Por Cankin Ma Lam Em Crescendo na Fé Atualizada em 23 SET 2019 - 17H25

Suicídio: o que diz a Igreja Católica?

males que não discriminam suas vítimas: alto, baixo, rico, pobre, homem, mulher. O suicídio é uma realidade muito dura, e não é tão distante quanto alguns pensam.

Faz um tempo, eu fazia visitas a um hospital para crianças. Fiquei surpreso ao saber de uma criança de 12 anos que estava internada porque tinha tentado tirar a própria vida. 

O que pensar de uma pessoa que quer tirar a própria vida? Ou, reformulando, como ajudar uma pessoa que quer tirar a própria vida? Reflitamos mais um pouco sobre esta trágica realidade.

shutterstock
shutterstock


Uma primeira consideração é o fato dela ferir algo tão básico quanto o instinto de autoconservação. Os seres vivos têm este instinto. Todos nos protegemos e cuidamos para preservar a nossa vida (pensando ainda em fatores físicos, mesmo).

Então, o que pode levar a contestar uma realidade tão fundamental?

Aprofundando sobre o valor da vida humana, a Igreja ensina que "o amor para consigo mesmo permanece um princípio fundamental de moralidade" (Catecismo da Igreja Católica, nº 2264). Pois bem, os elementos colocados até agora indicam que o suicídio é uma realidade grave e lamentável, mas, ao mesmo tempo, dão espaço para perceber que "condenar" a quem o comete seria inexato. Deve ser frisado que o suicídio é um mal, mas afirmar a condenação eterna de quem fez tal ato não é uma consequência necessária desse pressuposto.

A Igreja, sabiamente, nunca afirmou que alguém específico estivesse condenado. O inferno, a condenação, existe; mas cabe a Deus realizar o juízo particular de cada homem que teve sua vida como "tempo aberto à aceitação ou à rejeição da graça divina, manifestada em Jesus Cristo" (Catecismo da Igreja Católica, nº 1021).

Agora, sendo que o suicídio é um ato grave realizado pela própria pessoa, era difícil explicar como, embora realizando este último ato na vida, a pessoa ainda poderia ser salva. Neste sentido, chama a atenção o fato de que, até o século XX, não se celebravam as exéquias para o cristão que havia cometido suicídio.

O que aconteceu no século XX que possibilitou a "reformulação" atual?

shutterstock
shutterstock


Pois bem, as descobertas da ciência psicológica ajudaram a perceber que, no mundo interior da pessoa, interagem mais elementos dos que se imaginava até então. Para o interesse específico da moral cristã neste tema, estas descobertas levaram à percepção de que o suicídio pode ser um ato não tão voluntário quanto parece. O suicídio é grave e é uma decisão que a pessoa faz num momento determinado. Mas na hora de avaliar moralmente, lembremos que para ser um pecado, tem que ser um ato livre e consciente.

O Catecismo, nos parágrafos de 2280 a 2283, explicita claramente que "perturbações psíquicas graves, a angústia ou o temor grave duma provação, dum sofrimento, da tortura, são circunstâncias que podem diminuir a responsabilidade do suicida".

E encoraja as pessoas próximas de quem cometeu tal ato: "Não se deve desesperar da salvação eterna das pessoas que se suicidaram. Deus pode, por caminhos que só Ele conhece, oferecer-lhes a ocasião de um arrependimento salutar".

Como prevenir?

Aqui citamos alguns elementos morais e psicológicos. Valeria a pena um texto completo sobre prevenção, mas para dizer só uma palavra, é da maior importância uma adequada formação moral e psicológica, sendo que “formação” não significa apenas ler livros ou ir a palestras de estudiosos do tema. A formação é, na verdade, o processo pelo qual o Pai forma, na pessoa, a imagem do Filho pela ação do Espírito Santo. Formação seria cooperar neste processo. No caso, especificamente no campo da moral e da psicologia.

Saiba mais: Depressão entre jovens, preconceito e tratamento

Curtiu esse artigo? Compartilhe com seus amigos!
É só clicar no botão do Whatsapp ou demais redes sociais, logo abaixo do título.

Escrito por
Cankim Ma Lam (Arquivo Pessoal)
Cankin Ma Lam

Nascido no Equador, filho de pai chinês é apóstolo de plena disponibilidade no Sodalício de Vida Cristã. Atualmente faz caminho ao sacerdócio e estuda teologia na Universidade Católica de Petrópolis

2 Comentários

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Anterior
Próximo
Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Jovens de Maria, em Crescendo na Fé

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.