Por Pe. Luiz Carlos de Oliveira, CSsR Em Artigos

“Maria, a Imaculada”

 imaculada_conceicao_web

Na preparação para a vinda do Senhor no Natal celebramos a Imaculada Conceição de Maria. Celebramos uma verdade da fé: Desde o primeiro instante, a Virgem Maria foi preservada de todo o mal porque seria a Mãe do Salvador: Rezamos: “Ó Deus, que preparastes uma digna habitação para vosso Filho, pela imaculada conceição da Virgem Maria, preservando-a de todo o pecado, em previsão dos méritos de Cristo” (Oração). A data de 8 de dezembro já é muito antiga. Já desde os séculos X e XI temos a celebração da festa. Por que somente em 8 de dezembro de 1854 foi proclamado dogma? Havia discussão sobre essa doutrina. O Papa Pio IX quis definir, isto é, dizer com segurança que Maria, desde o primeiro instante de sua existência, foi preservada do pecado original e de todo pecado. Essa doutrina coloca Maria como modelo do que a Redenção realizará em nós. Ela é o primeiro fruto bendito da Redenção. O pecado, provocado pela tentação de que foram vítimas Eva e Adão atinge toda a humanidade, não atingiu Maria por um dom especial de Deus. Ela foi preservada em vista dos méritos de Cristo. Quer dizer que a Redenção atingindo todos os tempos aconteceu em primeiro lugar em Maria. Deus não falhou no seu desígnio de salvação, pois nela, temos a certeza que todos podemos ser redimidos. Celebramos nesse dia não tanto um dom que Maria recebeu, mas a Graça generosa de Deus que nos salva. Maria está no coração da Redenção. Mostra que a Redenção está em seu pleno vigor e se estende a todos os tempos e a todas as pessoas.

 

Ela não gera Deus, mas Aquele que ela gera é o Filho de Deus.

O Anjo diz que ela é repleta de toda a graça de Deus. Por Maria não estar sujeita ao mal, pode ser a Mãe do Filho de Deus. Mãe em todos os sentidos. Ela não gera Deus, mas Aquele que ela gera é o Filho de Deus. Tudo isso por obra do Espírito Santo, que é presença de Deus do qual ela concebe. “O Espírito Santo virá sobre ti e a força do Altíssimo te cobrirá com sua sombra. O Filho que nascerá de Ti será chamado Santo, Filho de Deus” (Lc 1,31-32). Por isso, Imaculada, Virgem, é Mãe de Deus, pois seu Filho é Deus. A narrativa do pecado de Adão e Eva não quer mostrar como aconteceu, mas que o mal entrou no mundo por opção do homem e da mulher. Mas a graça de Deus vence no mundo por Jesus e por Maria que representa toda a humanidade que opta por Deus e pela graça. Deus fez prodígios. Maria reconhece: “Grandes coisas fez em mim o todo poderoso” (Lc 1,49).Não foi mérito seu ter recebido esse dom, mas ter colaborado com a Graça dizendo: “Eis aqui a serva do Senhor, faça-se em mim segundo a tua palavra” (Lc 1,38).

Celebrar Maria Imaculada é celebrar também nossa vitória sobre o mal com a graça de Deus. É também um compromisso nosso para com Deus de por nosso esforço para acolher o dom de Deus, como Maria acolheu e Nele perseverou. O dom da graça, para o mal é um veneno. O diálogo com o mal levou Eva à desgraça. O diálogo com Deus nos dá a graça e nos introduz no Paraíso fechado pelo pecado dos primeiros pais. Nele temos o fruto bendito da Virgem Maria Imaculada, Jesus Cristo. Podemos tomar do fruto da árvore da Vida que é Jesus Cristo na Eucaristia. Rezamos na oração de ação de graças: “Que a comunhão na vossa Eucaristia, cure em nós as feridas do pecado original do qual Maria foi preservada de modo admirável ao ser concebida sem pecado”. Comungando somos curados. A certeza de nossa devoção a Maria é a busca de vencer todo o mal com sua poderosa intercessão.

 

Ela não gera Deus, mas Aquele que ela gera é o Filho de Deus.
Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Pe. Luiz Carlos de Oliveira, CSsR, em Artigos

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.