Por Redação A12 Em Brasil

UNICEF publica declaração sobre criança migrante e a crise de refugiados na Europa

Nessa semana as imagens de corpos de crianças nas praias europeias circulou o mundo todo.

A crise de migrantes e refugiados na Europa se agrava e o diretor executivo do UNICEF (Fundo das Nações Unidas para a Infância), Anthony Lake publicou uma declaração sobre a criança migrante e a crise de refugiados na Europa.

 

“...não basta que o mundo fique chocado com essas imagens. O choque deve vir combinado com ação". 

Em sua declaração Anthony pede ação do mundo em defesa dessas crianças e sugere algumas medidas.

“Mas não basta que o mundo fique chocado com essas imagens. O choque deve vir combinado com ação. A situação dessas crianças não é nem escolha delas, nem está sob seu controle. Elas precisam de proteção. Elas têm direito à proteção”, diz na declaração.

Confira a declaração na íntegra:

Declaração do diretor executivo do UNICEF, Anthony Lake, sobre a criança migrante e a crise de refugiados na Europa

 Nova Iorque, 3 de setembro de 2015 – "Imagens de cortar o coração de corpos de crianças boiando nas margens das praias europeias; crianças deitadas sufocadas na carroceria dos caminhões que atravessam as fronteiras; crianças sendo passadas sobre cercas de arame farpado por pais desesperados.

À medida que a crise de migrantes e refugiados na Europa se aprofunda, essas não serão as últimas imagens chocantes a ricochetear por todo o mundo nas redes sociais, em nossas telas de TV e nas páginas dos nossos jornais.

Mas não basta que o mundo fique chocado com essas imagens. O choque deve vir combinado com ação.

A situação dessas crianças não é nem escolha delas, nem está sob seu controle. Elas precisam de proteção. Elas têm direito à proteção.

Pedimos que sejam tomadas, com urgência, as seguintes medidas:

- Proteger essas crianças, oferecendo continuamente serviços essenciais – incluindo cuidados de saúde, alimentação, apoio emocional e educação – e abrigo adequado para os migrantes e refugiados a fim de manter as famílias unidas.

- Preparar um número suficiente de especialistas em bem-estar infantil capacitados para apoiar as crianças e suas famílias.

- Continuar as operações de busca e salvamento – não só no mar, mas também em terra, uma vez que as famílias estão se deslocando de país para país – e fazer todos os esforços para prevenir o abuso e a exploração das crianças migrantes e refugiadas.

- Colocar os melhores interesses das crianças em primeiro lugar em todas as decisões tomadas em relação a esses meninos e meninas – incluindo casos de asilo.

Nosso coração está hoje com as famílias que perderam suas crianças – no mar, na praia e ao longo das estradas da Europa. À medida que os debates diplomáticos avançam, nunca devemos perder de vista a natureza profundamente humana desta crise.

Nem as crianças.

Nem sua extensão. Pelo menos um quarto daqueles que procuram refúgio na Europa são crianças – nos primeiros seis meses deste ano, mais de 106 mil crianças pediram asilo à Europa.

E nunca deveríamos esquecer o que está por trás de muitas das histórias das famílias que buscam refúgio na Europa: terríveis conflitos como o da Síria, que já forçou cerca de 2 milhões de crianças a fugir de seu país. Apenas o fim desses conflitos pode pôr um fim à miséria de tantos."

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Redação A12, em Brasil

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.