Espiritualidade

O que a Igreja ensina sobre Indiferença?

Júlio Egrejas (Arquivo Pessoal)

Escrito por Júlio Egrejas

19 FEV 2021 - 08H42 (Atualizada em 19 FEV 2021 - 08H54)

Shutterstock indiferença (Shutterstock)

Ao buscarmos o termo indiferença no dicionário, encontramos, entre outros significados, a ideia de “ausência de interesse” e “falta de consideração” com respeito a alguém ou alguma coisa. A indiferença pode ser algo negativo quando o objeto ou a pessoa em questão merece a nossa atenção. Mas ela também pode ser algo positivo.

Leia MaisO que a Igreja ensina sobre preconceitoCom efeito, na história da Igreja, muitos cristãos entendiam este conceito como uma atitude que os ajudava a colocar Deus, sua sabedoria e seu plano de amor, sobre todas as coisas. A indiferença deveria ser dirigida a tudo aquilo que era secundário a respeito de Deus e das moções de seu Espírito. Alguns santos chamavam esta atitude de “santa indiferença”.

Mas, na atualidade, a Igreja tem dirigido a sua voz e os seus ensinamentos à indiferença entendida como algo ruim. Em muitos de seus documentos, ela critica o agnosticismo, que representa a indiferença negativa. O Catecismo da Igreja Católica, no número 2128, diz:

“O agnosticismo pode, por vezes, encerrar uma certa busca de Deus. Mas pode igualmente representar um indiferentismo, uma fuga perante a questão última da existência e uma preguiça da consciência moral”.

Shutterstock
Shutterstock


O Papa Francisco chega a falar de uma “cultura da indiferença”, oposta ao amor de Deus e que, como indica o termo “cultura”, está fincando raízes na nossa vida, ganhando terreno no seu dia a dia, e se transformando num modelo de vida, ganhando adeptos entre os seres humanos. Mas Deus não é assim, Seu coração não se cansa de amar.

Nas palavras do Papa:

“O coração de Deus, o coração de Jesus se comove, e vê, vê aquelas pessoas, e não pode ficar indiferente. O amor é inquieto. O amor não tolera a indiferença. O amor tem compaixão. Mas compaixão significa colocar o coração em risco; significa misericórdia. Jogar o próprio coração para os outros: isso é amor. O amor é colocar o coração em risco pelos outros.

Guiados pelo nosso Papa, trabalhemos para erradicar a cultura da indiferença e instaurar, cada vez mais, a cultura do compromisso, do cuidado e da disponibilidade ao amor de Deus.

Escrito por
Júlio Egrejas (Arquivo Pessoal)
Júlio Egrejas

Júlio Egrejas nasceu no Rio de Janeiro (RJ), em 1975, é membro do Sodalício de Vida Cristã desde 1993. Desde 2012 mora em Petrópolis, e participa do Movimento de Vida Cristã, onde realiza diversos serviços de evangelização e formação Cristã, com destaque para o Curso Católico de Oração e Espiritualidade. Atualmente está terminando a dissertação em vistas ao Mestrado em Direito Canônico.

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Redação A12, em Espiritualidade

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.

Bem vindo!


Para completar seu cadastro, por favor, verifique seu e-mail e defina sua senha.
Caso não encontre o e-mail na sua caixa de entrada, por favor, verifique na caixa de SPAM/TRASH/LIXO ELETRÔNICO.