Por Diego Sávio Em Dica de Cinema Atualizada em 24 NOV 2017 - 16H18

Dica de Cinema: No Coração do Mar

Vivemos em tempos em que somos cada vez mais levados a isolarmo-nos em nossos problemas e conflitos pessoais, a mascarar nossas dores e lembranças conflitantes e, assim, a vivermos como náufragos correndo o risco de morrermos antes da morte.

"No Coração do Mar" (In the heart of the sea, 2016, Warner Bros. Pictures), surpreendentemente, trata disso em seu roteiro quando resgata a verdadeira história de um romance americano muito conhecido: Moby Dick, de Herman Melville.


O filme mostra como o escritor fica a par da história verídica – e até então absurda – em que o Essex, um navio baleeiro, é afundado por uma baleia branca considerada um monstro marinho pelo tamanho e fúria.

Praticamente narrado por um dos sobreviventes do Essex, Thomas Nickerson, o filme é protagonizado por George Pollard, capitão, e Owen Chase, primeiro imediato, que trabalham no ramo de caça às baleias num período em que o óleo para lamparinas era feito somente a partir da gordura desses animais.

Ao relatar para o escritor tudo o que ocorreu desde o ataque ao navio até o final dos noventa dias à deriva, tempo em que fizeram coisas para sobreviver das quais se envergonhavam, Nickerson nos faz pensar nas tantas coisas que nos afogam num mar de amargura e vergonha e nos atormentam quando não somos capazes de “vazar” a alma para alguém.

Penso no quanto é necessário hoje redescobrirmos a coragem de ir aonde ninguém ousou, muito mais do que no coração do oceano, mas no meu interior e também no coração de quem está mais próximo de mim.

“O diabo adora segredos não contados. Especialmente aqueles que apodrecem a alma”.

Se há uma frase que marca o longa e nos sintetiza tudo o que nos é questionado – intencionalmente ou não pelo roteiro – é esta. Não seria eu alguém que está permitindo que a alma apodreça por não deixar vir à tona meus temores, vergonhas, feridas? Não estou dizendo que devemos falar isso a qualquer pessoa, mas que é preciso ser feito.

Quanto nos apavora velejar no mar da nossa alma! Lugar onde habita uma Moby Dick pronta a nos atacar, somente pelo fato de ainda não nos propormos a conhecer melhor nosso interior, ao simplesmente expô-lo!

Ao revelar a verdadeira e trágica história por trás de um romance publicado em 1850, No Coração do Mar nos leva a rever as próprias prisões interiores e nossa necessidade de nos abrir a alguém para não submergirmos em meio às próprias angústias. Há uma força dentro de nós sufocada por nossos segredos não contados.

Abraço e paz!


Escrito por
Diego Savio
Diego Sávio

Cantor católico e cinéfilo.

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Anterior
Próximo
Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Diego Sávio, em Dica de Cinema

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.