Código Personalizado
Revista de Aparecida

A cruz: trono real de Cristo Rei do universo

Escrito por Pe. Antonio Clayton Sant’Anna, C.Ss.R.

10 NOV 2022 - 11H25 (Atualizada em 11 JAN 2023 - 08H18)

João Pedro Ribeiro

O calendário da Igreja é centralizado em Cristo. Conta e divide o tempo: de Jesus a Jesus. Da sua vinda na Encarnação (1ª vinda), até o Juízo final, no fim dos tempos (2ª vinda). Jesus é o “alfa” e o “ômega”: o começo e o fim. Cada ano cristão termina sempre com a adoração a Jesus Cristo como Rei do Universo. E com ele pedimos ao Pai: “Venha a nós o vosso Reino”. São Paulo explica essa realeza ao escrever: Jesus é o Primogênito da Criação” (Cl 1,18-20).

É uma realeza que não se ancora na força de armas, dinheiro, fama, prestígio midiático. É um poder sem dominação. O Cristo reina pelo serviço de libertação que o Pai lhe conferiu. Assim, preserva a imagem e semelhança divinas que recebemos na Criação. Liberta-nos da servidão espiritual, moral, religiosa, material, psicológica, ideológica, política e legal.

A festa de Cristo Rei do Universo não pleiteia para a Igreja o ter mais influência na mídia, nos governos e nem sobre o povo. Ela nos ensina a não confundir a realeza de Jesus com os poderes mundanos: políticos, econômicos, empresariais, financeiros.

Não bastam leis, decretos, regulamentos e normas para garantir a dignidade do homem e da mulher. A lei civil legal, nem sempre é legítima. A lei do aborto, por exemplo. É preciso o amor, a verdade, a ética, a equidade, o respeito sincero às pessoas e às suas legítimas aspirações.

A realeza de Jesus constrói sem triunfalismos relações de convivência fraterna, solidária, pacífica e justa. Promove os direitos básicos à vida de todos, em qualquer tempo, raça, povo e cultura.

Dentro da Igreja e fora dela, os cristãos devem sacudir o jugo das injustiças e o jogo das ambições, comuns nas relações humanas. As categorias mundanas atuais, que definem o sentido do poder, do governo, do Estado, contradizem o serviço libertador da soberania de Jesus, segundo seu Evangelho. Enquanto não acontece a plenitude do Reino na segunda vinda do Rei, seus discípulos-missionários serão testemunhas e arautos da misericórdia divina conforme o ensino do Mestre e Pastor do rebanho.

Ele é rei porque veio acolher e perdoar todos quantos sofriam por serem pobres, humildes ou vítimas do poder prepotente e das injustiças. Até mesmo na agonia da cruz, ele ofereceu misericórdia aos seus algozes. Crucificado, Jesus sentou-se no seu trono real e tomou posse da realeza em plenitude sobre tudo e todos. Misericórdia e perdão marcam a justiça do seu reinado para quem evita a maldade e o pecado. E vivem a graça da liberdade no amor aos irmãos.


Receba a Revista de Aparecida em sua casa!
Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Pe. Antonio Clayton Sant’Anna, C.Ss.R., em Revista de Aparecida

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.

Bem vindo!


Para completar seu cadastro, por favor, verifique seu e-mail e defina sua senha.
Caso não encontre o e-mail na sua caixa de entrada, por favor, verifique na caixa de SPAM/TRASH/LIXO ELETRÔNICO.