Por Redação A12 Em Artigos Atualizada em 16 MAI 2019 - 09H46

Aprender a aprender

Dean Drobot/Shutterstock
Dean Drobot/Shutterstock


Não importa a idade, não importa o gênero, não importa a profissão ou qualquer outra característica que nos diferencie, uma coisa temos em comum: nossa vida é um eterno aprendizado.

Todos os dias, recebemos uma quantidade enorme de informações. Desde nosso primeiro dia de vida até o último. O que muda da época em que éramos “novos” para agora, é que, neste momento, não aceitamos muito bem que temos algo a aprender.

Leia MaisÉtica e Meios de ComunicaçãoMais liberdade, por favor7 pecados capitais globalizadosNão espere a sexta para sextarSomos donos da razão, teimosos, e vem à tona sempre aquela falida ideia de que estamos “velhos” demais para mudar ou aprender. Limitamos nossas oportunidades de aprendizado por mera arrogância. Nós, quando crianças, ao contrário, fazemos questão de saber mais o tempo todo. E, em algum lugar do caminho, perdemos esse interesse.

Aprender não necessariamente significa ir à escola, fazer faculdade, cursos ou qualquer outro meio formal de aprendizado. Aprender é qualquer coisa que você possa fazer para saber mais um pouquinho do que sabe agora. Aprender é fazer aquela pesquisa na internet sobre um assunto de que você sempre teve dúvidas, mas nunca tinha ido atrás para saná-las. Aprender, é perguntar a sua avó a receita daquele bolo que você ama e só come se alguém fizer para você.

Aprender é sair do comodismo. É tirar os pontos de interrogação de sua cabeça e transformá-los em outra coisa. É não se contentar em não saber. É mudar o “não sei” por “irei pesquisar”; o “não aprendi” por “me ensina”; o “estou com preguiça” por “irei me esforçar”.

O conhecimento é uma ferramenta poderosa e é algo que não podem lhe tirar. É possível que nunca venha a utilizar algum determinado conhecimento que você tenha, mas ainda assim, nunca terá sido um desperdício. Aprender nunca é perda de tempo. Aprender para uma determinada finalidade, ou aprender só por interesse particular nunca será em vão, pois permite que um pouquinho de você cresça, cada vez que algo novo entra no repertório de seu conhecimento.

GaudiLab/Shutterstock
GaudiLab/Shutterstock


Aprender vale a pena. Mas depende de você. Acredite, você não sabe o suficiente. Pense no tamanho do universo. Esse é o tamanho de informações e conhecimento disponíveis por aí. E, se você acredita que não é capaz de aprender mais nada, por qualquer motivo que seja, por favor, creia um pouco mais em si mesmo e pare de usar a si como desculpa para não ir atrás de seu próprio crescimento.

Ah! Sugiro que, após esta leitura, você anote em um papel tudo aquilo que você sempre quis aprender a fazer, tudo aquilo que você sempre teve curiosidade para saber. Depois vá tratar de eliminar um por um da lista. Mas essa lista precisa ser renovada periodicamente. Nada de zerar a fila e deixar o papel em branco. O que o separa do conhecimento é sua curiosidade. Eu vou colocar algumas receitas em minha lista, coisas que sempre quis fazer e não fiz por não saber. E você?

Caiene Cassoli
Autora do livro “O poder de mudar hábitos”
Editora Ideias & Letras

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Anterior
Próximo
Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Redação A12, em Artigos

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.