Por Polyana Gonzaga Em Igreja Atualizada em 18 OUT 2019 - 08H58

Dom Adriano Ciocca: “A Igreja está com uma grande dívida com as mulheres”

Polyana Gonzaga
Polyana Gonzaga
Dom Adriano Ciocca Vasino em oração na Igreja de Santa Maria em Traspontina.


De joelhos e com o terço nas mãos, Dom Adriano Ciocca Vasino, bispo da Prelazia de São Félix do Araguaia, rezava pelo andamento das atividades do Sínodo da Amazônia, na Igreja de Santa Maria em Traspontina, localizada na Via della Conciliazione, a poucos metros do Vaticano.

Dom Adriano Ciocca, que sempre lutou ao lado dos pobres e excluídos sendo presença evangélica e testemunho profético na Igreja e na sociedade, participa do Sínodo para a Amazônia, que segue até dia 27 de outubro.

Ao ser questionado pela nossa equipe sobre o que chamou mais sua atenção nas discussões sinodais, Dom Ciocca falou emocionado e com a voz embargada sobre o papel da mulher na Igreja.

“É o espaço que as mulheres tomaram nesse sínodo. Os depoimentos mais marcantes e entusiasmados foram os das mulheres”.

Com lágrimas nos olhos, Dom Adriano completou: “Eu acho que a Igreja está com uma dívida grande com as mulheres. Se a Igreja não se der alguns passos agora, daqui a algumas décadas a Igreja terá que pedir perdão às mulheres,por não ter dado o espaço que elas devem ter dentro da Igreja. O fato delas terem este espaço (no Sínodo) me comove”.

Ouça este trecho da entrevista:

Entre outras temáticas apresentadas e discutidas na Assembleia, Dom Adriano Ciocca destacou:

Ecologia integral: A questão da Ecologia Integral é debatida com aplicações concretas para que se torne um caminho de mudança de mentalidade, cultura e também da teologia da Igreja.

Povos indígenas: A ótica, a partir das nações indígenas, como estão enxergando a Igreja e como estão enxergando a Amazônia.

Sobre os novos caminhos para os ministérios: Diante da urgência de pastores para a evangelização da Amazônia, existe uma necessidade de valorização da vida consagrada e promoção das vocações autóctones (dentro da própria região).

Liberdade: É interessante a liberdade que temos no Sínodo para poder falar das temáticas. Não se percebe, em nenhum momento, um ar de censura.

Rito amazônico: “O Papa fez uma observação na plenária de que os temas estavam muitos fragmentados e precisávamos de algo que pudesse unir os temas. Entre as ideias interessantes dos círculos menores está um rito amazônico, que não trata apenas de ter uma liturgia própria, mas reconhecer a espiritualidade, a teologia própria e a disciplina dos povos, em conformidade às exigências da Amazônia”.

“Se esta proposta passar, acredito que isso possa unificar as temáticas e abrir um caminho para, de fato, representar uma renovação da Igreja”, completou.

Sobre a realidade da Prelazia de São Félix – Segundo Dom Adriano, a Prelazia de São Félix enfrenta uma realidade complicada. “É uma área de fronteira agrícola, com o agronegócio que avança por toda região. A médio prazo a perspectiva não é boa, pois já está virando um grande deserto verde, com enormes extensões de soja, de milho e agora também de algodão, ficando com pouco espaço para os indígenas e migrantes".

Formação dos agentes de pastoral - Entre as respostas para a melhoria dessa realidade, a Prelazia aposta na presença e formação dos agentes de pastoral no meio das comunidades.

“Para isso precisamos de mais agentes de pastoral. Já começamos a marcar uma presença maior. Estamos apostando na formação das comunidades”, completou.

Ouça a entrevista completa:

:: Acesse a nossa página especial do Sínodo da Amazônia :: 

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Anterior
Próximo
Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Polyana Gonzaga, em Igreja

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.