Por Pe. Luiz Carlos de Oliveira, C.Ss.R. Em Artigos Atualizada em 27 MAR 2019 - 16H40

“Reclinou-O numa manjedoura”

presepio_m_carvalheira_site

Nasceu-nos um Menino

Diante do presépio estamos contemplando o maior acontecimento de todos os tempos. Para muitos não passa de uma imagem, de um folclore cristão, de uma lenda. Os que foram capazes de compreender e abriram a inteligência, viram o rosto Deus na simplicidade daquela criança. Não fomos nós que O fizemos a nossa imagem, mas Ele que escolheu nossa humanidade para se tornar acessível. Não somente tomou um corpo, mas assumiu nossa humanidade fazendo-a sua. Deus faz parte de nossa história e a une a sua vida para que tenhamos vida plena. Em Jesus, Homem Deus, a humanidade tem sua significação total. Não somos meros fatos. Recebemos o sentido para tudo o que existe em nós. A simplicidade do momento vai além. O texto de Lucas é singelo e diz tudo. Não é um fato fora da história, pois aconteceu um dia, no Império Romano, numa região distante do centro do mundo. Foi profetizado e aconteceu. No recenseamento, José e Maria foram registrar-se em Belém que era sua região de origem. “Completaram-se os dias para o parto. E Maria deu à luz seu filho primogênito, envolveu-O em faixas e O reclinou numa manjedoura, porque não havia um lugar para eles na sala da hospedagem” (Lc 2,6-7). As palavras simples revelam a densidade do mistério. São palavras que falam primeiro ao coração. Não se trata de pauperismo social, mas da condição de todo o ser humano sempre completo. Sua grandeza se percebe mais na simplicidade, pois, para o amor tudo é grande. Cocho de palha ou berço de ouro não tem diferença quando é para amar. O brilho está por dentro. Nesta simplicidade acolheu os pastores e os Magos.

Uma vida e um caminho

Jesus não é só um acontecimento ou uma data de calendário. Ele é Vida, pois é a fonte da Vida. Por ser um com o Pai, mesmo sendo também homem, comunica Vida. A revelação que Jesus faz da vontade do Pai é abrir à comunhão de Vida. Ele veio para estabelecer essa comunhão com o Pai. O ser humano, homem e mulher, são muito maiores que um tempo de vida e um corpo que termina. Somos mais. Já os poetas gregos, citados por Paulo, dizem que somos da natureza Divina: “Nós somos também de sua raça” (At. 17,28). S. Pedro diz palavras profundíssimas: “Por elas (glória e virtude) nos foram dadas as preciosas promessas a fim de que assim vos tornásseis participantes na natureza Divina” (2Pd 1,4). Recebemos a comunicação da natureza Divina, plenitude da vida que pertence a Deus. Esse dom é para nós um compromisso de fazer um caminho no qual a vida Divina e humana que possuímos sejam nossa vida.

Viver a Encarnação

O nascimento de Jesus não é só uma questão de um fato da vida Dele. Mas faz parte de nossa vida. Uma vez que vivemos na comunhão com Deus pela própria natureza humana que Jesus possui, é natural viver como Jesus viveu. Por que viver só a condição humana, quando a que permanece é a divina que glorifica a humana? Viver a comunhão com Deus é o natural da vida. Mesmo que não nos interessemos, a comunhão está em nós. Viver o Natal é viver como Jesus viveu. Ele foi totalmente humano, como nós, nem por isso deixou de lado sua Divindade. Mostrou que Deus não atrapalha a vida humana. Aliás, se assumíssemos o caminho que Jesus nos mostrou, o mundo estaria diferente. Por que não fazer a experiência. Aos que creem em Jesus como religião S. João diz: “Aquele que diz que está Nele, também deve andar como Ele andou” (1João 2,6). A celebração do Natal deve nos encantar, pois se manifestou a glória de Deus.

Feliz Natal com Jesus!

 

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Anterior
Próximo
Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Pe. Luiz Carlos de Oliveira, C.Ss.R., em Artigos

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.