Por Academia Marial Em Notícias

VIII Congresso Mariológico aprofunda reflexões sobre Maria

Conhecer mais sobre Maria e o exemplo que ela deixou como discípula e missionária e aplicar esses ensinamentos na vida pessoal e na comunidade.

 

VIII Congresso Mariológico aprofunda reflexões sobre Maria

Esse é o pensamento de quem vivenciou a programação do VIII Congresso Mariológico, realizado entre 29 de maio e 1º de junho pela Academia Marial no Santuário Nacional de Aparecida.

Com o tema Chave de Leitura da Missão Evangelizadora da Igreja no Brasil e o subtema Encontro, Mística e Missão, o encontro reuniu 160 congressistas, entre leigos, religiosos e estudantes de teologia.

Selma Aparecida de Andrade, que atua na Pastoral Educacional na cidade de Cubatão (SP), viajou mais de 200 quilômetros para participar e diz que voltará para casa muito mais capacitada. “Esse Congresso traz conhecimento e desenvolvimento para o nosso dia a dia dentro da paróquia. Como pessoa a gente se forma e se desenvolve tanto intelectualmente como quanto devota de Nossa Senhora”, pontua.

A agente de pastoral participa do Congresso pela quinta vez e acredita que, além do conteúdo das palestras, trata-se também de uma oportunidade para a troca de experiências com outros congressistas.

Já Sônia Xavier, de Cascavel (PR), participou pela primeira vez e vê no Congresso uma ocasião para aprofundar o conhecimento sobre Maria e aplicá-lo na vida pessoal e pastoral. “No meu dia a dia, no trabalho e na paróquia posso estar colaborando mais, ajudando pessoas, principalmente na questão da acolhida”, justifica.

Na avaliação do diretor da Academia Marial, padre Antônio Clayton Sant´Anna, o congresso tem ganhado a cada ano com o amadurecimento do público e a participação de palestrantes gabaritados.

Tema inspirado pelo Papa Francisco

Na abertura do congresso, o bispo auxiliar de Aparecida, dom Darci José Nicioli, ressaltou o esforço da Academia Marial de ser cada vez mais um espaço qualificado de evangelização mariana. Ele também lembrou que este é o primeiro Congresso após a canonização do santo, que é patrono da Academia e considerado o primeiro mariólogo do Brasil.

Segundo padre Clayton, o tema foi sugerido pelo cardeal arcebispo de Aparecida e presidente da Academia, dom Raymundo Damasceno Assis, que citou o discurso do Papa Francisco ao episcopado durante a Jornada Mundial da Juventude.

“De fato, foi providencial. Então, submeti à apreciação do padre Everton e do padre Joãozinho, da Faculdade Dehoniana, parceira no Congresso, e eles acrescentaram três subtemas: encontro, mística e missão”, relata.

De acordo com ele, os três subtemas entrelaçam-se com a figura de Nossa Senhora e com a exortação apostólica Evangelii Gaudium. “Tudo mostrando como se concretiza o encontro, como produz a mística pessoal, que contagia a pessoa e que quer também contagiar os outros através da evangelização”, completa.

Palestras e debates

A programação do Congresso incluiu palestras, debates, celebrações eucarísticas, momentos de oração e louvor mariano. O primeiro dia foi dedicado ao subtema Encontro.

A palestra de abertura ficou a cargo do teólogo, sacerdote e professor da Faculdade Dehoniana, padre João Carlos Almeida (SCJ), o padre Joãozinho. Ele abordou o tema Maria e a “cultura do encontro”.

De modo bastante didático, o palestrante fez uma explanação sobre o Congresso e contextualizou a plateia sobre a cultura do encontro proposta pelo Papa Francisco. Ele centralizou a explanação em dois encontros fundamentais na vida de Maria: com a prima Izabel e com o Anjo Gabriel, quando recebeu o anúncio que seria a mãe do nosso Redentor.

Ao falar sobre essas passagens, padre Joãozinho destrinchou os sete passos de Maria Missionária e os sete passos de Maria enquanto Discípula, cuja experiência mística remete ao encontro.

Logo após, padre Joãozinho abriu os microfones ao debate do tema com a plateia. O segundo palestrante do dia 29 de maio foi dom Darci José, que abordou o tema O Santuário como local de encontro, no período da tarde.

No segundo dia, as palestras foram voltadas ao subtema Mística. Na parte da manhã, o teólogo e mariólogo irmão Afonso Murad falou sobre A mística mariana da Alegria do Evangelho.

Baseada na exortação do Papa, sob a ótica mariana, a palestra foi um convite ao aprofundamento no documento e também para que os cristãos sintam-se chamados a contribuir no processo de renovação da Igreja.

Irmão Afonso mostrou Maria como uma pessoa disponível, ousada e que tem saída, como propõe Francisco na Evangelii Gaudium. “Como aquela que acompanha o seu filho Jesus e a própria comunidade cristã e como aquela mãe amorosa que está junto de nós, nos levando a Jesus”, completa.

À tarde, o padre Alexandre Awi de Mello ministrou a palestra A mística missionária do Santuário e da Romaria.

No terceiro dia, as palestras versaram sobre o subtema Evangelização. A irmã Sônia Delforno debruçou-se sobre o tema A estrela e mãe da nova evangelização, na parte da manhã. À tarde, o missionário redentorista padre Marlos Aurélio da Silva falou sobre O estilo mariano da Nova Evangelização.

A programação teve vários debates, tendo como principais mediadores padre Evaldo César de Souza, dom Darci José Nicioli, irmã Sônia Delforno, padre Joãozinho e padre Alexandre Awi. O Congresso foi encerrado com uma missa no Santuário Nacional, presidida por dom Raymundo Damasceno Assis.

 

Deniele Simões

Repórter e redatora do Jornal Santuário de Aparecida

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Academia Marial, em Notícias

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.