Por Joana Darc Venancio Em Mundo Atualizada em 17 SET 2019 - 09H47

A Pessoa como centro da educação: um pacto educativo

Shutterstock
Shutterstock


O filósofo Immanuel Kant, em seu livro 'Sobre a Pedagogia', afirmou: “...a educação, portanto,
é o maior e mais árduo problema que pode ser proposto aos homens”. Muitos são os desafios encontrados pela humanidade ao longo dos tempos, mas nenhum se assemelha à responsabilidade de educar.

Quem pretende educar, mas não se interroga sobre o sujeito que pretende educar, contrapõe-se, ainda que sem se dar conta, aos princípios da educação como possibilidade de romper com o determinismo, que impede a humanidade de se recriar.

Preocupado com esse grande dilema humano que é a educação, o Papa Francisco fez um convite especial aos educadores

"Desejo promover um encontro mundial no dia 14 de maio de 2020, que terá como tema «Reconstruir o pacto educativo global»: um encontro para reavivar o compromisso em prol e com as gerações jovens, renovando a paixão por uma educação mais aberta e inclusiva, capaz de escuta paciente, diálogo construtivo e mútua compreensão. Nunca, como agora, houve necessidade de unir esforços numa ampla aliança educativa para formar pessoas maduras, capazes de superar fragmentações e contrastes e reconstruir o tecido das relações, em ordem a uma humanidade mais fraterna".

Leia MaisAos Jesuítas, faça-se justiça! A Educação agradeceEducar e instruir para o Éthos Educação infantil de qualidade e seu impacto na economiaQuem aceita o convite de Papa Francisco? Evidente que estar em Roma para participar do encontro será uma grande experiência, mas poderá ser, igualmente significativa, a iniciativa de promover encontros, onde quer que estejamos, para manter a sintonia com o “Pacto Educativo”. Vamos construir uma «aldeia da educação», como pede o Papa Francisco. Eis uma bela Missão para a Pastoral da Educação.

Fundamentando a necessidade deste Encontro Mundial, o Papa foi claro ao falar da exigência de uma Educação que coloque a Pessoa como centro do processo. Cada pessoa tem uma história e uma identidade e que, por isso, é um ser de emoções, de efetividades, que alimenta esperanças e sofre decepções.

O sujeito da educação é a pessoa. Pessoas têm anseios, paixões, medos... E não nos parece que o conhecimento científico possa dar conta de responder toda essa avalanche de humanidade.

Papa Francisco justifica a necessidade deste Encontro Mundial e a urgência de um “pacto educativo":

• "Cada mudança precisa de uma caminhada educativa que envolva a todos. Por isso, é necessário construir uma «aldeia da educação», onde, na diversidade, se partilhe o compromisso de gerar uma rede de relações humanas e abertas;

• Para atingir estes objetivos globais, a caminhada comum da «aldeia da educação» deve dar passos importantes. Primeiro, ter a coragem de colocar no centro a pessoa. Por isso, é preciso assinar um pacto para dar uma alma aos processos educativos formais e informais, que não podem ignorar o fato de que tudo no mundo está intimamente conexo;

• Outro passo é a coragem de investir as melhores energias com criatividade e responsabilidade. A ação propositiva e confiante abre a educação para uma projetação a longo prazo, que não encalhe na tendência estática das condições;

• Um novo passo é a coragem de formar pessoas disponíveis para se colocarem ao serviço da comunidade. O serviço é um pilar da cultura do encontro: significa inclinar-se sobre quem é necessitado e estender-lhe a mão, sem cálculos nem receio, com ternura e compreensão, como Jesus Se inclinou para lavar os pés dos Apóstolos;

• Por isso, desejo encontrar-vos em Roma a todos vós que, pelos mais variados títulos, trabalhais no campo da educação, em todos os níveis da lecionação e da pesquisa. Convido-vos a promover em conjunto e ativar, através dum pacto educativo comum, as dinâmicas que conferem um sentido à história e a transformam de maneira positiva".

A educação, quando entendida mais do que "transmissão de informações" ou mero "treinamento", coloca em jogo a questão do ideal que uma sociedade fabrica para si e para seus sujeitos, retirando do ocultamento as interrogações que não podem ser ocultadas, sob pena de torná-la um engodo. “Ninguém acende uma lâmpada para colocá-la debaixo de uma vasilha, e sim, para colocá-la no candeeiro, onde ela brilha para todos os que estão em casa”. (Mt 5,14-15)

Escrito por
Joana Darc Venancio (Redação A12)
Joana Darc Venancio

Pedagoga, Mestre em educação e Doutora em Filosofia. Especialista em Educação a Distância e Administração Escolar, Teóloga pelo Centro Universitário Claretiano. Professora da Universidade Estácio de Sá. Coordenadora da Pastoral da Educação e da Catequese na Diocese de Itaguaí (RJ)

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Anterior
Próximo
Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Redação A12, em Mundo

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.