Por Elisangela Cavalheiro Em Igreja

Cardeal Hummes pede empenho da Igreja ao avaliar Congresso Eucarístico

Com o tema “Eucaristia e Partilha na Amazônia Missionária”, ocorreu em Belém, no Pará, entre os dias 15 e 21 de agosto, o 17º CONGRESSO EUCARÍSTICO NACIONAL. Este evento que ocorre a cada cinco anos, reuniu aproximadamente 600 mil participantes e centenas de bispos.

O cardeal Cláudio Hummes, arcebispo emérito de São Paulo e presidente da Comissão Episcopal para a Amazônia da CNBB, foi indicado pelo Papa como seu representante. Em entrevista exclusiva ao A12.com o cardeal avaliou positivamente as reflexões e debates deste evento e apresentou alguns dos desafios da missão na Amazônia. Dom Claudio pediu ainda que os bispos e toda a Igreja do Brasil possam dar continuidade às discussões levantadas neste Congresso.  Ouça a entrevista. 

"Ao meu ver foi um congresso muito bem realizado com grande êxito, muita gente com uma fé realmente emocionante. Como você dizia, ao redor de 600 mil pessoas. Foi um momento muito especial", celebrou Dom Cláudio ao destacar a grandiosidade deste evento. 

"Os grandes temas que marcaram este congresso foram a missão e a Amazônia, ou seja, a missão nesta região mas também a missão em todo país e a responsabilidade da Igreja de todo o Brasil em relaçao à missão na Amazônia". Segundo o cardeal, os debates foram orientados em grande parte pelo magistério do Papa Francisco.

"Quem nos orientou muito profundamente foram os grandes documentos do Papa Francisco sobretudo a 'Laudato si' mas também a reforma no sentido de uma Igreja totalmente missionária e isso para nós foi uma convocação muito forte e que foi constantemente lembrada nesse Congresso", afirmou Dom Cláudio. 

Desafios à ação evangelizadora da Igreja 

Pobreza, inculturação, espírito missionário, assistência das comunidades das grandes periferias e do interior e ainda a necessidade de uma presença profética que abra novos caminhos para essa região, foram os desafios destacados pelo cardeal.

 

"São grandes desafios, a Igreja tem muito pouca gente, esse é o desafio maior! Nós não temos suficiente missionários e missionárias..."

Dom Cláudio explicou que a crescente urbanização tem lançado novos desafios até então não tão debatidos pela Igreja. Nessa realidade, ele lembra a escassez de vocações ordenadas e missionárias. 

"São grandes desafios, a Igreja tem muito pouca gente, esse é o desafio maior! Nós não temos suficiente missionários e missionárias e sobretudo não temos suficiente ministros ordenados, quer dizer, padres e diáconos que possam estar presentes em tantas comunidades sobretudo do interior mas também das periferias das cidades". 

Por outro lado, o cardeal exaltou a força da Igreja presente nessa região. "São realmente muitos desafios mas ao mesmo tempo o que se encontra ali é uma Igreja muito valente, viva, ativa, com uma fé muito grande e isso se manifestou ali em Belém. Nós vimos como esse povo tem uma fé realmente comovedora", frisou. 

 

"Vamos caminhar, vamos ser corajosos e vamos assumir novas atitudes missionárias e misericordiosas!". 

Não cair no esquecimento

Para Dom Cláudio é fundamental dar prosseguimento e repercussão às discussões deste encontro para que elas não caiam no esquecimento. 

"É necessário que a Igreja no Brasil faça assembleias e faça encontros para tudo isso ser retomado para que o fruto possa realmente ocorrer, para que coisas não fiquem assim 'foi bom', 'foi uma bela festa religiosa' e, depois tudo continua do mesmo jeito. O Papa sempre pede que não deixemos as coisas como estão. Vamos caminhar, vamos ser corajosos e vamos assumir novas atitudes missionárias e misericordiosas!", finalizou. 

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Elisangela Cavalheiro, em Igreja

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.