Por Redação A12 Em Espiritualidade Atualizada em 02 ABR 2020 - 09H18

Dias da Semana Santa: Três dias de tensão

 

Shutterstock
Shutterstock


Quando celebramos o Mistério Pascal de Cristo, passado o Domingo de Ramos, vivemos um clima de caminho com Cristo. Acompanhamos sua tensão interior e choques com os chefes do povo e da religião.

Nos Evangelhos, acompanhamos o esboçar-se da traição de Judas e a decisão dos “homens” de matar Jesus. Na quinta-feira de manhã, temos a missa da bênção dos Santos Óleos (catecúmenos, crisma e enfermos) que entram na confecção dos sacramentos.

Os sacramentos nascem do Mistério da morte e ressurreição de Jesus, e são eles a nos dar os frutos da redenção conquistada por Jesus.

Uma bacia e uma toalha

Ao cair da tarde de quinta-feira, iniciam-se as grandes celebrações. A missa da Ceia do Senhor relembra quatro pontos fundamentais: a Eucaristia, pão e vinho que tornam presente o sacrifício redentor de Cristo; a instituição do sacerdócio, quando Jesus diz "Fazei isto em memória de mim"; o mandamento do amor, que é o caminho da vida e salvação, síntese de tudo o que Jesus foi e ensinou; a humildade, maior virtude, para viver como Jesus viveu.

Mais bonito ainda é ver Jesus sintetizar tudo isso na cerimônia do Lava-pés. Ali está o sacerdócio como serviço, a maneira de amar com humildade e a explicação da Eucaristia e da morte-ressurreição de Jesus, modo de Deus amar e servir o mundo, vivido e ensinado pelos cristãos: partir e repartir.

Após a missa, temos a adoração silenciosa junto à agonia de Jesus no Horto das Oliveiras. Simples: uma bacia e uma toalha resumem muito.

Uma cruz e uma lágrima

Não temos missa na Sexta-Feira Santa, pois o sacrifício celebrado na missa se realiza em Jesus Crucificado.

Ali, o Deus-Homem chega ao absurdo do amor: entregar-se pelos que ama. “Não há maior amor do que dar a vida pelos amigos”. Ele era nosso amigo quando não éramos ainda seus amigos. Última gota de sangue, última prova de amor.

Na liturgia das 15 horas, celebramos a morte de Jesus. Ela se torna presente. Ouvimos a Palavra de Deus que proclama a presença desta morte, rezamos por todas as necessidades do mundo e adoramos Jesus morto sobre o madeiro.

Quanta dor e sofrimento no Filho, na Mãe e nos amigos! “Uma espada traspassará tua alma”. Mãe das Dores, rogai por nós. Ao final, temos a Comunhão.

Celebramos Cristo morto, mas Ele está vivo. Por isso podemos participar totalmente de seu mistério pela comunhão de seu Corpo e Sangue redentores.

Um túmulo vazio

Passamos o Sábado no silêncio, ao lado do túmulo silencioso. Não há celebração, há somente a dor silenciosa pela morte de um Deus. Nosso Deus não mata, morre por nós.

À hora noturna, iniciamos a celebração da Vigília Pascal. É o dia que escolhi para ir para o Céu. Lindíssimo. Celebro este mistério com uma alegria incalculável.

É o fogo novo, a proclamação da Páscoa, as leituras, a renovação das promessas do batismo, a celebração Eucarística. Ressuscitamos com Ele.

Passemos estes dias ouvindo a Palavra e abrindo o coração.

Padre Luiz Carlos Oliveira, C.Ss.R.
Missionário Redentorista

.::  A Semana Santa no Santuário de Aparecida

.:: A Semana Santa no Vaticano

1 Comentário

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Redação A12, em Espiritualidade

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.