Por Academia Marial Em Notícias

Home Institucional Congresso Assembleia Notícias Artigos Homilias Biblioteca Mariologia Faça Parte Fale Conosco Cardeal Damasceno fala à imprensa sob

 

dom_damasceno_cnbb

A vida da Igreja e a vida política do Brasil terão momentos importantes no mês de outubro, segundo o arcebispo de Aparecida (SP) e Presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) e da Academia Marial, Cardeal Raymundo Damasceno Assis. A 3ª Assembleia Extraordinária do Sínodo dos Bispos e as eleições foram os temas tratados na entrevista coletiva à imprensa na manhã de quinta-feira, 25, na sede da Conferência, em Brasília (DF), após o encerramento da reunião do Conselho Episcopal Pastoral (Consep).

Família

“Os desafios pastorais da família no contexto da evangelização” será o tema da 3ª Assembleia Extraordinária do Sínodo dos Bispos, a primeira no Pontificado de Francisco, a se realizar no Vaticano, de 5 a 19 de outubro. Para Dom Damasceno, a família passa hoje por grandes desafios e a Igreja busca, por meio de sua reflexão “ajudar as famílias a viverem sua vocação tão bela, como uma vocação para o amor, fundamental para a Igreja e para a sociedade”.

Ele explicou o processo de preparação para o encontro: Primeiramente, foi enviado às Conferências Episcopais um questionário sobre a realidade das famílias. Num segundo momento, após as respostas, o resultado foi devolvido para o Vaticano. Lá foi preparado, a partir das realidades verificadas, o documento de trabalho, chamado de Instrumentum Laboris. Durante a Assembleia, haverá aprofundamento do tema, como preparação para a segunda etapa do Sínodo, em outubro de 2015, quando será elaborado um documento final.

Dom Raymundo foi nomeado pelo Papa Francisco como Presidente-delegado do Sínodo, responsável por coordenar as atividades na ausência do Pontífice. Também foram nomeados para este mesmo serviço os arcebispos de Manila, nas Filipinas, e de Paris, na França.

Além do Cardeal Damasceno, mais três cardeais brasileiros estarão presentes na Assembleia Extraordinária: o Prefeito da Congregação para os Institutos de Vida Consagrada e as Sociedades de Vida Apostólica, Cardeal João Braz de Aviz; o arcebispo de São Paulo (SP), Cardeal Odilo Pedro Scherer; e o arcebispo do Rio de Janeiro (RJ), Cardeal Orani João Tempesta.

Foram convocados ainda o eparca da Eparquia Maronita de Nossa Senhora do Líbano (SP), Dom Edgard Amine Madi, e o casal responsável pelas equipes de Nossa Senhora da super-região do Brasil, Arturo e Hermelinda Zamberline. Serão 191 padres sinodais e 62 participantes entre especialistas, auditores e delegados fraternos.

O Papa Francisco – disse, por fim, o Presidente da CNBB – instituiu o próximo domingo, 28 de outubro, como Dia de Oração pelo Sínodo dos Bispos. Dioceses, paróquias, comunidades, institutos, movimentos, pastorais e associações são convidados a rezar pelo sucesso da Assembleia sinodal. Orienta-se que a oração aconteça nas celebrações eucarísticas e em outros momentos celebrativos, podendo-se também acrescentar outra intenção. Além do mais – acrescentou – convida-se a rezar o terço diariamente por esta intenção. “Em Roma será recitado todos os dias o rosário na capela da Salus Populi Romani”, afirmou Dom Raymundo, pela intenção do Sínodo.

Eleições

No contexto do pleito eleitoral do início de outubro, Dom Damasceno recordou duas iniciativas importantes da CNBB para o que considera uma “ocasião ímpar para o cidadão exercer seu direito de escolher os representantes que vão administrar o país”.

O debate com os candidatos à Presidência da República, promovido pela CNBB e realizado pela Rede Aparecida de Comunicação, foi transmitido pelas emissoras de rádio e televisão de inspiração católica. Para o cardeal, tratou-se de “um espaço democrático no qual os candidatos puderam apresentar suas propostas e também responder às interpelações de alguns bispos e profissionais das mídias católicas”. “Com o debate, o nosso eleitor pôde conhecer ainda mais cada candidato e suas propostas de governo”, considera.

O cardeal destacou saúde, educação, trabalho, família, a vida, a terra e a desigualdade social como elementos a serem observados na escolha do candidato. Ao recordar a mensagem “Pensando o Brasil – desafios diante das eleições 2014”, alertou que o eleitor não deve pensar em interesses pessoais ou de grupos, mas ter uma visão mais ampla dos grandes problemas do país e escolher o candidato que julgar ter mais condições de mostrar caminhos para responder o que o povo espera dos políticos.

“Com esse texto, nós fazemos um apelo e convocamos os brasileiros para que exerçam o voto de forma consciente, pensando no bem da sociedade, pensando nas questões mais amplas do nosso país”, explicou Dom Damasceno.
(CM-CNBB)

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Anterior
Próximo
Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Academia Marial, em Notícias

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.