Por Jovens de Maria Em Crescendo na Fé Atualizada em 25 MAR 2019 - 14H21

Jovens: como se tornar o “agora de Deus”

Gostamos de dizer-vos: 'Sois o futuro'… mas não é verdade! Vós sois o presente! Não sois o futuro de Deus; vós, jovens, sois o agora de Deus. (Papa Francisco, JMJ 2019)

Estas palavras do Papa Francisco são vibrantes. Vale a pena, não apenas lê-las, mas escutá-las (fica a dica do vídeo da missa completa). Talvez valha a pena ouvir a homilia completa, ou meditar mais sobre a passagem daquele domingo (Lc 4,14-21). Quem sabe, nos deixarmos questionar pela Palavra e pelos mensageiros que a atualizam para nós.

shutterstock
shutterstock

Mas, do que trata este “agora de Deus”? Como vivê-lo de forma concreta na minha vida? O que ele significa num mundo acelerado que nos rouba “o hoje”?

A manifestação mais expressiva do agora de Deus é Jesus Cristo. Ele é o Verbo Eterno que penetrou o tempo, o encheu de sentido e lhe deu um horizonte.

"É o agora de Deus que, com Jesus, se faz presente, se faz rosto, carne, amor de misericórdia que não espera situações ideais ou perfeitas para a sua manifestação, nem aceita desculpas para a sua não-realização. Ele é o tempo de Deus, que torna justos e oportunos todos os espaços e situações. Em Jesus, começa e faz-se vida o futuro prometido" (Papa Francisco na Missa da Jornada Mundial da Juventude 2019).

Às vezes, o problema é que resistimos a este Deus que quis Se encarnar, que quis assumir o humano. Gostaríamos de respostas pseudo-perfeitas: limpas, assépticas, sem erros... e, no fundo, sem sabor, sem vida. Como disse o papa:

"Nem sempre acreditamos que Deus possa ser tão concreto no dia-a-dia, tão próximo e real, e menos ainda que Se faça assim presente, agindo através de alguém conhecido, como um vizinho, um amigo, um parente" (Papa Francisco na Missa da Jornada Mundial da Juventude 2019).

O “agora de Deus” significa encontro, vida, Páscoa. Está longe das mil garantias com as quais buscamos acalmar nossas ansiedades. Pelo contrário, é vocação e missão no seu sentido mais original: o que recebemos de outro, o que não vem de nós mesmos. Buscamos tão desesperadamente a segurança e o conforto que acabamos “domesticando” a Deus, sua chamada e seu envio. "Inventam para vós ou vós próprios inventais um futuro higienicamente bem embalado e sem consequências, bem construído e garantido com tudo 'bem assegurado'."

Deixamo-nos anestesiar pelas novidades e a ilusão do progresso, para evitar Àquele que faz tudo Novo e que é mais do que um movimento para a frente, mas é Ele mesmo o conteúdo do que está a vir. É como se tivéssemos medo de encontrar o caminho, a verdade e a vida (ver Jo 14,6).

Algum mensageiro da Palavra explicava como o tempo não é “algo que passa”, mas “alguém que vem”... Não permitamos que roubem de nós o conteúdo do tempo, que tirem “Aquele que vem” e nos deixem apenas com uma sucessão sem sentido de mil e uma novidades que não levam a nada verdadeiro. Arrisquemo-nos a viver num outro ritmo, arrisquemos viver de um outro “tempo”.

Que os esquemas e os regimes do mundo não dissolvam nossos sonhos nem nossa identidade.

Cankin Ma Lam
Sodalício de Vida Cristã

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Anterior
Próximo
Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Jovens de Maria, em Crescendo na Fé

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.