Por Redação A12 Em Brasil

Veja dicas de como começar o ano sem dívidas

reinaldo_domingos_1_foto_anthony_caronia

Foto: Divulgação/DSOP

IPVA, IPTU, material escolar... O que não faltam são gastos extras no início do ano. O pior é que esses compromissos aparecem no orçamento logo após o período no qual as famílias mais costumam comprar: as festas de fim de ano.

Como passar por tudo isso sem passar o resto do ano endividado? Quem responde é educador e terapeuta financeiro Reinaldo Domingos.

Portal A12 – Qual é o principal erro que as pessoas comentem nos gastos de final de ano?

Reinaldo Domingos – A falta de planejamento e as compras por impulso, provocando o aumento da inadimplência das famílias. É fundamental evitar parcelamentos. Na empolgação do consumismo, típico da época, esquece-se que os rendimentos extras não persistirão pelo ano seguinte.

Se o parcelamento for inevitável, faça uma planilha na qual o valor já comprometido esteja previsto nos meses correspondentes. Sem esse controle, é certo o acúmulo de dívidas e o risco de inadimplência.

Reúna-se com a família para definir os desejos de curto (um ano), médio (até cinco anos) e longo (mais de 10 anos) prazos. Ou o que se pretende realizar em 2017. Incorpore o valor necessário para a realização dessas metas no orçamento mensal do próximo ano. Subtraia esse valor da receita. O saldo restante é o orçamento para as demais despesas mensais.

A12 – Início de ano é tempo de IPVA, IPTU etc. É uma boa ideia usar o 13º para esses pagamentos?

Reinaldo – Essa pergunta é complexa. O primeiro passo para saber como pagar é listar os ganhos do período (renda, 13°, bonificações, férias). Liste todas as despesas, fixas e variáveis. Avalie sua situação financeira: há margem para novos gastos? Há pendências financeiras?

Identifique excessos, que geralmente representam 30% das despesas das famílias. Evite a todo custo entrar no cheque especial ou pagar a parcela mínima do cartão de crédito. Reserve parte do décimo terceiro para as despesas do início do ano, como IPVA, IPTU, matrícula e material escolar.

A12 – Educação financeira deveria ser ensinada nas escolas?

Reinaldo – Estudos mundiais demonstraram que, em países onde educação financeira está inserida na grade curricular, os alunos tiveram mudanças significativas no comportamento em relação ao consumo.

A inadimplência é resultado do ciclo do endividamento não consciente, tira o sono, a saúde e a qualidade de vida. Incluir educação financeira na grade curricular da escola promoverá mudança de vida em todos os envolvidos: professores, alunos, coordenadores, gestores e pais.

O futuro de gerações sustentáveis financeiramente é reflexo das atitudes do presente, e a escola tem um papel imprescindível nessa construção.

A12 – Que conselho você dá para quem já está endividado? Como reverter essa situação?

Reinaldo – Qualquer que seja a dívida, o consumidor deve investigar o que o está levando a gastar mais do que ganha. Fazer acordos para pagamentos de dívidas, sem antes saber qual é a real capacidade de pagamento, sem cortar excessos nem ajustar o orçamento, é um grande risco, além de ser uma medida paliativa.

:: Saiba o que fazer com o 13º salário em tempos de crise

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Redação A12, em Brasil

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.