eu me sinto no direito de denegrir as crenças de outrem por não casarem com as minhas. Fieis entrando em confrontos doutrinais com outros de religiões diferentes, por puro preconceito.

Temos um grande exemplo a ser seguido, que é o Papa Francisco. Homem de convicção e diálogo! Encontra na religião do outro uma mão a ser dada na construção do mundo melhor. 

Devemos combater os haters na internet, que vivem a acabar com a paz das pessoas. No documento do Concílio Vaticano II, Inter Mirifica, diz que foi com a ajuda de Deus que o homem criou aos meios técnicos de comunicação. Sendo desta forma, devemos usá-los de forma a elevar a dignidade humana e não a transformando em ferramenta de ódio contra os outros.

Escrito por
Everton Lucas (Fotos Everton Lucas)
Everton Lucas

Apresentador e estudante de comunicação.

3 Comentários

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Everton Lucas, em Comportamento

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.