Por João Antônio Johas Em Espiritualidade Atualizada em 22 FEV 2019 - 10H02

Cátedra de Pedro: Autoridade e obediência nos dias de hoje?

A cátedra, na Igreja Católica, é o assento que pertence ao Bispo daquela diocese. Ela representa a autoridade daquele que é chamado a ser o pastor dessa parcela do rebanho do povo de Deus. Por extensão, chamamos também de catedrático o professor titular de uma universidade, responsável por coordenar e dirigir as investigações dessa instituição.

Nos dois casos, a cátedra é um sinal de algo que, hoje em dia, é mal visto em muitas situações. Na nossa cultura, a autoridade e a obediência não parecem estar com a popularidade em alta. Mas será que continuam relevantes?

Cátedra de Pedro -  Foto: shutterstock.com
Foto: Shutterstock

Chama a atenção que, em algumas passagens do Evangelho, se diz que o ensinamento de Jesus era dado com autoridade. Ele ordenou que os mares se acalmassem, curou muitas pessoas e até perdoou pecados, coisa que só Deus podia fazer. Jesus mandava que os espíritos imundos saíssem das pessoas e os mandava calar quando gritavam que sabiam sua identidade. Jesus possui autoridade porque Ele é Deus, e não um mero profeta ou a reencarnação de João Batista, como alguns achavam. É uma autoridade legítima, que inspira também uma autêntica obediência.

Tudo bem. É até compreensível que a Jesus lhe devamos obediência, por ser Deus. Mas e aos que não são Deus? Por que obedecer? Hoje celebramos a cátedra de Pedro, o primeiro Papa. Ao Papa, foi entregue a chave do reino dos céus, de modo que o que ele ligasse na terra, seria ligado no céu e vice-versa. É sobre essa rocha que está fundada a Igreja de Cristo. A autoridade que o Papa (hoje, Francisco) possui não lhe é dada por algum humano, mas pelo mesmo Deus. É uma autoridade delegada, mas legitimada pelo Senhor mesmo. E, portanto, também podemos (e devemos) obedecer.

Mas, ainda que entendamos a legitimidade da autoridade, por que nos custa tanto obedecer? Se lembrarmos do pecado original, vamos perceber que nossos primeiros pais foram desobedientes com Deus, e isso lhes valeu a expulsão do Paraíso. Obedecer a Deus não era um problema, até que a serpente envenenou o coração dos homens com o desejo de serem como Deus, sem Ele. Hoje em dia, vemos a obediência como um cerceamento da nossa liberdade, da mesma forma como viram os nossos primeiros pais a proibição de comer o fruto daquela "árvore do conhecimento".

Em busca de uma liberdade absoluta, deixamos de lado a verdade que nos é revelada por Deus. Se colocamos a nossa liberdade como um valor mais importante que a Verdade, nunca conseguiremos ser obedientes. Por isso é preciso, antes de tudo, voltar a sermos humildes para perceber que não somos capazes de discernir sozinhos o que nos fará realmente livres. Sem Deus, buscamos a liberdade e nos aprisionamos no pecado. Com Ele, obedientes à sua autoridade e, por extensão, à autoridade que Ele delega aos seus ministros, especialmente o Papa, não somos menos livres; pelo contrário, somos autenticamente livres para viver em plenitude o que significa ser seres humanos.

Maria é, ao mesmo tempo, a pessoa mais livre e mais obediente a Deus. Quanto podemos aprender dela nos dias de hoje! Peçamos que ela nos ajude a viver a autêntica liberdade, sendo verdadeiros filhos obedientes ao Pai que nos ama.

.:: A morte dos apóstolos

Escrito por
Irmão João Antônio Johas (Redação A12.com)
João Antônio Johas

Licenciando em Filosofia pela Universidade Católica de Petrópolis, Pós-graduando em Antropologia Cristã pela Universidade Católica San Pablo em Arequipa, Peru.

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Anterior
Próximo
Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por João Antônio Johas Leão, em Espiritualidade

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.