Por Pe. Leo Pessini Em Brasil Atualizada em 27 SET 2018 - 15H27

Cuidados paliativos e a finitude humana


Cuidados paliativos e a finitude humana

A dor pode ser definida como uma perturbação, uma sensação no corpo. O sofrimento, por outro lado, é um conceito mais abrangente e complexo, atinge o todo da pessoa. Pode ser definido, no caso de doença, como um sentimento de angústia, vulnerabilidade, perda de controle e ameaça à integridade do 'eu'. Pode existir dor sem sofrimento e sofrimento sem dor. Em cada caso, somente nós podemos senti-lo, bem como aliviá-lo. A dor exige medicamento e analgésico; o sofrimento, clama por sentido.

Como afirma Cassel (1998): “O sofrimento ocorre quando existe a possibilidade de uma destruição iminente da pessoa; continua até que a ameaça de desintegração passa ou até que a integridade da pessoa é restaurada novamente, de outra maneira. Aponto que sentido e transcendência oferecem duas pistas de como o sofrimento, associado com a destruição de uma parte da personalidade, pode ser diminuído. Dar um significado à condição sofrida frequentemente reduz, ou mesmo elimina o sofrimento associado a ela. A transcendência é, provavelmente, a forma mais poderosa pela qual alguém pode ter sua integridade restaurada, após ter sofrido a desintegração da personalidade “.

No famoso livro da Bíblia, o livro de Jó, escrito há mais de 2500 anos, temos uma apresentação do mistério do sofrimento e Deus. É a mesma pergunta que tantos “Jós” (sofredores) se fazem hoje. Por que Deus faz isto comigo? O rabino Harold Kushner, na sua famosa obra Quando coisas ruins acontecem a pessoas boas responde que “as palavras de Jó nem de longe contêm uma indagação de ordem teológica – elas são um grito de dor. Depois daquelas palavras, caberia um ponto de exclamação, não de interrogação. O que Jó queria de seus amigos (...) não era teologia, mas simpatia. Não desejava que lhe explicassem Deus, tampouco estava querendo mostrar-lhes que sua teologia era insatisfatória. Ele queria somente dizer-lhes que era realmente um bom homem e que as coisas que lhe estavam acontecendo eram terrivelmente trágicas e injustas. Mas seus amigos empenharam-se tanto em falar de Deus que quase esqueceram de Jó, a não ser para observar que ele deveria ter feito alguma coisa de muito ruim para merecer aquele destino das mãos de um Deus justo”.

Na história da espiritualidade cristã católica, em época não muito distante de nós, se enfatizava exageradamente a importância do sofrimento, caindo-se numa mentalidade dolorista de valorização do sofrimento por si mesmo. A expressão do povo “se a gente não sofre, não ganha o céu” espelha bem esta mentalidade. Na busca de superação desta religião do sofrimento e da culpa, precisamos beber da fonte primeira, redescobrindo nos Evangelhos que, no centro não está a dor e o sofrimento, mas o amor. O mandamento não é para sofrer, mas para amar.

Na carta apostólica Salvifici Doloris (1984) de São Joao Paulo II, lemos que “O sofrimento humano suscita compaixão, inspira também respeito e, a seu modo, intimida. Nele, efetivamente está contida a grandeza de um mistério específico”. É dito também que “o amor é ainda a fonte mais plena para a resposta à pergunta acerca do sentido do sofrimento. Esta resposta foi dada por Deus ao homem, na Cruz de Jesus Cristo" (continua).

Escrito por
Pe. Léo Pessini Currículo - Aquivo Pessoal
Pe. Leo Pessini

Professor, Pós doutorado em Bioética no Instituto de Bioética James Drane, da Universidade de Edinboro, Pensilvânia, USA, 2013-2014. Conferencista internacional com inúmeras obras publicadas no Brasil e no exterior. É religioso camiliano e atual Superior Geral dos Camilianos.

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Anterior
Próximo
Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Redação A12, em Brasil

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.