Por Pe. Antônio Queiroz, C.Ss.R Em Histórias de Vida

A princesa feia

Havia, certa vez, uma princesa que era linda, a mais bela menina da região. Mas a sua madrasta, enciumada com a sua beleza, desde a mais tenra idade dizia-lhe que ela era feia. A madrasta dizia:

- Você é feia, muito feia! Você é tão feia que ninguém aguenta olhar para você.

Não bastasse isso, a madrasta dava ordens a todos os cortesãos do palácio para que dissessem à menina que ela era muito feia.

A princesa cresceu e tornou-se uma bela moça, mas sentia-se feia. Ela pensava: Sou tão feia que nunca vou encontrar quem goste de mim. Ninguém jamais vai me amar. Ninguém vai querer casar-se comigo.

Sua angústia chegou a tal ponto que ela se escondeu no calabouço do palácio, para que ninguém a visse. E lá permaneceu. 

Quando a rainha morreu, algumas pessoas de bom coração foram ver a princesa e contaram-lhe a verdade:

- Você não é feia. A sua madrasta dizia isso porque sentia ciúme de você. Pelo contrário, você é muito linda, é a moça mais bela da região.

Mas a princesa não acreditava, e dizia às pessoas:

- Eu sei que sou feia. Por favor, deixe-me em paz, curtindo a minha feiura.

Um dia, um belo príncipe visitou o palácio e contaram-lhe a história da princesa. Ele desceu ao calabouço e assim que a viu ficou encantado com a sua beleza. Disse-lhe fascinado:

- Você é maravilhosa. É tão bela que não consigo tirar os olhos de você.

A princesa cobriu o rosto com as mãos e chorou. Disse ao príncipe:

- Por favor, pare de zombar de mim. Eu sei como sou feia. Sou a moça mais feia do mundo.

Mas o príncipe não ia embora e continuava olhando para ela. Aproximou-se dela e abraçou-a, sussurrando:

- Você é a mulher mais lindo do mundo.

Ao perceber o amor e o carinho do príncipe, finalmente a princesa levantou os olhos e viu seu próprio rosto refletido nos olhos do príncipe. Vendo a própria imagem pela primeira vez, sentiu-se confusa, porque achou bonito o próprio rosto. Aos poucos, foi-se dando conta de que era realmente bonita. E ria do tempo em que ficava escondida no calabouço.

As pessoas funcionam como espelhos psicológicos umas para as outras. Quando são bem tratadas, constroem uma auto imagem positiva. Quando são mal acolhidas, rejeitadas e recebem críticas destrutivas, elas constroem uma auto imagem negativa.

(Fonte: Peter Ribes, sj)

Escrito por
Padre Antônio Queiróz dos Santos (Pe. Antônio Queiroz, C.Ss.R)
Pe. Antônio Queiroz, C.Ss.R

Mais conhecido como Padre Queiróz (in memoriam) recolheu ao longo de seu ministério centenas de histórias que falam de forma simples e popular da fé e das realidades do povo de Deus.

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Anterior
Próximo
Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Pe. Queiróz, C.Ss.R., em Histórias de Vida

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.