Espiritualidade

Sair da bolha

Padre Luís Rodrigues Batista, C.Ss.R.  (Arquivo pessoal)

Escrito por Padre Luís Rodrigues Batista, C.Ss.R.

14 OUT 2021 - 08H44 (Atualizada em 14 OUT 2021 - 16H03)

Ollyy/ Shutterstock homem na bolha, isolamento, ignorância (Ollyy/ Shutterstock)

Nesse tempo de isolamento social por causa da pandemia, tivemos oportunidades para refletir sobre algo muito perto de nós, que é a nossa condição humana.

Fizemos descobertas e constatações de riquezas e pobrezas, de grandeza e pequenez. À medida que vão flexibilizando, ansiosos, não vemos a hora de poder voltar à normalidade, porque recebemos a vacina e fomos vencedores, mais uma vez, com o auxílio da Ciência. Só nos resta uma avaliação objetiva quanto ao aprendizado, nessa longa experiência, jamais planejada, a que fomos submetidos.

Foi uma experiência de contingência e de limites, no mais amplo e profundo do existir. Tivemos de lidar com as inseguranças e medos, a proximidade da doença e a realidade da morte. Estivemos ao lado de pessoas e de famílias inteiras que viveram a experiência da perda de membros, familiares e amigos. Foi uma fase na história com muita dor, angústias e sofrimentos. Muitos entre nós enfrentaram na própria pele a doença, e seus depoimentos são comoventes.

CreativeAngela/ Shutterstock
CreativeAngela/ Shutterstock

Temos, hoje, clareza de que ainda não acabou a pandemia, mas confiamos que não vamos mais regredir desse estágio em que chegamos. É necessário ouvir o que as autoridades da saúde, que amam a vida, têm a nos orientar. É preciso fazer a nossa parte no que se refere à proteção para evitar a propagação do vírus, com novas cepas e variantes, como temos escutado dos especialistas.

Mas o apelo seguinte será no sentido de sair da bolha, isto é, sair de si e categorizar como aprendizado humano o que experimentamos. Que nos favoreça à abertura ao valor da vida, ao reconhecimento do próximo com mais empatia e solidariedade. Do contrário, de nada teria valido a pena tudo o que passamos. Foi-nos dada a chance para despertar a consciência para uma realidade nova, para uma humanidade capaz de sonhos e novas atitudes, com coragem para ir além, para deixar de lado antigos jeitos e vícios de mentalidade. O passo seguinte é para que sejamos diferentes na maneira de nos relacionar e conviver.

Leia MaisPara matar a sedeOs desafios que clamam ao céu em nossos dias são a partir das consequências práticas na ordem do dia. Muitas famílias, muitos irmãos têm de enfrentar a realidade da fome, do desemprego, pela carestia de vida, pela situação de marginalização e pobreza. O mergulho existencial que fizemos, pela COVID-19, foi para perscrutar a nossa forma de viver.

Um novo modo de despertar agora é preciso. A condição humana, a consciência da realidade histórica, o apreço ao próximo e semelhante, o valor da dignidade das pessoas tem de ser a diretriz para redesenhar os projetos sociais e culturais, para o plantio de novas maneiras de encarar a própria vida, com mais empatia e solidariedade.

Escrito por
Padre Luís Rodrigues Batista, C.Ss.R.  (Arquivo pessoal)
Padre Luís Rodrigues Batista, C.Ss.R.

Nascido em Porto Feliz (SP), atualmente Reside em Miracatu (SP). É membro da Comunidade Redentorista e trabalha na Paróquia Nossa Senhora das Dores.

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Redação A12, em Espiritualidade

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.

Bem vindo!


Para completar seu cadastro, por favor, verifique seu e-mail e defina sua senha.
Caso não encontre o e-mail na sua caixa de entrada, por favor, verifique na caixa de SPAM/TRASH/LIXO ELETRÔNICO.