Por Rádio Aparecida Em Notícias Atualizada em 17 FEV 2020 - 15H21

Reajuste do salário minimo influencia novas taxas de contribuição do INSS



Ouça a reportagem ou, se preferir, leia:

🔊 Acompanhe o 'Notícias em 30' às 7h (1ª edição) e às 17h30 (2ª edição)

O Governo Federal publicou as novas faixas de cálculo e taxas de contribuição ao Instituto Nacional da Previdência Social (INSS), que passarão a valer a partir de 1º de março. A atualização acontece por conta do reajuste do salário mínimo, que subiu em fevereiro de R$ 1.039 para R$ 1.045.

Com a correção, as novas faixas de cálculo da contribuição paga mensalmente por cada trabalhador serão de 7,5% a 14%Quem nos explica é o advogado Rodolfo Ramer, especialista em Direito Previdenciário.


Instituto Nacional de Câncer estima que entre os 625 mil novos casos, 50,3% devem ocorrer em homens e 49,7% em mulheres

Shutterstock
Shutterstock


Ouça a reportagem ou, se preferir, leia:

🔊 Acompanhe o 'Notícias em 30' às 7h (1ª edição) e às 17h30 (2ª edição)

O Instituto Nacional de Câncer, o Inca, órgão ligado ao Ministério da Saúde estima que entre os 625 mil novos casos, 50,3% deve ocorrer em homens e 49,7% em mulheres. Os dados foram colhidos com base em registros populacionais e de hospitais de câncer do país.

O Inca informou que 7 milhões e 600 mil pessoas morrem em todo o mundo por causa do câncer a cada ano. Mais da metade delas, tem entre 30 e 69 anos.

Liz Almeida, coordenadora de Prevenção e Vigilância do Inca, explica os principais fatores de riscos e afirma que a prevenção e a prática de hábitos saudáveis é a melhor forma de prevenção contra a doença e destaca ainda a importância do bom funcionamento e da estruturação do Sistema Único de Saúde no atendimento aos pacientes.


IBGE aponta avanço recorde na taxa informalidade pelo mercado de trabalho

shutterstock
shutterstock


Ouça a reportagem ou, se preferir, leia:

🔊 Acompanhe o 'Notícias em 30' às 7h (1ª edição) e às 17h30 (2ª edição)

Números divulgados pelo IBGE mostram avanço da informalidade pelo mercado de trabalho pelo país em 2019. 20 das 27 unidades da federação registraram taxa de informalidade recorde no mercado de trabalho.

A proporção nacional de trabalhadores informais perante o total é de 41,1%. Ou seja, a cada 10 pessoas que estão trabalhando, 4 não têm carteira assinada. As maiores taxas de estão nas regiões Norte e Nordeste, com índices de quase 60%.

O elevado nível de trabalhadores informais está ligado à recuperação do mercado de trabalho por meio de postos precáriosO Dr. Cássio Faeddo, advogado especialista em direito do trabalho e mestre em direitos fundamentais, explica este fenômeno.


🔊 Gostou do conteúdo? Compartilhe com os amigos!
Na parte superior da página (logo abaixo do título) clique no botão do WhatsApp ou das demais redes sociais.

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Rádio Aparecida, em Notícias

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.