Por Joana Darc Venancio Em Igreja Atualizada em 13 MAR 2019 - 09H24

O vínculo significativo entre escola e vida

A escola não é o único espaço onde acontece a Educação, mas não podemos negar que nela passamos grande parte de nossa existência. Nesta constatação, ancoramos o desejo de que a escola seja um espaço encantador. Um espaço de motivação, de aprendizagens significativas, de construção do conhecimento e do exercício da convivência fraterna. A Congregação para a Educação Católica, no documento "Educar hoje e amanhã: uma paixão que se renova", apresenta claramente essa preocupação e nos convida à reflexão:  

"Um ensino que promove só a aprendizagem repetitiva, que não favorece a participação ativa dos alunos, que não desperta neles a curiosidade,
não é suficientemente desafiante a ponto de suscitar a motivação.
Aprender através da pesquisa e da solução de problemas educa as capacidades cognitivas e mentais,
diferentes e mais significativas do que aquelas de uma simples recepção das informações,
e estimula também a modalidade de trabalho colaborativo".

Shutterstock
Shutterstock

Partindo das orientações da Igreja Católica, vamos também buscar, nas Teorias Educacionais, referenciais que nos ajudam a construir uma escola que promova a participação ativa dos alunos e rompa com o ensino repetitivo, mecânico e sem sentido.

Os princípios da Escola Ativa foram trazidos por John Dewey para o centro do debate e da prática pedagógica, na forma de Filosofia da Educação. Esta foi materializada em discursos, propósitos, metodologias e projetos que negam o modelo desmotivador de educação de escola. John Dewey entende o ato educativo como um processo dinâmico, que interage com a existência cotidiana do aluno e do professor e, por isso, um cotidiano carregado das marcas da condição de humanidade.

A pedagogia da experiência tornou-se a possibilidade de construir uma escola ativa e participativa, onde o aluno não é recebido como um ser “vazio”, mas portador de um referencial de conhecimento, adquirido com as experiências de sua vida nas variadas dimensões. Também afirma a Congregação, no mesmo documento: 

 

"Educar-se é crescer, não no sentido puramente fisiológico, mas no sentido espiritual,
no sentido humano, no sentido de uma vida cada vez mais larga..."

Shutterstock
Shutterstock

"Hoje se pede que os sistemas escolares promovam o desenvolvimento das competências e não transmitam somente conhecimentos. O paradigma da competência, interpretada segundo uma visão humanista, supera a aquisição de conhecimentos específicos ou habilidades. Isso se refere ao desenvolvimento de todos os recursos pessoais do aluno e cria um vínculo significativo entre escola e vida. É importante que a educação escolar valorize não só as competências relativas aos âmbitos do saber e do saber fazer, mas também aquelas do viver junto com outros e crescer em humanidade".

Dessa forma, a escola se tornaria um centro de interesse para o aluno, absorvendo-o, através de sua humanidade, em diversas atividades educativas. Os ensinamentos da Congregação para a Educação Católica se sintonizam à reflexão de John Dewey, pois ele afirma:

"Ora, se a vida não é mais que um tecido de experiência de toda sorte,
se não podemos viver sem estar constantemente sofrendo e fazendo experiências,
é que a vida é toda ela uma longa aprendizagem.
Vida, experiência, aprendizagem não se pode separar.  Simultaneamente vivemos, experimentamos, aprendemos. (...).
A experiência alarga, deste modo, os conhecimentos, enriquece o nosso espírito e dá, dia-a-dia, significação mais profunda à vida.
E é nisso que consiste a educação. Educar-se é crescer, não no sentido puramente fisiológico, mas no sentido espiritual,
no sentido humano, no sentido de uma vida cada vez mais larga, mais rica e mais bela,
em um mundo cada vez mais adaptado, mais propício, mais benfazejo para o homem".
(Cf. Dewey. Coleção Os Pensadores, Abril Cultural, P. 115-116.) 

John Dewey, por sua Filosofia de Educação e por suas propostas pedagógicas pragmáticas, influenciou fortemente a Anísio Teixeira, que foi seu aluno. Ele identificou, no entendimento que John Dewey tinha do mundo, da sociedade, do homem e da educação, um modelo a ser seguido e fundamentou nesses ideais seu projeto de educação e de escola para o Brasil. Sua forma de pensar a escola está fundamentada na compreensão pragmática do real. 

.:: Diga sim à escola

Escrito por
Joana Darc Venancio (Redação A12)
Joana Darc Venancio

Pedagoga, Mestre em educação e Doutora em Filosofia. Especialista em Educação a Distância e Administração Escolar, Teóloga pelo Centro Universitário Claretiano. Professora da Universidade Estácio de Sá. Coordenadora da Pastoral da Educação e da Catequese na Diocese de Itaguaí (RJ)

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Anterior
Próximo
Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Redação A12, em Igreja

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.