Espiritualidade

Encontrar-se

Fé livra-nos da insensibilidade à existência diminuída de muitos e muitos.

Padre Dalton Barros de Almeida, C.Ss.R. (Arquivo pessoal)

Escrito por Padre Dalton Barros de Almeida, C.Ss.R.

24 JAN 2023 - 18H12 (Atualizada em 24 JAN 2023 - 19H00)

Shutterstock

A vida como processo de encontro consigo. Tornar-se pessoa. A caminho. E todo caminho, vivido na inteireza, faz aflorar o que em nós frutificará. Vida: processo a caminho para a construção de uma inteireza própria. Sem alienações. Sem linhas de fuga. Longe de fragmentações.

Caminho. Processo. Intensidade. Inteireza compõe a busca do sentido de SER e CONVIVER. Cria e recria um quadro de vida. Um cotidiano ágil e sem estar dominado por tarefas consideradas, todas elas, de urgência urgentíssima. Um cotidiano com seus ritmos, seus ritos, sua rotina facilitando o viver. Assim a vida pode fluir. Cuidado com a velocidade das tarefas. Isto impede conhecer-se para se encontrar em profundidade.

Um quadro de vida! Código de vida relacional. Não para enquadramento do medo ou das inseguranças. Modo de ser e estar em relação com o Real: circunstâncias e pessoas, estes outros que conosco tecem seus laços. Vida compartilhada.

Compartilhar faz ecoar a dignidade de existir. Jamais pode ser "coisificada" qualquer pessoa. Pessoa alguma é um “Quê”. E sim QUEM. Valor de existir. Não somos apenas o que agora conseguimos ser. Melhor nos entender pelo que somo chamados a ser.

Olhando à luz da Fé em Jesus Redentor, ganhamos uma referência sobre o sentido de prosseguirmos evoluindo. A Fé-confiança é motivação para nos aperfeiçoarmos. Sabendo a vida ser DOM divino nos facilita libertar-nos da angústia de não ser, não valer, não perceber a MISSÃO de co-existir. Em família. Em sociedade. Como Igreja. Sujeitos eclesiais.

Simon Dewey
 Simon Dewey

Conviver: a bem-querença, tecendo rede de parcerias. Questão do amor-companheiro, amor-serviço, amor-casado, amor-amizade.

Quadro de vida é para sair do casulo, descentrar-se para melhor se centrar na qualidade de ser pessoa. Ir descobrindo e cultivando a essência do próprio valor. Com seus limites, claro. Somos corporeidade, somos interioridade. Somos psico-espirituais.

CORPO, isto é: sexo, idade, identidade que afetam todo o ser. Nosso pensar como nossa afetividade são sexuados. Nossa inteligência há que se tornar afetuosa no perceber a realidade que nos circunda e também nos cerceia de alguma maneira. Não somos rio sem margens!

Inteligência afetuosa e espiritual nos faz perceber que somos seres inacabados. Jamais podemos nos considerar autossuficientes. Ninguém basta a si mesmo. Nossa história de vida é vivida na relação com muitos outros. Somos relativos a... Então, avalie: a bendita comunicação digital não deve alimentar fantasmas nem prejudicar de modo destruidor as relações humanas e humanizadoras. Fuja dos trilhos de ser coisa! Não se contente em estar conectado. Aprofunde seus vínculos reais. A conexão em rede não é a mesma coisa que relacionamento pessoal, afetivo, presença física. 

Leia MaisCNBB aponta práticas para o despertar da vocação

Identificando-nos dizemos: EU, para mim, comigo, em mim. Pessoas referimo-nos ao outro! Tu, contigo, para ti, sem ti. Cada um em sua singular originalidade e o outro também.

No empenho de dar certo, organizamos o dia a dia com uma ROTINA. Engrenagem de pequenas rodas para facilitar o ser e conviver, pensar e agir. Um tempo para cada coisa. Ritos e ritmos. Quadro de vida que nos leva a romper dependências escravizantes.

Ah, que ótimo é apostar na alegria de viver, convivendo e crendo. CRER. Quem se nutre com a Fé em Jesus Redentor busca o que é belo e verdadeiro, causando a verdade amorosa de se humanizar.

Freedom Studio / Shutterstock
Freedom Studio / Shutterstock

Leitor e leitora, vocês levam fé na Fé? Ela, divino dom, nos fortalece para os desafios. Leva-nos a um caminho de adultescência. Renova-nos para melhor perceber e escolher. Fé livra-nos da insensibilidade à existência diminuída de muitos e muitos. 

Viver no tempo e no espaço-Tempo cotidiano em múltiplas faces vivido: intercalam-se os dias com pausas. Celebramos os meses e seus dias festivos. Viver o TEMPO consiste em cultivar a intensidade. Sem ela, a pessoa se esvazia.

Leitor, leitora cuide bem de sua intensidade e de seu quadro de vida. Respeite e acolha seus limites. Que a FÉ leve-o (a) a ir se aperfeiçoando. A vida é vocação. Chamados a Viver com a Fé no Jesus Ressuscitado, é fonte de orientação no caminho. Viva com LUZ em todas as suas habilidades de modo que até acontecimentos dolorosos ganhem sentido para a gente MAIS ser. Viva em diálogo com a realidade. E lembre-se: saber pedir ajuda revela o desejo de cura e crescimento. 

Escrito por
Padre Dalton Barros de Almeida, C.Ss.R. (Arquivo pessoal)
Padre Dalton Barros de Almeida, C.Ss.R.

Nascido em 1937 e ordenado sacerdote em 1961, pertence à Província Redentorista do Rio de Janeiro e atua na Diocese de Juiz de Fora/ MG. Escreve sobre Psicoespiritualidade para o Portal A12.

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Redação A12, em Espiritualidade

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.

Bem vindo!


Para completar seu cadastro, por favor, verifique seu e-mail e defina sua senha.
Caso não encontre o e-mail na sua caixa de entrada, por favor, verifique na caixa de SPAM/TRASH/LIXO ELETRÔNICO.