Por Cankin Ma Lam Em Jovens de Maria Atualizada em 29 NOV 2019 - 10H28

Por que acreditamos em Santos?

Uma vez, presenciei um evento um tanto misterioso. Uma colega da minha sala era, em geral, boa nos estudos. Mas, na hora de falar na frente de todo o mundo, tinha muita dificuldade. Alguns podem se identificar com quem fica com vergonha ou com quem presencia tal sofrimento.

Seja qual for o caso, sabemos que uma simples palavra de encorajamento não resolve tal dificuldade. Aí vem o fato que presenciei: No grupo daquela colega, tinha um rapaz que a tinha ajudado a preparar o trabalho e, pelo que ela comentou depois, foi a presença dele que lhe levantou o ânimo e a encheu de coragem.

Falar dos santos é, sobretudo, falar de irmãos nossos. É um artigo de fé que rezamos todo domingo no Credo: "Creio na comunhão dos santos". Isso não significa uma verdade fria, que alguns padres imaginaram e depois exigiram que os demais cristãos repetissem. É, na verdade, um louvor à obra realizada por Deus na vida dos homens.

O que significa que um cristão seja santo? O que diz essa realidade para a minha vida concreta (no meu aqui e agora)? É importante que eu acredite nisso?

Shutterstock
Shutterstock

Antes de se falar do santo como individualidade, é preciso falar do santo como comunhão. Na verdade, tanto para eles quanto para nós se aplica que "o mais insignificante dos nossos atos, realizado na caridade, reverte em proveito de todos, numa solidariedade com todos os homens, vivos ou defuntos, que se funda na comunhão dos santos" (Catecismo da Igreja Católica, nº 946-959.)

Assim, falar do santo é falar da Igreja. Por isso, no Credo professamos nossa fé na Igreja e, logo depois, nos santos. O Catecismo o indica categoricamente: "Depois de ter confessado ‘a santa Igreja Católica’, o Símbolo dos Apóstolos acrescenta ‘a comunhão dos santos’. Este artigo é, em certo sentido, uma explicitação do anterior: pois ‘que é a Igreja senão a assembleia de todos os santos?’. A comunhão dos santos é, precisamente, a Igreja" (Catecismo da Igreja Católica, nº 946-959.)

Para além de milagres e ações fantásticas na vida dos santos, nosso olhar é dirigido à comunicação e união na fé que eles ajudam a estabelecer. Na verdade, os milagres apontam para esta união. O sentido do milagre – e isso é muito claro no ministério de Jesus – não é o de surpreender o auditório para ganhar adeptos, mas sim um convite à fé (sendo que, em algumas ocasiões, Jesus destacou que o milagre era, justamente, consequência da fé de quem pedia).

A vida da fé constitui um verdadeiro "tesouro de vida que se enriquece na medida em que é partilhada" (Catecismo da Igreja Católica, nº 946-959.)

Pois no fundo "o cristão é um administrador dos bens do Senhor". Isso qualifica a intercessão dos santos, que, "estando mais intimamente unidos com Cristo, consolidam mais firmemente a Igreja na santidade" (Catecismo da Igreja Católica, nº 946-959.)

Em conclusão, "não é só por causa do seu exemplo que veneramos a memória dos bem-aventurados, mas ainda mais para que a união de toda a Igreja no Espírito aumente com o exercício da caridade fraterna"*. (Catecismo da Igreja Católica, nº 946-959.)

Escrito por
Cankim Ma Lam (Arquivo Pessoal)
Cankin Ma Lam

Nascido no Equador, filho de pai chinês é apóstolo de plena disponibilidade no Sodalício de Vida Cristã. Atualmente faz caminho ao sacerdócio e estuda teologia na Universidade Católica de Petrópolis

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Anterior
Próximo
Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Jovens de Maria, em Jovens de Maria

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.