Código Personalizado
Revista de Aparecida

A proteção dos direitos das crianças

No dia 28 de dezembro, durante o tempo da Oitava de Natal, celebramos a festa dos Santos Inocentes, os primeiros mártires da Igreja

Escrito por Pe. Jonas Luiz de Pádua, C.Ss.R.

15 DEZ 2022 - 10H25 (Atualizada em 11 JAN 2023 - 09H38)

Thiago Leon

Um dia para fazermos memória e homenagem às crianças que foram assassinadas por Herodes inocentemente. Ao ficar sabendo que os reis magos retornaram por outro caminho, avisados pelo anjo, não voltando até ele, o Rei da Judeia mandou matar todos os primogênitos masculinos, de 0 a 2 anos, pois certamente algum deles poderia ser Jesus.

Ao deparar com esse dia, além de rezarmos por todas as crianças, precisamos nos perguntar: como anda o convívio familiar, social, religioso, e as políticas públicas que garantem a proteção e os direitos das crianças, como educação, saúde, moradia, alimentação e lazer?

Em atenção a isso, globalmente, existe uma Convenção sobre os Direitos da Criança, que foi adotada pela Assembleia Geral da ONU em 1989. Foi ratificado por 196 países, sendo admitido no Brasil em 1990. Além disso, há um Fundo de Emergência Internacional das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), que tem como objetivo promover a defesa dos direitos das criançasajudar a dar resposta às suas necessidades e contribuir para o seu desenvolvimento criando condições duradouras.

Enquanto cristãos, precisamos sempre aperfeiçoar o nosso cuidado com os outros, sobretudo dos mais vulneráveis, como as crianças, pois a ferida do “pecado social” é grande e estamos retrocedendo nas principais medidas de bem-estar infantil.

Um novo relatório da ONU, divulgado em outubro deste ano, mostra que a saúde das crianças tem sofrido globalmente à medida que os impactos de conflitos, da pandemia da covid-19 e das mudanças climáticas convergem com efeitos devastadores nas perspectivas de crianças, adolescentes, jovens e mulheres. Estima-se que 25 milhões de crianças não foram vacinadas ou não tomaram todas as vacinas devidas em 2021 – 6 milhões a mais do que em 2019 –, aumentando o risco de contrair doenças mortais e debilitantes.

Milhões de crianças perderam a escola durante a pandemia, muitas por mais de um ano, enquanto aproximadamente 80% das crianças em 104 países e territórios sofreram perda de aprendizado devido ao fechamento das escolas. Desde o início da pandemia global, 10,5 milhões de crianças perderam um dos pais ou responsável para a covid-19.

Como pode ver, precisamos fazer a nossa parte, e a diferença, a iniciar dentro de casa, na nossa rua, no bairro e na cidade, contribuindo para o favorecimento do desenvolvimento de nossos pequeninos. O Santuário Nacional, preocupado com isso, tem diversos projetos sociais de amparo e cuidado com as crianças, como os “Devotos Mirins” da Mãe Aparecida, sustentados por sua generosidade e doação. A partir de nosso testemunho, continuemos permitindo que nossas crianças cresçam em um Brasil mais humano, sadio, justo e fraterno, onde todos possam ter espaço para (con)viver bem do início ao fim da vida.

Santos inocentes, rogai por nós e por todas as nossas crianças!


Clique aqui e faça parte da Família dos Devotos!

Clique aqui e ajude o Santuário Nacional a cuidar das crianças!

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Pe. Jonas Luiz de Pádua, C.Ss.R., em Revista de Aparecida

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.

Bem vindo!


Para completar seu cadastro, por favor, verifique seu e-mail e defina sua senha.
Caso não encontre o e-mail na sua caixa de entrada, por favor, verifique na caixa de SPAM/TRASH/LIXO ELETRÔNICO.