Por Rádio Aparecida Em Notícias Atualizada em 03 MAI 2020 - 09H45

“Notícias em 30” da Rádio Aparecida traz edição especial sobre o Dia do Trabalhador




4 milhões de pessoas
já tiveram seu contrato de trabalho alterado durante pandemia do coronavírus e o número de desempregados pode chegar a 17 milhões em meio à crise.

Situações excepcionais como essas são observadas pelos brasileiros durante o isolamento social imposto pela pandemia.

Ouça o especial ou, se preferir, leia:


Apesar de ser um dos maiores países do mundo em se tratando de economia, população e extensão, o Brasil ainda enfrenta desempenhos insatisfatórios em indicadores como qualidade de vida e emprego.

São inegáveis os impactos que a pandemia gerou no mundo do trabalho. Em diferentes profissões e classes sociais, a vida já não é mais a mesma.

Com pessoas isoladas em casa e o declínio da economia, o governo colocou em prática a Medida Provisória 936, que permite a suspensão do contrato de trabalho por dois meses ou a redução de salário e jornada por até quatro meses.

Até agora, segundo o Governo, quase 4 milhões de trabalhadores já foram afetados.

Trabalho e suas mudanças

Muitos trabalhadores passaram a fazer o chamado home-office, ou seja, trabalhar de casa. Embora para algumas categorias isso seja simples, para outros é uma realidade totalmente nova.

Quando pensamos no combate à pandemia, imediatamente lembramos dos profissionais de saúde. Sem o trabalho deles, de nada adiantaria qualquer esforço que fosse feito para evitar o contágio do vírus.

Segundo o Conselho Federal de Enfermagem, 860 mil profissionais da saúde atuam em unidades de saúde em todo o país. Porém, o novo coronavírus já provocou mais de 7 mil afastamentos do trabalho. Só na enfermagem, 53 pessoas já morreram por causa da doença. E a precarização do trabalho também é presente.

Muitos outros trabalhadores continuam atuando, mesmo durante a pandemia. São atendentes de supermercado, coletores de lixo, pessoal de serviço geral, limpeza e muitas outras categorias. E mesmo sendo essenciais para que a vida continue com o mínimo de normalidade, seus salários acabam sendo muito mais baixos que outros profissionais que podem ficar em casa.

Desemprego durante pandemia

Dados da última pesquisa PNAD do IBGE apontam taxa de desemprego de 11,6% no trimestre encerrado em fevereiro, atingindo 12,3 milhões de brasileiros. A alta na taxa foi puxada pelos setores de construção, administração pública e serviços domésticos.

Outro dado impressionante é a taxa de informalidade, que representa 40,6%. São, ao todo, 38 milhões de brasileiros atuando sem carteira assinada. Márcio Pochmann, economista e professor da UNICAMP, comenta a situação do desemprego no país.

Ainda falando neste cenário, o Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas calcula que a taxa de desemprego do Brasil pode pular para 16,1%, já neste trimestre. Isso significa que 5 milhões de pessoas podem entrar na fila do desemprego, elevando para 17 milhões o número de pessoas sem trabalho no Brasil.

E não só o desemprego, como a precarização do trabalho e a desigualdade social estão sendo trazidas à tona. A Pastoral Operária Nacional lançou uma cartilha para estudo e reflexão com o tema "A escravidão dos Novos Tempos: A precarização do Trabalho". A temática traz a preocupação com os novos arranjos em torno do trabalho, como explica Jardel Lopes, coordenador nacional da Pastoral Operária.

O governo tem preparado um programa de retomada econômica. A iniciativa, que se chama Pró-Brasil, terá como foco a criação de postos de emprego mediante investimentos em obras. Segundo o governo, ao menos R$ 30 bilhões devem ser disponibilizados por meio de investimentos públicos. A pretensão é de que mais de 1 milhão de postos de emprego sejam gerados.

Além das ações governamentais, é preciso pensar em como vamos agir quando tudo isso passar. Como deve funcionar o mercado de contratações pós-pandemia? Quais lições esse período ainda tem para nos trazer? É o que precisaremos analisar de hoje em diante.

Preparação do especial

Rafaela Oliveira
Rafaela Oliveira
"Notícias em 30" especial com Estefani Braz e José Eduardo.


O Notícias em 30, jornal da Rádio Aparecida, preparou o “Especial Trabalhador Brasileiro e a Pandemia do Coronavírus”. A edição foi pensada como uma forma de homenagear e informar o trabalhador, contando com a participação do especialista em Direito do Trabalho, Dr. Cássio Faeddo, mestre em Direitos Fundamentais, com MBA em Relações Internacionais pela FGV/SP, que falará sobre a situação econômica do país. 

“Temas como o trabalho são importantes para a formação e informação dos ouvintes, apresentando ferramentas para que possam refletir e tirar suas próprias conclusões a respeito de assuntos de difícil compreensão, mas que podem ser traduzidos de maneira simples, como desemprego, trabalho precário, suspensão de contrato de trabalho, entre outros, ligados ao universo trabalhista brasileiro”, comentou André Costa, editor-chefe de Jornalismo, ao falar sobre a abordagem da temática.

Divulgação
Divulgação
Participação do Dr. Cássio Faeddo, especialista em Direito do Trabalho.


Ficha Técnica

Produção: Jornalismo Rádio Aparecida
Apresentação: José Eduardo e Estefani Braz
Trabalhos Técnicos: Leandro Rodrigo
Edição: André Costa
Direção geral: Padre Inácio Medeiros

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0
Receba novidades

Cadastre seu e-mail e receba notícias diariamente

Parabéns, seu cadastro foi efetuado com sucesso!
Você deve receber nossas novidades em breve.

Ops, tivemos um possível erro no cadastro de seu e-mail.
Tente novamente por favor.

Tentar novamente
Facebook

Boleto

Carregando ...

Reportar erro!

Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou de uma informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Rádio Aparecida, em Notícias

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.

Carregando ...