Por Redação A12 Em Espiritualidade Atualizada em 06 DEZ 2019 - 08H57

Saiba a história do verdadeiro Papai Noel

Shutterstock
Shutterstock

Em 6 de Dezembro, celebramos a memória de São Nicolau, Bispo e mártir de Myra, situada na Turquia atual. Conta-se que seus pais tiveram dificuldades para ter filhos, até que nasceu Nicolas. Dando graças pelo fato, eles passaram a distribuir alimentos, roupas e dinheiro aos pobres, até que vieram a falecer devido a uma epidemia. 

Leia MaisO Menino Jesus e o Papai Noel

Nicolau herda a grande fortuna de seus pais, torna-se Bispo e, como ministro de Cristo, continua o trabalho de solidariedade e partilha com os necessitados. Ajudava a todos, principalmente por ocasião do Natal, época de rigoroso inverno na região. Suas oferendas eram acompanhadas de um bilhete, dizendo que era o Menino Jesus quem os presenteava.

O folclore o converteu num velho duende gorducho, fofo e alegre que distribuía presentes. Em 1930, o artista Fred Mizen imprime a imagem de Papai Noel numa propaganda de refrigerantes, mostrando-o vestido de vermelho.

Em 1931, Haddon Sundblon abandona a figura de duende e usa uma figura humana, que passa a representá-lo, usando como modelo um vendedor aposentado chamado Lou Prendice. Mais tarde, Sundblon tornou-se seu próprio modelo, aparecendo numa propaganda de refrigerante na revista Saturday Evening Post, tornando-se o símbolo do padroeiro do Natal.

Shutterstock
Shutterstock

Antes que a lenda ou o marketing alterassem a história, devemos fazer exatamente o que São Nicolau fez na sua vida: dar testemunho de Cristo, reconhecê-lo como o Senhor da história e celebrar o seu nascimento, o Natal, como a festa da Salvação que chega a nós na pessoa do Menino Deus, e que torna a humanidade uma só família. Por isso, como São Nicolau, é importante partilhar e repartir nossos bens com os irmãos mais pobres.

Ele é o verdadeiro dom e presente, pois o Natal, acima de tudo, é Cristo. Não nos deixemos roubar o Natal ou deformá-lo como ocasião de compras e cerimônias de fachada. Lembremos que antes que outro lugar, o presépio e a manjedoura são o nosso coração, e o nosso lar é a hospedagem que o Deus-Conosco aguarda para nascer. Deus seja louvado!


 * Dom Roberto Francisco Ferreria Paz
Bispo de Campos (RJ)

1 Comentário

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Anterior
Próximo
Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Redação A12, em Espiritualidade

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.