Por *Eduardo Gois Em Brasil Atualizada em 05 JAN 2018 - 14H26

12 dicas para votar bem e ser um bom cidadão


Shutterstock
Shutterstock

Eis que chegou o ano dos mais peculiares quando o assunto é política e sociedade. É momento de o povo brasileiro escolher os próximos governantes, mas também é uma ocasião em que a corrupção se revela como algo muito prejudicial a toda a população.

Diferente de alguns anos atrás quando o Brasil era a “menina dos olhos do resto mundo” e havia um tal de “espetáculo do crescimento”, agora estamos encobertos de consequências de atos irresponsáveis, desemprego, violência, educação sucateada, Estados entrando em falência, saúde em colapso.

Para completar ainda temos um fenômeno de ódio na internet, aonde causa-se a impressão de que democracia e diálogo não existem. A regra agora é não poder opinar e não ter a liberdade de se ter opiniões diferentes, a guerra digital está sangrenta.

Para refletir um pouco melhor sobre esta fase em que passa o nosso país e dar dicas de como ser um melhor eleitor neste momento de transição política do Brasil, conversamos com o cientista político Murilo Carvalho, que nos deu 12 dicas. Também aproveitamos e pegamos uma carona na campanha lançada pelo Santuário Nacional “Eu Sou O Brasil Ético”, porque não basta apenas cobrar ética dos políticos e sim praticarmos bons atos e sermos éticos na vida e porque não dizer, sermos melhores cristãos.

#1. Não falte na votação

De acordo com Murilo Carvalho é muito importante o ato de ir votar. Parece lógico, mas o Brasil passa por um tendência de abstenção que só aumenta a cada eleição, o que é prejudicial para a democracia brasileira.

#2. Vote consciente

O cientista político também ressalta que votar consciente é buscar candidatos e partidos alinhados com a ideologia do eleitor. Também é preciso informação, educação e responsabilidade.

#3. Seja uma pessoa ética, honesta e com princípios

Shutterstock
Shutterstock

Não adianta cobrar ética dos políticos se praticarmos pequenas corrupções em nosso dia a dia, como furar uma fila, por exemplo. Segundo Murilo, a narrativa que afirma que o Congresso é reflexo da sociedade é verdadeira. “Certamente, atos de furar fila, vender voto ou praticar o chamado ‘jeitinho brasileiro’ resulta diretamente em atos antiéticos de nossos representantes. No entanto é preciso entender o problema da corrupção no País e suas diferenças. Logicamente que furar fila, furtar, vender voto etc é um ato de corrupção que tem seu impacto negativo na sociedade e que pode desencadear outros atos de corrupção. No entanto, corrupção, desvio de verba, caixa 2, entre outros é ainda mais prejudicial para a sociedade e atinge diretamente saúde, educação e segurança pública. Ou seja, não existe corrupção pequena ou grande, existe corrupção”, afirma.

#4. Sinta-se responsável por nosso país

Shutterstock
Shutterstock

Certamente é obrigação de todo eleitor, seja cristão ou não se sentir responsável por onde vive. A diferença é que cada um grupo social precisa buscar propostas de partidos e candidatos que se tem identificação. Os cristãos, por exemplo, tendem a buscar candidatos com pauta referente a luta contra o aborto, liberdade religiosa, família, etc. Cabe a cada um fazer o próprio exame de consciência e votar de maneira certa.

#5. Não seja mais um revoltadinho na internet. Dialogue.

Shutterstock
Shutterstock

Atualmente existe um grande fenômeno na internet que são os discursos de ódio. Para Murilo um dos pilares da democracia é o diálogo, e sem espaço para tal, o discurso se torna radical. “Esse fenômeno não deve ser ignorado, e sim analisado do ponto de vista de que é resultado de um crise de representação que vivemos. O ano eleitoral é uma grande oportunidade de mudança desse cenário. Toda mudança gera esperança”, comenta.

#6. União. Não deixe o Brasil se atolar na mediocridade

Shutterstock
Shutterstock

Logicamente que o Brasil precisa dos pilares básicos (saúde, educação e segurança pública) para atender suas necessidades. No entanto, é preciso um discurso de união em prol do País. A divisão de classes em nada acrescenta ao Brasil nesse momento sedento por mudanças. Existem pessoas boas em todos os partidos.

#7. Não espalhe mentiras

A internet está cheia das notícias falsas chamadas “Fake News” não dê uma de tolo e certifique-se de qual fonte vem aquela informação. Normalmente a Fake News traz conteúdos de sites totalmente desconhecidos. Eles são muito fáceis de identificar, mas se você costuma já sair compartilhando só pelo título e não se atenta ao conteúdo, cuidado.

#8. Não estimule brigas tolas

Shutterstock
Shutterstock

Nunca brigue com a família, colegas e amigos por conta da política. Vivemos em primeiro lugar em uma democracia. Se você ainda não tem argumentos necessários para realizar um bom diálogo, pesquise, se informe, estude sobre os candidatos. Acima de tudo respeite o próximo.

#9. Repasse o bom exemplo para novas gerações

Se você tem crianças em casa, eduque para as boas condutas. A próxima geração poderá ser capaz de transformar o país se tiver na base familiar pessoas que ensinem que colar na escola não é correto, que roubar é desonestidade, que trair a confiança é prejudicial ao semelhante e que tudo que vem fácil, vai fácil.

#10. Seja ético e gere amor

A atitude ética é uma atitude de amor para humanidade. Pense sempre no outro, reflita sobre consequências e preocupe-se com as pessoas.

#11. Respeite a “Casa Comum”

Shutterstock
Shutterstock

Seguindo os ensinamentos do Papa Francisco, respeitar o meio ambiente é fundamental para a continuidade do Planeta. Escolha candidatos que não se preocupem apenas com os dólares que vão ganhar ao derrubar uma floresta.

#12. Não esqueça

Shutterstock
Shutterstock

Sua grandeza está na capacidade de comprovar que, na prática, a ética e a política não podem e não devem estar separadas.

.:: Acesse aqui a página da Campanha #EuSouOBrasilEtico"

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0
Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por *Eduardo Gois, em Brasil

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.